Biden envia delegação ao México para definir estratégia contra primeira crise migratória do seu mandato

Equipe encabeçada pela ex-embaixadora Roberta Jacobson discutirá com o chanceler Marcelo Ebrard um plano de cooperação na América Central

Roberta Jacobson, ex-embaixadora dos EUA no México, em uma foto de arquivo.
Roberta Jacobson, ex-embaixadora dos EUA no México, em uma foto de arquivo.Rebecca Blackwell (AP)
Mais informações
Migrantes mexicanos trabajan en el campo en Wellington, Colorado.
Biden planeja dar a nacionalidade a 11 milhões de pessoas sem documentos em oito anos
President Joe Biden speaks during an event to mark International Women's Day, Monday, March 8, 2021, in the East Room of the White House in Washington. (AP Photo/Patrick Semansky)
Biden promove um complicado giro na política dos Estados Unidos em relação à América Latina
Vilma Iris Peraza y sus hijos Erick y Adriana de Honduras fueron expulsados a México junto con otras familias de migrantes, aproximadamente cien personas son retornadas por autoridades estadounidenses. 

Autoridades estadunidenses deportaron a familias de migrantes centroamericanos principalmente de Guatemala y Honduras capturados en días recientes por elementos de la Patrulla Fronteriza en la Ciudad de McAllen, Texas EU, los grupos son trasportados en autobuses y avión hasta la ciudad de El Paso, Texas para ser expulsados ​​de Estados Unidos por el puente internacional Paso del Norte-Santa Fe  a Ciudad Juárez, estado de Chihuahua. Las familias desconocen que son retornados a México hasta que cruzan el puente fronterizo. Desde hace dos semanas diariamente son expulsados grupos de poco más de cien indocumentados, lo que ha creado una crisis en los albergues y organismo sin fines de lucro quienes dan refugio a las familias deportadas en Ciudad de Juárez. 
También son expulsados quienes cruzan el Río Bravo, por  zonas desérticas, de Anapra a San Jerónimo, en el Valle de Juárez, los migrantes buscan ingresar a territorio estadounidense caminan hasta dos días y quienes logran cruzar al ser detenidos inmediatamente son expulsados a México.
Los albergues instalados por organizaciones civiles y religiosas empiezan a tener dificultades para atender a la nueva oleada de migrantes.
México restringirá el tránsito de personas relacionadas con actividades no esenciales, de acuerdo con la Cancillería.
Esperança em Biden termina na fronteira

O Governo de Joe Biden busca a colaboração do México para enfrentar a sua primeira crise migratória, provocada por um crescente afluxo de cidadãos centro-americanos. O presidente norte-americano enviou uma delegação ao país vizinho para definir uma estratégia comum e um plano de cooperação regional, enquanto milhares de guatemaltecos, hondurenhos e salvadorenhos se encontram retidos nas fronteiras sul e norte do México. Essa delegação, encabeçada pela ex-embaixadora Roberta Jacobson, chegou nesta segunda-feira à Cidade do México e deve se reunir na terça com o chanceler Marcelo Ebrard e com outros funcionários da Secretaria (ministério) de Relações Exteriores. Depois, uma parte da missão se deslocará para a Guatemala.

Segundo a Casa Branca, o objetivo da viagem, que ocorre logo depois de Biden anunciar sua intenção de visitar a fronteira com o México, consiste em “colaborar com funcionários do Governo mexicano para lançar um plano de ação eficaz e humano na gestão da migração”. Jacobson, uma veterana diplomata que foi a principal representante de Washington no México entre 2016 e 2018 ―quando renunciou por desacordos com Donald Trump―, estará acompanhada de Juan González, homem forte de Biden para a América Latina, e Ricardo Zúñiga, recém-nomeado enviado especial do Departamento de Estado para o Triângulo Norte. A delegação norte-americana quer ouvir também representantes da sociedade civil e de ONGs “para abordar as causas primárias da migração na região e construir um futuro mais esperançoso”.

Isso se traduziu, por enquanto, em um compromisso da nova Administração norte-americana de destinar quatro bilhões de dólares (22 bilhões de reais) à América Central. Essa quantia, anunciada em janeiro, é um ponto de partida para uma tarefa titânica que inclui, por exemplo, a reconstrução de um país devastado pelos furacões Iota e Eta, como é o caso de Honduras, onde essas catástrofes contribuíram para a formação da mais recente caravana migratória.

Neste momento, as relações bilaterais entre o México e os Estados Unidos giram em torno da migração e da distribuição das vacinas contra a covid-19. A chegada de Biden à Casa Branca e as promessas de uma guinada em suas políticas estimulou o surgimento de uma nova leva de migrantes no fim de janeiro. A primeira caravana de hondurenhos se deparou primeiro com a repressão das forças de segurança guatemaltecas, e depois com a fronteira mexicana. Quem consegue cruzar e chegar até o rio Bravo, na fronteira com os EUA, enfrenta a ameaça de ser devolvido para o sul, apesar de Trump não estar mais no poder. Diferentemente do seu antecessor, Biden suavizou algumas fórmulas para permitir a entrada, por motivos humanitários por exemplo, mas tanto o presidente como sua Administração não deixaram de lançar mensagens dissuasórias– além de dar sinais concretos nesse sentido, como as expulsões.

O aumento do fluxo tem sido vertiginoso nos últimos meses. Em fevereiro, mais de 100.000 migrantes foram retidos ou detidos. Estes números recordam a crise vivida em meados de 2019, quando o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, se rendeu às exigências de Trump para frear a chegada de centro-americanos aos Estados Unidos, sob pena de enfrentar retaliações tarifárias de Washington. Na última sexta-feira, o Governo mexicano mobilizou novas operações na fronteira sul “para proteger os direitos e a integridade de migrantes menores de idade de diferentes nações centro-americanas, usados por redes criminais como salvo-conduto de trânsito para chegar ao norte do país”. A Secretaria de Governo (Casa Civil) informou também sobre restrições de acesso “nos passos terrestres aos visitantes com atividades não essenciais”, por causa da emergência sanitária da covid-19. Desde o começo do ano, as autoridades mexicanas identificaram quase 4.200 menores, acompanhados ou não, “que viajavam de maneira irregular em território mexicano e são alvo de traficantes de pessoas que lucram com a migração irregular”.

Sob estas premissas, os Governos do México e dos Estados Unidos informaram que se propõem a fortalecer a cooperação em matéria migratória, semanas depois de López Obrador e Biden tratarem desse desafio em uma reunião privada. “Amanhã [terça-feira] receberemos na Secretaria de Relações Exteriores a visita de uma delegação de alto nível dos Estados Unidos. Estaremos acompanhados de Roberta Jacobson, enviada especial presidencial para a Fronteira, Ricardo Zúñiga, enviado especial presidencial para o Triângulo Norte da América Central, e Juan González, diretor do Conselho Nacional de Segurança para o Hemisfério Ocidental. Também participarão representantes da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal)”, antecipou Roberto Velasco Álvarez, chefe da diplomacia mexicana para a América do Norte, em suas contas das redes sociais. O funcionário acrescentou que “o principal tema a tratar será a cooperação para o desenvolvimento na América Central e o sul do México, além dos esforços conjuntos para uma migração segura, ordenada e regular”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS