Homem mata um policial e fere gravemente outro ao investir de carro contra o acesso ao Capitólio

O atacante, que foi morto pela polícia, foi identificado como Noah Green, 25 anos. O complexo do Congresso em Washington permanece fechado

Policiais ao lado do carro que bateu em uma barreira perto do Capitólio, nesta sexta-feira em Washington.
Policiais ao lado do carro que bateu em uma barreira perto do Capitólio, nesta sexta-feira em Washington.J. Scott Applewhite (AP)
Mais informações
National Guard soldiers stand guard behind a security fence near the U.S. Capitol after police warned that a militia group might try to attack the Capitol complex in Washington, U.S. March 4, 2021. REUTERS/Jim Urquhart
Nova ameaça de assalto ao Capitólio confronta os EUA com o risco duradouro do extremismo doméstico
Big tech força redes sociais alternativas a adotarem moderação
An art installation protest by the organization Sumofus portrays Google CEO Sundar Pichai, Twitter CEO Jack Dorsey and Facebook CEO Mark Zuckerberg as January 6th rioters on the National Mall near the U.S. Capitol in Washington, U.S. March 25, 2021.  REUTERS/Jonathan Ernst
Google, Facebook e Twitter admitem ao Congresso dos EUA que desempenharam papel no ataque ao Capitólio

O Capitólio de Washington viveu nesta sexta-feira, apenas três meses depois do ataque de 6 de janeiro, um novo episódio de violência. Um motorista, identificado como Noah Green, 25 anos (de Indiana), matou um veterano com 18 anos de serviços do corpo de polícia, William Evans, e feriu gravemente outro ao investir seu carro contra uma das barreiras de segurança do Congresso pouco depois das 13h (14h de Brasília). O indivíduo, que saiu do veículo segurando uma faca, foi abatido e o complexo e todas as avenidas próximas permanecem fechadas por segurança. O ataque ligou os alarmes em uma cidade ainda marcada pela revolta no começo do ano, quando as cercas levantadas nessa época começavam a ser retiradas.

As autoridades não relacionam o acontecimento, por enquanto, com um ato de terrorismo e não identificaram nenhuma conexão aparente com o ataque, mas toda a área foi blindada por proteção, com uma mobilização de militares reservistas da Guarda Nacional que lembrava a tensão dos últimos meses.

A chefa interina da Polícia do Capitólio, Yogananda Pittman, disse em entrevista coletiva que o suspeito não estava nos registros do corpo, de modo que ainda não puderam estabelecer se queria realizar um atentado contra alguém e qual era exatamente o objetivo de sua ação, se é o ataque de um lunático, de um lobo solitário, ou as duas coisas ao mesmo tempo.

“O suspeito, às 13h02 (14h02 de Brasília), se chocou contra a barricada norte. Primeiro atropelou os agentes e depois bateu na barreira e saiu do carro com uma faca na mão. Os agentes tentaram falar com ele, mas não respondia às suas ordens e atiraram”, disse Pittman. Quando se referiu à morte do agente, cuja identidade naquele momento ainda não havia sido revelada à espera de comunicação com todos os seus familiares próximos, a chefa interina do corpo conteve a emoção. “Peço que tenham a polícia do Capitólio em suas orações, estes têm sido momentos muito difíceis para nós”, afirmou. A presidenta da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, definiu o agente morto como “um mártir da democracia”.

A batida e o tiroteio ocorreram em um lugar ao lado de um dos pontos de controle de entrada ao Senado, que agora está em recesso, mas que normalmente é utilizado pelos senadores e os funcionários da Câmara alta. O presidente, Joe Biden, havia acabado de deixar Washington a caminho da residência de férias de Camp David, quando os fatos ocorreram. “Tanto Jill como eu temos o coração partido após saber do violento ataque em um posto de controle da segurança do Capitólio dos EUA”, declarou o mandatário através de um comunicado divulgado pela Casa Branca. Novamente, o presidente ordenou que as bandeiras dos edifícios públicos e da Casa Branca ficassem a meio pau em sinal de luto até o entardecer de 6 de abril. Dois tiroteios maciços ocorridos em menos de uma semana nos EUA levaram o presidente a ditar a mesma medida em relação às bandeiras.

Dezenas de carros de polícia foram à região, assim como veículos de emergência, e todas as avenidas que levam ao Capitólio foram imediatamente fechadas. Tanto os dois agentes como o suspeito foram levados a um hospital. Este, que chegou em estado crítico, faleceu no hospital. Os primeiros alertas vieram pouco depois das 13h, com o aviso de que o complexo do Congresso fecharia por uma ameaça à sua segurança. Poucos minutos depois começaram a aparecer nas redes sociais as primeiras imagens de um carro escuro batido e relatos de testemunhas que falavam da colisão de um carro e de disparos. Os alarmes voltaram a soar em Washington.

O complexo no qual estão as duas Câmaras do Congresso dos Estados Unidos, o Senado e a Câmara de Representantes, estava protegido por um amplo perímetro de segurança desde o ataque de 6 de janeiro. Cinco pessoas, entre elas o policial Brian Sicknick, morreram na revolta, protagonizada por uma turba de seguidores de Donald Trump que procuravam impedir a confirmação da vitória do democrata Joe Biden nas eleições presidenciais de 3 de novembro.

As fortes medidas de segurança começavam a diminuir nesse momento, permitindo novamente à população utilizar seus arredores como área de lazer. Ainda assim, os controles de entrada e a presença militar continuavam prejudicando a imagem do Capitólio como casa do povo norte-americano. Não está claro quais medidas serão tomadas pelo corpo e a cidade a partir deste incidente. A presidenta da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, ordenou que as bandeiras do Capitólio ficassem novamente a meio pau.

Vídeo: AFP


Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS