O mercado já não confia na direita italiana

Escolha dos candidatos para as próximas eleições municipais mostra a falta de quadros dirigentes e o vazio ideológico deixado pela decomposição do partido Força Itália

Matteo Salvini, líder da Liga, e Giorgia Meloni, do Irmãos da Itália, no fórum econômico de Cernobbio.
Matteo Salvini, líder da Liga, e Giorgia Meloni, do Irmãos da Itália, no fórum econômico de Cernobbio.MATTEO BAZZI (EFE)
Mais informações
Matteo Salvini, líder de la Loga, el pasado viernes en Padua.
A anatomia do suicídio político de Matteo Salvini
Cars are seen stuck sideways in a huge hole that has opened up next to a Rome apartment building, in Rome, Italy, May 25, 2021. Vigili Del Fuoco/Handout via REUTERS  THIS IMAGE HAS BEEN SUPPLIED BY A THIRD PARTY. DO NOT OBSCURE LOGO
Ninguém quer ser prefeito de Roma
Beppe Grillo salía de un hotel de Roma tras un encuentro del M5S el pasado 28 de febrero.
Os dias tristes de Beppe Grillo, o palhaço que triunfou com o experimento político mais estranho da Europa

A Itália realiza na primeira semana de outubro o último grande evento eleitoral antes que o Parlamento nomeie, em janeiro, o próximo presidente da República, a pessoa que deverá substituir o popular Sergio Mattarella. As eleições municipais nas principais cidades do país (Roma, Turim, Milão, Nápoles, Bolonha...) darão a temperatura aproximada de uma batalha política silenciada pela surdina imposta no Governo de unidade do presidente do Conselho de Ministros, Mario Draghi. As pesquisas, único lembrete da convulsão política anterior a essa era tecnocrática, apontam para algumas mudanças que podem inclinar a balança a favor da direita italiana. Mas seus candidatos, a maioria personagens do segundo escalão político, não entusiasmam os cidadãos nem o setor empresarial que tradicionalmente os apoia. Na falta de uma direita liberal e moderada, os poderes econômicos se sentem incômodos com a deriva nacionalista e o tom agressivo da nova direita.

No último final de semana, no Fórum Ambrosetti, o grande evento econômico do início do ano político, muitos participantes lamentavam o baixo nível dos quadros de um espectro político tradicionalmente próximo. Pela primeira vez em muito tempo, o establishment italiano desconfia da direita e teme sua habilidade de criar problemas com a Europa em pleno boom econômico. Desaparecido do mapa, o partido Força Itália, de Silvio Berlusconi, não tem um aliado claro. “A direita que aspira a governar não tem quadros dirigentes que transmitam confiança. Basta olhar para o que tiveram de suar para conseguir dois candidatos que ninguém conhecia para as duas cidades mais importantes da Itália”, disse um representante histórico desse mundo, na manhã do último sábado, 5 de setembro. Ele se referia a Enrico Michetti, um locutor de rádio local com incômodos arroubos nostálgicos do Império Romano, que tenta se eleger prefeito de Roma, e a Luca Bernardo, um médico desconhecido que pretende disputar a prefeitura de Milão com o atual prefeito social-democrata, Giuseppe Sala.

A coalizão de direita, formada por Irmãos da Itália, Liga e Força Itália, passou meses impondo vetos aos candidatos apresentados por seus parceiros. Não conseguiram entrar em acordo. Havia poucos e sempre demasiado inclinados para um lado. Matteo Salvini, líder da Liga, perdeu agora mais de dez pontos nas pesquisas, mas seu partido cresceu enormemente em poucos anos e o aumento de apoio não foi acompanhado por uma sólida ampliação das lideranças partidárias. O Irmãos da Itália é um partido muito jovem e o Força Itália está em decomposição. Portanto, para essas eleições buscaram candidatos na sociedade civil. “Foi uma loucura. Havia candidatos políticos fortes. O medo da ascensão do Irmãos da Itália foi determinante para cometer esse erro. E para colocar os três partidos de acordo acabaram buscando figuras irrelevantes: tanto em Milão quanto em Roma”, admite um peso-pesado do partido de Giorgia Meloni.

O problema das listas da direita em alguns lugares, como na cidade de Roma, vai além dos cabeças de chapa. Os aspirantes a vereadores emergem de um espectro grotesco que vai desde antivacinas até torcedores de futebol com tatuagens abertamente nazistas, como Francesco Cuomo. Apesar de tudo, o candidato Enrico Michetti lidera as pesquisas. O problema dele, como o de alguns colegas de outras cidades, será o segundo turno, no qual não tem nenhuma possibilidade de vencer. A fotografia de Roma hoje diz que quem ficar em segundo lugar na primeira votação vencerá as eleições no chamado ballottaggio (o segundo turno, que acontece se ninguém atingir 50,1% dos votos no primeiro turno).

O Partido Democrático (PD), que em algumas cidades formará uma coalizão original com o Movimento 5 Estrelas, oferece mais confiança ao establishment. Na capital disputará sem aliados, tendo como candidato o ex-ministro da Economia, Roberto Gualtieri, que almeja o segundo lugar no primeiro turno. Os social-democratas buscaram em suas fileiras alguém de peso para competir com a atual prefeita, Virginia Raggi. “Havia outros candidatos possíveis”, lamenta um membro da Liga. O PD encarna assim de forma mais nítida os desejos de certo mercado italiano: nada melhor do que um ex-ministro da Economia para pôr ordem no caos financeiro e de gestão da capital. Aliás, uma lista de empresários e empreiteiros, tradicionalmente ligados à direita, já demonstrou apoio ao candidato do PD.

O candidato a prefeito de Roma pelo Irmãos da Itália, Enrico Michetti (à direita), e seu assessor Francesco Cuomo, durante a apresentação de candidaturas no último dia 7.
O candidato a prefeito de Roma pelo Irmãos da Itália, Enrico Michetti (à direita), e seu assessor Francesco Cuomo, durante a apresentação de candidaturas no último dia 7. Stefano Montesi / GEtty

A falta de quadros políticos, todos concordam, é a principal causa da desconexão da direita com o mundo que tradicionalmente a apoiou. Roberto D’Alimonte, analista político e especialista em pesquisas, atribui a autoria do problema ao ultradireitista Matteo Salvini. “Fez uma grande operação de metamorfose com a Liga, transformando um partido regional em nacional e nacionalista. Passou de 4% de apoio a 33%. Mas agora o partido deve passar por outra mutação e se tornar a formação de referência da direita moderada. O apoio ao Governo de Draghi parecia parte desse plano, mas Salvini não o está levando a cabo até o fim. Parece ter dúvidas. Diz sim a Draghi, mas continua usando uma retórica populista por medo do crescimento de Meloni. E o establishment não avaliza essas incoerências”.

O lento desaparecimento do Força Itália, devido à obsessão de Berlusconi em se perpetuar à frente do único partido que representava uma direita moderada, deixou espaço aos populismos nesse espectro ideológico. Giuliano Urbani, um dos fundadores da formação em 1994 e ex-ministro da Cultura entre 2001 e 2005, acredita que o sonho do partido liberal de massas ficou incompleto. “Não tivemos sucesso por causa da falta de uma classe dirigente. O sonho se desvaneceu, porque não pudemos ocupar esse espaço. Mas agora também acontece o mesmo. A direita escolheu o populismo, o protesto. E isso produziu uma classe dirigente como o próprio Salvini, capaz de dizer o que não quer, mas incapaz de propor ideias para o desenvolvimento ou para a geração de riqueza”, destaca.

O único candidato da direita que parece em condições de seduzir por si mesmo o eleitorado e parte do poder econômico é Paolo Damilano, empresário que concorre como cabeça de lista em Turim. A capital piemontesa é governada há cinco anos por Chiara Appendino, uma das duas mulheres do Movimento 5 Estrelas que conseguiram conquistar grandes cidades nas eleições de 2016 (junto com Virginia Raggi, em Roma). A cidade, um dos motores econômicos da Itália, foi então entregue a ela, justamente por seu currículo e proximidade com as classes dirigentes. Mas tampouco funcionou e hoje é a grande esperança da direita nas próximas eleições municipais.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS