Eleições EUA 2020

Biden lança um Governo para enterrar a era Trump: “Os EUA estão de volta, prontos para liderar o mundo”

O presidente eleito delineia um Gabinete antagônico ao ideário do republicano, embora, por enquanto, sem gestos à ala esquerdista do Partido Democrata

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, durante a apresentação dos primeiros membros do seu Governo, nesta terça-feira, em Wilmington (Delaware).
O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, durante a apresentação dos primeiros membros do seu Governo, nesta terça-feira, em Wilmington (Delaware).Carolyn Kaster / AP

O processo de transmissão de poderes começou formalmente nos Estados Unidos, com um Donald Trump finalmente derrotado pela realidade, que concordou em colocar em movimento a maquinaria da transferência, e um presidente eleito, Joe Biden, imerso na criação de sua equipe de Governo. O perfil do Gabinete que começa a tomar forma em Washington ainda não tem gestos para a ala esquerdista do Partido Democrata, aposta em veteranos da Administração de Barack Obama, mas deixa clara sua missão: enterrar a era Trump. “Os Estados Unidos estão de volta e prontos para liderar o mundo”, disse Biden, ao apresentar seus primeiros escolhidos.

As nomeações conhecidas até agora representam uma espécie de emenda a toda a estratégia externa de Trump e sua guinada isolacionista. Um adeus ao ‘América primeiro’ que caracterizou a doutrina do republicano. Antony Blinken, nomeado chefe da Diplomacia, é um paladino do multilateralismo; como Jake Sullivan, que trabalhou para Hillary Clinton no Departamento de Estado e será assessor de Segurança Nacional. Antigos membros da Administração de Barack Obama, ambos encarnam a doutrina, ou melhor, o estilo, que na época um funcionário democrata resumiu como “liderar por trás” no caso da Líbia e que muitos de seus detratores usaram como argumento de crítica. A própria criação de um czar do meio ambiente ―o ex-secretário de Estado John Kerry― é o sinal definitivo de que a era Biden tentará reverter boa parte das políticas de Trump, que por sua vez desmantelou os planos ambientais de Obama.

“Esta é uma equipe que manterá nosso país seguro e é uma equipe que reflete que os Estados Unidos estão de volta. Prontos para liderar o mundo, não para se retirar dele. Prontos para enfrentar nossos adversários, não para rejeitar nossos aliados e prontos para defender nossos valores”, destacou Biden durante a cerimônia de apresentação de seus primeiros indicados, em Wilmington (Delaware), a cidade do presidente eleito, de onde desenha o futuro Governo. De fato, acrescentou o democrata, “nas conversas por telefone que tive com líderes mundiais desde que venci as eleições, fiquei surpreso com o quanto esperam que os Estados Unidos recuperem o papel histórico de líder mundial”.

As intervenções posteriores ressaltaram essa vocação. Blinken defendeu que os Estados Unidos devem se comportar com “humildade e confiança” no mundo. Humildade, disse ele, porque eles não podem “resolver os problemas sozinhos e que é preciso cooperar com outros países”. E confiança porque, apesar disso, os Estados Unidos, na sua melhor versão, “são o país com maior capacidade de unir o resto para enfrentar os desafios do nosso tempo”. Alejandro Mayorkas, que será o primeiro hispânico a dirigir o Departamento de Segurança Interna, disse que os Estados Unidos devem “avançar” em sua “orgulhosa história” como país de “boas-vindas”. Kerry prometeu que Biden “confiará em Deus”, mas “também na ciência”. “E a afro-americana Linda Thomas-Greenfield, nomeada embaixadora nas Nações Unidas, proclamou: “O multilateralismo está de volta. A diplomacia está de volta. Os Estados Unidos estão de volta”.

Voltar, regressar. Esses foram alguns dos verbos mais repetidos. Até agora os nomes apontam mais para a restauração de uma era do que para o início de outra. Nenhum dos altos cargos tornados públicos significou uma integração dos setores mais progressistas do Partido Democrata, embora haja nomeações pendentes. O círculo do senador esquerdista Bernie Sanders fez saber que o veterano político de Vermont gostaria de ser secretário do Trabalho e outras fontes fizeram circularam neste outono a candidatura da senadora Elizabeth Warren como possível secretária do Tesouro, embora a própria Warren tenha comemorado a nomeação de Janet Yellen.

O Gabinete de Biden deve ser referendado pelo Senado, que atualmente tem maioria republicana, e perfis demasiado inclinados à esquerda enfrentariam dificuldades. Marco Rubio, senador da Flórida e candidato à presidência em 2016, adotou um tom trumpiano de crítica, agitando a bandeira antiestablishment. “Os escolhidos por Biden para o Governo frequentaram as universidades da Ivy League [de elite], têm bons currículos, vão às conferências certas e serão educados cuidadores do declínio dos Estados Unidos”, escreveu em sua conta de Twitter Rubio, que se apresenta como aspirante a manter o legado trumpista para 2024. “Apoio a grandeza dos Estados Unidos e não tenho interesse em voltar à ‘normalidade’ que nos deixou dependentes da China”, acrescentou.

Na realidade, o vínculo dos futuros membros do Governo, além de Biden, com a nata da educação universitária norte-americana ―seja este um sintoma melhor ou pior― é um dos poucos elementos de continuidade entre a era Trump e a que Biden começa a esboçar, pelo menos por enquanto. O secretário de Estado da atual Administração republicana, Mike Pompeo, formou-se em Harvard; o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, também, e o procurador-geral William Barr, em Columbia, por exemplo. O próprio presidente Trump estudou na escola de negócios Wharton, da Universidade da Pensilvânia, membro do seleto grupo de oito universidades que fazem parte da Ivy League.

Com a transferência de poderes finalmente iniciada, o dirigente republicano cumpriu nesta terça-feira um dos últimos ritos presidenciais que o aguardam, o perdão de dois perus por ocasião do Dia de Ação de Graças, que se comemora nesta quinta-feira. Um Trump ciente de que o fim está próximo aproveitou o discurso para lançar um apelo a favor da “América primeiro” que marcou o seu tempo e que, disse ele, “não deveria ser abandonada”.

Embora continue sem aceitar publicamente o resultado eleitoral e ameace uma nova intentona nos tribunais, sua sorte está decidida. Se havia alguma dúvida, basta ver como a Bolsa de Valores de Nova York reagiu na terça-feira à luz verde que o republicano acabou dando na noite anterior para que todos os protocolos de transição de um Governo a outro fossem finalmente ativados. O Dow Jones, um dos índices de referência de Wall Street, bateu recorde impulsionado pelo cenário de estabilidade que se abre na maior potência mundial depois de vários dias de otimismo com as notícias sobre as vacinas contra o coronavírus. Enquanto isso, Pensilvânia, Nevada e Carolina do Norte se juntaram aos Estados que já confirmaram os resultados. A era Trump começa a se desfazer.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50