Iván Duque defende reforma policial “drástica” após onda de protestos na Colômbia

Presidente da Colômbia afirmou que governo será rigoroso com as condutas contrárias à Constituição e que proposta é antídoto contra os excessos demonstrados nos protestos de abril

Iván Duque nesta quarta-feira no Hotel Ritz em Madri.
Iván Duque nesta quarta-feira no Hotel Ritz em Madri.INMA FLORES (EL PAIS)
Mais informações


Iván Duque, presidente da Colômbia desde agosto de 2018, encara a reta final de seu mandato consciente de que a onda de protestos que eclodiu no seu país em abril marcará irremediavelmente seu legado. O governante, em visita oficial à Espanha, se esforça em exibir um trabalho atraente para o cidadão médio do seu país e, ao mesmo tempo, para o investidor externo. Afável e de maneiras delicadas, Duque defende sua gestão aferrando-se a medidas como a vacinação maciça e a melhora na educação universitária. “O momento dos protestos nos serve para transformar a adversidade em oportunidade”, disse em conversa com o EL PAÍS poucas horas depois de aterrissar em Madri nesta quarta-feira.

Perguntado sobre a marca desses episódios – que deixaram mais de 50 mortos e 2.000 feridos – para o seu mandato, o presidente muda rapidamente o foco para outro terreno: “Não sei se o marca; foi uma situação difícil que se enfrentou. O importante é o legado estrutural que estamos deixando, centrado na equidade, com as mais importantes leis de investimentos sociais e reforma fiscal deste século”. O líder colombiano aplica uma espécie de equidistância na análise das reformas derivadas desses episódios de protestos. As mudanças legais, diz ele, “garantem o protesto pacífico e a tolerância zero contra qualquer conduta de membros das forças públicas contrária à Constituição e com qualquer conduta de um cidadão contra a força pública”.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

No entanto, o governante, que desde o começo do mandato mantém baixos índices de popularidade, não evita discutir os episódios de abusos policiais registrados naquelas jornadas: “Avançou-se por parte do Ministério Público e nas investigações internas. Já foram tomadas decisões a respeito de alguns membros das forças públicas quando havia prova de que sua atuação foi contrária à Constituição. Espero que antes do final do ano tenhamos uma situação muito mais clara para mostrar essa tolerância zero”. As modificações implicam mudanças para a polícia nacional: “Uma nova metodologia no escalão de promoções e uma modificação do regime disciplinar para sermos ainda mais drásticos com as condutas contrárias à Constituição”. Com a mesma ênfase que emprega ao destacar outras medidas de seu Governo, não hesita em definir essa legislação como “a reforma mais importante do século na polícia nacional”.

Se a violência empregada para conter os protestos erodiu a reputação da Colômbia, uma medida muito diferente, a regularização dos venezuelanos que fogem do país vizinho, recebeu, apenas dois meses antes, grandes elogios internacionais. “Esses 1,8 milhão de pessoas já estavam na Colômbia, mas eram invisíveis. Com o status de proteção temporária, antes do final do ano haverá um milhão de pessoas cobertas, e outras 800.000 no primeiro semestre [de 2022]”, promete. Sabedor de que esse coletivo também suscita certo receio entre os colombianos, Duque salienta os aspectos dessa decisão que melhoram a segurança pública e afugentam a competição por postos de trabalho. “Qualquer migrante que cometer atos contra a lei está agora registrado e pode ser submetido à lei. E esse venezuelano, que ganhava abaixo do que se pagava a um colombiano, não pode mais ser contratado por menos. Os estudos que fizemos demonstram que a imigração fraterna e bem dirigida representa algo positivo para o desenvolvimento econômico.”

Mas dentro desse contexto ele destaca que o gesto “não pode ser ilimitado” e que seria fundamental “que a Venezuela faça uma transição rápida para a democracia”. Duque evita demonstrar confiança total no processo de diálogo aberto recentemente entre Governo e oposição na Venezuela, mas admite: “Pela pressão internacional, a ditadura [em referência ao regime de Nicolás Maduro] não teve outro remédio senão sentar-se à mesa. É um feito muito importante. Mas o objetivo precisa ser o de eleições presidenciais rapidamente.”

Apesar de esboçar essas reflexões políticas, Duque trata de não se afastar do motivo que o leva à Espanha: apresentar seu país como um terreno fértil para investimentos. O presidente, que se reúne nesta quinta-feira com o rei Felipe VI e com o chefe de governo Pedro Sánchez, aspira a poder amarrar com as empresas espanholas “um investimento superior a dois bilhões de dólares [10,4 bilhões de euros] para os próximos anos”. Seu trabalho à frente do país latino-americano acabará muito antes, depois das eleições de maio de 2022.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.


Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: