Carta com três balas dirigida ao papa Francisco é interceptada em Milão

A missiva foi postada na França com uma mensagem relacionada aos escândalos financeiros do Vaticano e ao julgamento do cardeal Angelo Becciu

O papa Francisco recita a oração do Angelus da janela de seu apartamento, na praça de São Pedro, Cidade do Vaticano, neste domingo 8 de agosto.
O papa Francisco recita a oração do Angelus da janela de seu apartamento, na praça de São Pedro, Cidade do Vaticano, neste domingo 8 de agosto.FABIO FRUSTACI (EFE)
Mais informações

A polícia italiana interceptou nesta segunda-feira, num escritório postal de Milão, uma carta endereçada ao papa Francisco que continha três balas. Os agentes confiscaram o envelope no centro de Peschiera Borromeo, onde é feita a triagem das correspondências, e abriram uma investigação sob a autorização da promotora-adjunta de Milão, Alessandra Cerreti. Até o momento, eles não descartam nenhuma hipótese.

Segundo a imprensa local, a missiva continha três balas de calibre 9 milímetros e uma mensagem relacionada aos escândalos financeiros do Vaticano e ao julgamento, iniciado dias atrás, de diversas pessoas imputadas por diferentes delitos econômicos, entre elas o cardeal Angelo Becciu, defenestrado por Francisco.

Os jornais também informam que a carta, sem remetente, foi enviada da França, segundo foi possível saber pelo carimbo. O destinatário estava escrito com caneta. Embora quase não fosse legível, podia-se ler: “Papa – Cidade do Vaticano, praça de São Pedro, Roma”.

Os funcionários do escritório postal encontraram o envelope com as balas durante as operações de triagem das correspondências na noite de domingo para segunda, e avisaram imediatamente os carabinieri (policiais). Neste momento, a unidade de inspeção do corpo militar está examinando todo o material. Até agora não se conhecem mais detalhes sobre o incidente, e o Vaticano não fez nenhum comentário.

Em 29 de julho passado, foi realizada no Vaticano a primeira audiência do julgamento contra uma dezena de acusados, entre eles o outrora influente cardeal Becciu, por suposto desvio de fundos e corrupção. É a primeira vez que um cardeal se senta no banco dos réus perante um juiz no Vaticano. O papa Francisco incluiu recentemente essa modificação no ordenamento jurídico, já que até agora os cardeais eram julgados a portas fechadas por outros cardeais. O pontífice poderia ter colocado o caso nas mãos da Justiça italiana, mas decidiu que a Santa Sé assumisse o processo como sinal de sua disposição de deter e condenar publicamente a corrupção na Cúria romana, lançando luz sobre um escândalo no qual está diretamente envolvido um de seus até recentemente mais estreitos colaboradores.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

O tribunal, presidido pelo ex-juiz italiano antimáfia Giuseppe Pignatone, deverá determinar as dinâmicas criminais e o papel dos acusados naquele que o promotor responsável pela instrução classificou como “um sistema podre e predatório”, que consistia em realizar investimentos de finalidade e procedimento duvidosos com dinheiro procedente do chamado Óbolo de São Pedro —o instrumento que canaliza as doações de todas as igrejas do mundo ao Vaticano, que teoricamente são destinadas à caridade.

Segundo as investigações, esse princípio não foi respeitado e, pelo menos durante uma década, vigorou um sistema financeiro paralelo com práticas como fraude e lavagem de dinheiro. Para o Vaticano foi um grande escândalo, já que sua política financeira está há anos sob o escrutínio da imprensa, após outros escândalos econômicos, e também na mira de organismos e instituições internacionais, que lhe exigem transparência.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: