Epicentro da luta antirracista nos EUA, Minneapolis vive crise de segurança sete meses após morte de George Floyd

Enquanto mais de cem policiais estão de licença por estresse pós-traumático e observa aumento dos crimes, a cidade aprova por unanimidade uma polêmica redução do orçamento do criticado Departamento de Polícia

Alondra Cano, vereadora de Minneapolis, que pede redução da verba do Departamento de Polícia, em 7 de junho.
Alondra Cano, vereadora de Minneapolis, que pede redução da verba do Departamento de Polícia, em 7 de junho.Jerry Holt (AP)
Antonia Laborde
Washington -

O terremoto provocado pela morte de George Floyd em uma prisão brutal continua sacudindo Minneapolis sete meses depois. A Câmara Municipal aprovou nesta quinta-feira uma polêmica redução no orçamento do Departamento de Polícia apesar do grave aumento de crimes na cidade, que desde 24 de maio se tornou origem e epicentro da grande onda de manifestações contra o racismo. O corte agrada os ativistas que defendem menos recursos e poder para a polícia. Até 120 policiais estão de licença desde o caso Floyd, muitos deles alegando estresse pós-traumático. O prefeito democrata Jacob Frey havia ameaçado vetar o orçamento se a Câmara Municipal levasse adiante sua proposta “irresponsável” de reduzir o efetivo policial.

Desde o começo do ano a polícia registrou 532 vítimas de tiros, mais que o dobro de 2019. O roubo de automóveis aumentou 331% em relação ao mesmo período do ano passado e os crimes violentos quase 26%. O corte de 7,7 milhões de dólares (cerca de 38,7 milhões de reais) é uma mordida nos 179 milhões de dólares do orçamento do Departamento de Polícia, que já era 14 milhões de dólares inferior ao do ano passado devido à redução das receitas da cidade por causa da pandemia do coronavírus. Os recursos cortados irão para equipes de trabalho voltadas para a saúde mental e para contratar mais pessoal na seção de prevenção à violência, entre outras iniciativas.

Mais informações

Mais de 300 moradores da cidade se inscreveram para discutir a proposta nesta quarta-feira com os vereadores. Enquanto alguns exigiam o desmantelamento da polícia, classificando seus membros de “terroristas” e “supremacistas brancos”, outros alertavam que era irresponsável despedir os policiais. Inicialmente a Câmara havia aprovado uma proposta para reduzir o efetivo policial de 888 para 750 agentes. Por pressão da prefeitura, recuaram e decidiram não mudar o número atual de policiais. O departamento já tem cerca de 120 baixas, muitas delas de policiais que afirmam sofrer de transtorno de estresse pós-traumático depois do verão marcado por distúrbios. “Acredite em mim, esta não é uma votação fácil, mas creio que é o correto”, disse Andrea Jenkins, vereadora que representa uma região do sul de Minneapolis onde morreu Floyd, símbolo da maior onda de protestos raciais em meio século.

Duas semanas depois que o então policial Derek Chauvin cravou o joelho no pescoço de Floyd durante nove minutos, a Câmara Municipal de Minneapolis prometeu desmantelar a polícia e construir um novo modelo de segurança. A proposta ficou pelo caminho depois que uma comissão municipal separada votou contra sua inclusão na cédula eleitoral de novembro para que os moradores pudessem decidir a favor ou contra. O que as autoridades conseguiram foi um acordo com a polícia para proibir o uso de técnicas de imobilização no pescoço com o joelho ou o braço.

Os quatro policiais implicados na morte de Floyd estão em liberdade aguardando o julgamento em março de 2021. No início de outubro, Chauvin, acusado de homicídio e homicídio em segundo grau, saiu da prisão depois de pagar uma fiança de um milhão de dólares.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: