Estados Unidos enviarão 3.000 soldados ao Afeganistão para garantir a retirada de seus diplomatas

Washington repatriará grande parte de sua equipe da Embaixada de Cabul antes do avanço do Talibã em direção à capital

O porta-voz do Pentágono, John Kirby, durante uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira.
O porta-voz do Pentágono, John Kirby, durante uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira.Andrew Harnik (AP)
Mais informações

A ofensiva do Talibã no Afeganistão, que depois de uma semana de violência ininterrupta ameaça a capital, Cabul, aumentou a pressão sobre Washington tanto do ponto de vista político quanto humano, no próprio terreno. A Administração de Joe Biden decidiu reduzir a maior parte do pessoal na Embaixada e enviar cerca de 3.000 soldados à região para garantir a segurança da retirada de civis norte-americanos, enquanto mantém seu plano de concluir a retirada militar do país em 31 de dezembro.

O porta-voz do Pentágono, John Kirby, anunciou a medida nesta quinta-feira, o mesmo dia em que o grupo fundamentalista radical conquistou Herat, a terceira maior cidade do Afeganistão, no oeste do país. Antes o tinha feito com Ghazni, uma cidade estratégica a apenas 150 quilômetros de Cabul. No total, são 11 capitais de província que sucumbiram ao ataque do Talibã em uma semana, em uma escalada bélica que demonstrou a insuficiência do Exército afegão sem o apoio dos Estados Unidos e dos aliados da OTAN, todos em fase de retirada.

“Trabalhamos duro para melhorar a competência e capacidade [das forças de segurança afegãs] no terreno, mas chega um momento em que essa capacidade é da competência dos afegãos”, disse Kirby em uma coletiva de imprensa, enfatizando com essas palavras a mensagem à qual Biden se agarra diante de uma decisão complicada, a de dar por terminada sua campanha no Afeganistão depois de 20 anos e deixar o Governo e o Exército afegãos lidarem praticamente sozinhos com a ameaça do Talibã.

Depois de deixar a base aérea de Bagram, próxima de Cabul e a última ativa usada pelo Exército norte-americano, Washington mantinha apenas uma tropa de 650 soldados para proteger o aeroporto de Cabul e sua Embaixada na capital. O porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, informou nesta quinta-feira sobre a evacuação de boa parte do pessoal da missão, mas não especificou os números e se limitou a apontar que haveria uma equipe básica para continuar com os serviços diplomáticos e consulares.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: