Prisão do testa de ferro de Maduro inquieta o chavismo e dificulta ainda mais as relações com Washington

Caracas declara o empresário Alex Saab, preso na sexta-feira em Cabo Verde, como agente do Governo com imunidade diplomática

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro.
O presidente venezuelano, Nicolás Maduro.XXSTRINGERXX xxxxx (Reuters)

Além das sanções econômicas dos Estados Unidos e o cerco diplomático imposto a Nicolás Maduro, o golpe mais duro recebido pelo líder chavista recentemente foi a captura de seu suposto testa-de-ferro Alex Naím Saab Morán. O empresário colombiano, naturalizado venezuelano nos últimos dois anos, foi preso na sexta-feira por autoridades de Cabo Verde, a pedido da Interpol, quando aterrisou para reabastecer um avião privado a caminho do Irã. O homem viveu nas sombras durante anos apesar de ser considerado o principal empreiteiro do Governo venezuelano. A reação de Caracas à prisão mostra a importância de um homem como Saab à estabilidade do chavismo.

O chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, denunciou em um comunicado a “detenção arbitrária” de um cidadão venezuelano que atuava como “agente do Governo” com imunidade diplomática. “Diante das restrições que foram impostas ilegalmente pelos Estados Unidos, o Senhor Saab Morán, como agente do Governo Bolivariano da Venezuela, estava em Cabo Verde, durante uma escala técnica em seu trajeto com o objetivo de realizar as gestões para garantir alimentos aos Comitês Locais de Alimentação e Produção (CLAP), assim como medicamentos, insumos médicos e outros bens de caráter humanitário para o atendimento da covid-19”.

Mais informações
10/06/2020 HANDOUT - 10 June 2020, Venezuela, Caracas: Venezuelan President Nicolas Maduro raises his fist in victory during a videoconference with representatives of the Bolivarian Alliance for America. Photo: Jhonn Zerpa/Prensa Miraflores/dpa - ACHTUNG: Nur zur redaktionellen Verwendung und nur mit vollständiger Nennung des vorstehenden Credits
SOCIEDAD INTERNACIONAL
Jhonn Zerpa/Prensa Miraflores/dp / DPA
Detido em Cabo Verde suposto testa de ferro de Nicolás Maduro
Coronavírus desencadeia tempestade perfeita na Venezuela
Venezuela's opposition leader Juan Guaido, who many nations have recognised as the country's rightful interim ruler, takes part in a session of Venezuela's National Assembly in Caracas, Venezuela March 4, 2020. REUTERS/Manaure Quintero
Manobra na Assembleia Nacional endurece o choque entre poderes na Venezuela

A prisão de Saab, que enfrenta acusações de lavagem de dinheiro em uma corte da Flórida, entra agora na disputa de Washington com Caracas. A resposta da chancelaria venezuelana se somou à mobilização de aliados como a Rússia, Turquia, Cuba e China para conseguir sua liberdade e evitar o envio do empresário aos Estados Unidos, país que o condenou em julho de 2019 como testa de ferro de Maduro, uma punição que meses depois se estendeu às contas de seu entorno familiar.

O cerco sobre o empresário havia se estreitado no último ano. Milhões de euros em ativos na Itália foram congelados após ter sido incluído na chamada lista Clinton. A Justiça da Colômbia, que o procura desde o final de 2018, confiscou nessa semana oito propriedades suas em Barranquilla, sua cidade natal, avaliadas em 8,8 milhões de euros (50 milhões de reais). O alerta vermelho da Interpol foi ativado na própria sexta-feira horas antes da prisão.

Juan Guaidó, chefe do Parlamento e presidente interino reconhecido por mais de 50 nações, atribuiu a captura à pressão que está exercendo para forçar a saída de Maduro e iniciar uma transição política na Venezuela. “Isso demonstra que não há intocáveis, hoje é a Justiça que fala”, disse em uma entrevista coletiva.

O poder acumulado por Saab no país também atingiu a oposição. O apoio a Guaidó na Assembleia Nacional se rompeu quando um grupo de deputados liderado por Luis Parra e José Brito teria supostamente sido subornado no ano passado para agir na Europa e limpar a reputação do empresário e seus sócios. A manobra causou um ataque em 5 de janeiro ao Parlamento e a nomeação de uma junta diretora paralela para destituir Guaidó.

Saab mantinha relações com o Governo venezuelano muito antes de que as sanções viessem. Em 2011, apareceu na televisão durante a assinatura de um acordo com a Colômbia de mais de 530 milhões de dólares (cerca de 2,6 bilhões de reais) entre os presidentes Hugo Chávez, da Venezuela, e Juan Manuel Santos, da Colômbia, para a construção de moradias pré-fabricadas. A multiplicação de seus negócios veio com a ascensão de Maduro ao poder, bem como sua esposa, Cilia Flores, e o entorno familiar, para quem se transformou em um operador financeiro.

Entre 2017 e 2018 recebeu pelo menos 1,3 bilhão de dólares (6,5 bilhões de reais) em contratos para os CLAP (Comitês Locais de Abastecimento e Produção), o programa através do qual o Governo começou a vender a preços subsidiados caixas de alimentos de baixa qualidade importados e superfaturados, justamente quando a Venezuela atravessava seu pior momento de desabastecimento após anos de controles governamentais.

A rede de empresas e sociedades constituídas com sócios e familiares supera a dezena e estão localizadas na Venezuela, Colômbia, Equador, Panamá, México, Turquia, Emirados Árabes, Suíça e China. Com elas, Saab entrou no negócio da importação de alimentos, remédios, brinquedos, na construção de academias, a exploração de ouro e carvão, além de se transformar em empreiteiro da petrolífera estatal PDVSA.

O portal Armando Info, que há anos investiga a extensa rede de corrupção ― o que obrigou quatro de seus jornalistas a se exilarem ― revelou no domingo que nas últimas semanas Saab foi figura essencial na troca de ouro por gasolina com o Irã, seu destino antes de ser preso. O mesmo avião privado Bombardier Global 5000 T7 JIS em que foi capturado em Cabo Verde já havia estado em Teerã em março, exatamente quando se intensificou a ponte aérea entre Caracas e esse país pela grave escassez de combustível.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS