Afeganistão

Governo afegão desmorona após a chegada do Talibã a Cabul

Presidente deixa o país enquanto os insurgentes entram na capital para assumir o poder 20 anos após a queda de seu regime de terror. O medo da violência se espalha pela cidade

Imagem de um vídeo que mostra os talibãs que tomaram a cidade de Jalalabad neste domingo.
Imagem de um vídeo que mostra os talibãs que tomaram a cidade de Jalalabad neste domingo.STR / AFP
SAYED SALAHUDDIN

Mais informações

Vinte anos depois que a invasão dos Estados Unidos expulsou o Talibã do poder, o Afeganistão está mais uma vez à mercê da milícia fundamentalista. Os insurgentes cercaram Cabul neste domingo por todas as frentes antes de finalmente entrar na cidade, após uma ofensiva relâmpago em que conquistaram uma capital provincial após a outra em duas semanas (30 de 34), até tomarem mais de 90% do território do país da Ásia Central. Pouco depois que a captura de Jalalabad, perto da fronteira com o Paquistão e a única grande cidade do Governo fora de Cabul, foi anunciada pela manhã, a milícia começou o cerco ordenando a seus membros que evitassem derramamento de sangue. A saída do presidente Ashraf Ghani, conhecida horas depois, incorpora a imagem de um Governo em desintegração um dia depois de ele insistir em “remobilizar” suas forças para impedir um avanço dos talibãs, que é implacável desde que eles lançaram seus ataques em maio, coincidindo com o início da retirada das tropas americanas e seus aliados.

Aquele que foi o grande rival político de Ghani e que se tornou o principal negociador do Governo afegão com o Talibã, Abdullah Abdullah, confirmou a saída do presidente, a quem se referiu como “ex-presidente”. O gabinete de Ghani se recusou a relatar o paradeiro do presidente “por razões de segurança”, mas algumas fontes sugerem que ele foi para o Tajiquistão com um círculo fechado de colaboradores. Horas após sua partida, Ghani garantiu que foi embora para evitar “um derramamento de sangue em Cabul”. O presidente afirma em mensagem publicada no Facebook que decidiu deixar o país para evitar confrontos com milícias fundamentalistas que teriam colocado em perigo os habitantes da capital.

O ministro do Interior em exercício do Afeganistão, Abdul Sattar Mirzakwal, confirmou o início das negociações com o Talibã para entregar o poder a um governo de transição. Em uma aparição, ele indicou que “a transferência de poder para o governo de transição ocorrerá em um ambiente seguro e pacífico”, segundo a rede afegã Tolo News, citada pela Efe. Suhail Shahein, porta-voz dos insurgentes, garantiu em declarações ao canal britânico BBC que a milícia também busca uma transição pacífica de poder que ocorra nos próximos dias.

“Não queremos um único civil afegão inocente ferido ou morto enquanto tomamos o poder, mas não declaramos um cessar-fogo”, disse um chefe do Talibã em Doha (Catar) à Reuters, onde negociações estavam sendo mantidas para o fim das hostilidades. Um porta-voz da milícia garante que agora estão negociando com o Governo a “rendição pacífica” de Cabul. No entanto, outros membros da milícia disseram à Reuters que não estão procurando um executivo de transição após sua vitória retumbante. De qualquer forma, o Talibã lançou apelos por calma e insiste que não busca a tomada do poder.

Esses anúncios, no entanto, não impediram que o medo se apoderasse dos cerca de 4,5 milhões de habitantes de Cabul, além dos milhares de deslocados que fugiram de outras áreas por conta do avanço da milícia e se instalaram em parques e ruas. Na memória de muitos está o regime anterior do Talibã, entre 1996 e 2001, quando uma interpretação rigorosa do Islã foi aplicada, segundo a qual punições físicas, como chicotadas e amputações, eram impostas por crimes como roubo, e as mulheres eram forçadas a se cobrir com a burca e proibidas de estudar a partir dos 10 anos. Agora, os fundamentalistas tentam retratar uma imagem de maior pragmatismo e contenção.

A iminência da chegada da milícia tem causado cenas de pânico e grandes engarrafamentos. Muitos cidadãos correram para os bancos para obter dinheiro e descobriram apenas então que o Governo restringira a retirada a 2.000 dólares. Os residentes de Cabul também começaram a estocar mantimentos em lojas que também estão prestes a fechar, por medo de uma insegurança prolongada, como aconteceu no passado, quando a cidade mudou de mãos.

Algumas ruas estão desertas, enquanto outras ficaram congestionadas enquanto as pessoas correm para casa nos carros —o Governo impôs um toque de recolher. “As pessoas têm medo de possíveis saques generalizados por homens armados e criminosos, sequestros, ataques e outros atos imorais, como estupro. Tememos que haja um vácuo de poder “, disse Haji Imamd Dad, um funcionário público de 48 anos. Em algumas áreas, pequenos saques já foram relatados e dois policiais foram desarmados por uma multidão de jovens.

As embaixadas aceleraram a evacuação de seus funcionários e as agências de viagens fecharam, segundo testemunhas. Os voos domésticos e internacionais de e para Cabul foram cancelados. Somente aviões militares dos Estados Unidos e de outras nações da coalizão internacional que apoiavam o Governo conseguiram retirar seus cidadãos e diplomatas, segundo fontes diversas.

Fontes diplomáticas e a mídia local sugerem que Ali Ahmad Jalali, ex-ministro do Interior e acadêmico que se formou nos Estados Unidos, poderia chefiar um Executivo provisório de transição, embora não esteja confirmado se o Talibã concordaria.

Segundo várias fontes, um grupo de líderes guerrilheiros entrou no palácio presidencial para falar com Ghani sobre uma transferência de poder, mas ele já deixara o país. O Talibã exigiu durante sua ofensiva a renúncia de Ghani, que até este domingo a rejeitara. Horas antes de sua partida, seu escritório chegou a tuitar que “as forças de segurança do país, em coordenação com parceiros internacionais, controlam a situação de segurança em Cabul”.

A escala e velocidade do avanço do Talibã pegou afegãos e a aliança liderada pelos EUA de surpresa. Nas últimas duas décadas, o país investiu 83 bilhões de dólares em equipamento e treinamento de um Exército governamental que em muitos casos abandonou seus postos sem resistência ou fugiu antes da chegada dos insurgentes, que ficaram com suas armas.

“Vinte anos após a invasão, os Estados Unidos estão deixando o Afeganistão e deixando uma bagunça. Não sabemos o que acontecerá com este país, mas todos perdemos a esperança de melhorar a situação “, disse Tajuddin, um comerciante de tapetes de Cabul. “O mundo e os afegãos devem responsabilizar os líderes americanos por iniciar esta guerra e, sem encontrar uma maneira de acabar com ela, sair agora deixando o Afeganistão em uma situação pior do que antes da expulsão do Talibã”, disse ele em meio à incerteza que reina em Cabul.

“É hora de os líderes afegãos se reconciliarem e formarem um governo aceitável para todos. Os últimos 42 anos de guerra provaram que ninguém vencerá lutando, por isso é hora de firmarmos um acordo, vivermos juntos e construirmos este país “, disse Rashid Sorosh, professor.

O Talibã está pedindo aos afegãos que não deixem o país por medo. O principal porta-voz, Zabihullah Mujahid, insistiu que os militantes receberam ordem de permanecer nos portões de Cabul e que a capital será entregue pacificamente. Os combatentes estão instruídos a evitar vingança ou atacar propriedades. Os hospitais e o aeroporto continuarão funcionando e os suprimentos de emergência não serão interrompidos, garantiu a milícia, segundo a Reuters. Os estrangeiros em Cabul poderão deixar a cidade, se desejarem.

Evacuação de pessoal e colaboradores internacionais

A evacuação de pessoal diplomático e de colaboradores se acelerou e os Estados Unidos já começaram a evacuar sua embaixada com helicópteros que se conectam ao aeroporto após o envio de tropas para proteger o pessoal. Na semana passada, a inteligência dos EUA estimou que o Talibã levaria pelo menos três meses para chegar a Cabul. Ainda neste sábado, acreditava-se que faltavam pelo menos mais 72 horas para a conquista da cidade. Nesta segunda-feira, o Conselho de Segurança da ONU se reunirá em caráter emergencial para discutir a situação no país.

Membros de equipes norte-americanas essenciais trabalham no aeroporto de Cabul, de acordo com fontes americanas. Uma fonte da OTAN garante que a organização “está constantemente avaliando os desenvolvimentos no Afeganistão”. “Estamos ajudando a manter as operações no aeroporto de Cabul para manter o Afeganistão conectado com o resto do mundo”, esclareceu a fonte, acrescentando que a segurança da equipe é “primordial”

O Home Office do Reino Unido declarou que está trabalhando atualmente para proteger a equipe britânica e ajudar ex-funcionários a viajar para o Reino Unido. O Exército Alemão começará os preparativos na segunda-feira para evacuar seus cidadãos, funcionários da embaixada e trabalhadores locais do Afeganistão sem esperar pela autorização do Parlamento, relata o diário Bild.

Após a tomada de Jalalabad na manhã de domingo, o Paquistão fechou sua fronteira com o Afeganistão, um território que agora está sob controle do Talibã, conforme relatado pelo ministro do Interior do Paquistão, Sheikh Rashid Ahmad. O único ponto de saída do país no momento é o aeroporto de Cabul, ainda sob controle do Governo.

Desde que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou em abril passado a retirada de todas as suas tropas do país após 20 anos de guerra antes da data simbólica de 11 de setembro, o Talibã tomou o país a uma velocidade vertiginosa. No início de maio, a guerrilha iniciou uma grande ofensiva na província de Helmad. Em meados de julho, os insurgentes controlavam metade dos distritos do país, de acordo com um general norte-americano. Em 6 de agosto, a cidade de Zaranj, no sul, se tornou a primeira capital de província a cair nas mãos da milícia. Desde então, eles lutaram um após o outro em uma ofensiva de blitzkrieg até chegar a Cabul neste domingo.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50