Departamento de Justiça dos EUA não encontra prova de fraude capaz de alterar o resultado eleitoral

O procurador-geral William Barr, frequentemente apontado por servir aos interesses de Trump, inflige o último revés à ofensiva judicial do republicano

O procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, durante ato público em Saint Louis (Missouri), em 15 de outubro.
O procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, durante ato público em Saint Louis (Missouri), em 15 de outubro.Jeff Roberson (AP)
Mais informações

Donald Trump sofreu nesta terça-feira sua enésima e provavelmente mais grave derrota até agora na batalha judicial que lançou contra os resultados eleitorais depois de brandir acusações infundadas de fraude. O procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, disse na terça-feira que o Departamento de Justiça não encontrou provas de nenhum caso de irregularidade de importância suficiente para reverter a vitória do democrata Joe Biden. Barr, muitas vezes criticado por servir aos interesses do presidente, frustra a estratégia da campanha de Trump, que continua sem reconhecer o presidente eleito Biden, apesar de ter perdido em todos os tribunais até agora.

“Até o momento, não vimos fraude em uma escala que pudesse ter levado a um resultado diferente na eleição”, disse Barr em declarações à agência Associated Press (AP), dando algo parecido com um tiro de misericórdia para na ofensiva legal do mandatário. Pouco depois da declaração da derrota eleitoral, apesar de se distanciar das teorias da conspiração de Trump e seu círculo, Barr o havia alentado instruindo os procuradores federais de todo o país a investigar acusações que fossem “claramente críveis” e afetassem o resultado. Essa intervenção foi atípica, uma vez que a supervisão do desenrolar das eleições é responsabilidade dos Estados.

Conforme explicou à AP, tais acusações não tinham fundamento. “Foi alegado que poderia haver fraude sistêmica e que algumas máquinas foram programadas para, basicamente, distorcer os resultados eleitorais. O Departamento de Segurança Interna e o Departamento de Justiça analisaram e, até o momento, não viram nada que comprovasse isso”, explicou o promotor.

Trump agitou o fantasma da fraude durante toda a campanha, alegando que a enxurrada de votos pelo correio e antecipados, que as autoridades de muitos Estados facilitaram por causa da pandemia, eram um terreno fértil para irregularidades. Quando Biden foi declarado vencedor, uma equipe jurídica liderada por Rudy Giuliani, assessor pessoal de Trump e ex-prefeito de Nova York, entrou com ações em todos os Estados decisivos para a derrota. As teorias da conspiração alcançaram graus insólitos. Giuliani e o advogado Sidney Powell chegaram a dizer que havia servidores alemães com informações sobre eleitores norte-americanos e um software criado na Venezuela “sob a direção de Hugo Chávez”, que morreu em 2013.

Enquanto todo o estratagema legal desmorona como um castelo de cartas, proliferam rumores sobre um futuro político com Trump na linha de frente. Seu círculo mais próximo deixou escapar que planeja voltar à carga e se apresentar como candidato em 2024, embora na ocasião terá adversários do partido que lhe disputarão o próprio trumpismo. Até então, parece que encontraram o relato idôneo de sua nova campanha, a do presidente despojado do cargo por um roubo.

O republicano arrecadou cerca de 170 milhões de dólares (cerca de 885 milhões de reais) desde 3 de novembro, de acordo com vários veículos de comunicação norte-americanos, graças a doações solicitadas para financiar a malsucedida batalha judicial, mas que também estão engrossando um fundo para suas atividades pós-presidenciais.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: