Acordos internacionais

México e EUA decidem trabalhar para reabrir a fronteira “assim que possível”

Chanceler mexicano anuncia que a população fronteiriça será vacinada com as doses doadas pela Administração de Joe Biden para “reduzir a diferença percentual” de imunizados

O chanceler Marcelo Ebrard e o secretário de Segurança Doméstica dos Estados Unidos, Alejandro Mayorkas, após uma reunião na Cidade do México.
O chanceler Marcelo Ebrard e o secretário de Segurança Doméstica dos Estados Unidos, Alejandro Mayorkas, após uma reunião na Cidade do México.Secretaría de Relaciones Exteriores

Mais informações

O chanceler do México, Marcelo Ebrard, concluiu na terça-feira sua rodada de reuniões com o secretário de Segurança Doméstica dos Estados Unidos, Alejandro Mayorkas, mostrando-se muito animado com a “atitude de respeito, de buscar concordâncias e de avançarmos juntos”, mas sem uma data concreta para a reabertura da fronteira entre os dois países, uma prioridade para o seu Governo. “Comentamos com ele que a vacinação será acelerada com o propósito de que as médias de vacinação no México sejam muito semelhantes às médias de vacinação em suas cidades norte-americanas”, disse o secretário mexicano de Relações Exteriores após concluir o segundo encontro com o funcionário norte-americano na Cidade do México.

Washington doou recentemente 1,3 milhão de doses da vacina da Johnson & Johnson, que chegaram ao aeroporto de Toluca, a 66 quilômetros da Cidade do México, e serão usadas esse esforço adicional de imunização. As autoridades preveem distribuir essas doses em 39 municípios que fazem fronteira com os Estados Unidos, para acelerar a reabertura do trânsito binacional. “Vamos com essa vacina tentar reduzir a diferença percentual, será utilizada para as pessoas maiores de 18 anos, e achamos que em pouco tempo podemos nos aproximar das médias norte-americanas”, disse o chanceler. Em entrevista coletiva, o presidente Andrés Manuel López Obrador agradeceu o “gesto solidário” do país vizinho e antecipou que está sendo feita a solicitação para que possam ser adquiridas mais 1,3 milhão de vacinas, porque as enviadas “não serão suficientes” para todos os habitantes da região. Segundo seus cálculos, o número de pessoas de 18 a 39 anos nos territórios fronteiriços é de 2,2 milhões.

Ebrard informou ainda que foi criado um grupo de trabalho para acelerar a reabertura e retornar a atividade normal entre as duas nações. “É preciso nos apressar, nos organizarmos, para conseguir isso assim que possível e poder regularizar a situação econômica, e também social, em nossas cidades na fronteira norte”, acrescentou. Além disso, segundo o secretário, ele e Mayorkas se puseram de acordo quanto à necessidade de melhorar a infraestrutura nos territórios fronteiriços para facilitar o intercâmbio de mercadorias e de viagens e ampliar “a capacidade de produção”, com o objetivo de proteger as cadeias de valor e “que ambos os países tenham prosperidade econômica”.

O secretário de Segurança Doméstica dos EUA teve um encontro com o secretário mexicano da Fazenda, Arturo Herrera, com quem decidiu “impulsionar a modernização das alfândegas em coordenação com os Estados Unidos”, conforme anunciou o funcionário em um tuíte em que recordou que quase 80% das exportações do México são para esse país.

Ebrard fez suas declarações em uma mensagem gravada e enviada à imprensa após o segundo encontro com Mayorkas na capital mexicana. Embora ambos tenham sido fechados à imprensa, a Secretaria de Relações Exteriores do México havia antecipado que o chanceler participaria de uma reunião bilateral com o secretário norte-americano e de outra com membros do Gabinete de Segurança. Nesse segundo encontro também participaram a secretária de Segurança Pública, Rosa Icela Rodríguez, e membros das Secretarias de Defesa, da Marinha, da Guarda Nacional e do Instituto Nacional de Migração. Além disso, Mayorkas também se reuniu com o procurador-geral, Alejandro Gertz, com quem tratou de “assuntos de segurança binacional”, conforme informou o Ministério Público em sua conta do Twitter.

O secretário de Segurança Nacional chegou ao México na tarde da segunda-feira em sua primeira viagem oficial ao exterior desde que assumiu o cargo. Ao desembarcar, disse que esperava ter uma “visita produtiva, que estreite a aliança já próxima entre as duas nações”. A viagem ocorre, além disso, apenas uma semana depois de a vice-presidenta Kamala Harris chegar ao México para conversar com o presidente López Obrador e seu Gabinete sobre alguns temas da agenda comum, entre eles a cooperação com os países da América Central para frear a migração da origem.

Sem acordo

Segundo Ebrard, em sua reunião com Mayorkas também conversaram sobre migração, sem chegar a nenhum acordo concreto. “Aí há muito trabalho todos os dias, não achem vocês que até agora falamos disso. De fato, todos os dias há um intercâmbio direto de informação, de uma série de medidas que temos que tomar para que isto funcione adequadamente, para que protejamos a segurança de nossos países e das pessoas que se deslocam entre nossos países”, afirmou o chanceler. Além disso, anunciou que os dois governos estão analisando “novas iniciativas” para estabelecer um sistema mais multilateral com outros países para controlar os fluxos migratórios.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50