Análise
i

‘Va, pensiero!’ (vá, pensamento, é preciso repensar tudo)

A pandemia obriga à maior reflexão de sete décadas, do papel dos indivíduos nas famílias ao do mercado e do Estado

Trabalhadores com macacão de proteção verificam os documentos dos passageiros prestes a embarcar, na estação de Kiev, em um trem para Moscou.
Trabalhadores com macacão de proteção verificam os documentos dos passageiros prestes a embarcar, na estação de Kiev, em um trem para Moscou.SERGEY DOLZHENKO / EFE

Vá, pensamento, nas asas douradas. Vá, pousa nas colinas. As palavras e notas do famoso coral de Nabucco, em Verdi, possivelmente nunca tiveram tanto significado e emoção para tanta gente. É claro que, no confinamento generalizado em que vivem os seres humanos, só o pensamento pode voar livre. Mas, além disso, como a crise é totalitária —afeta tudo— terá efeitos prolongados e, portanto, nos obriga a repensar tudo, em todas as esferas.

Na pessoal, claro: papéis familiares que devem ser redefinidos e reacomodados à velocidade da luz, compactados em uma nova dimensão espacial-temporal que os distorce; solidões que de repente não são mais como antes, arranham, se petrificam e toca a amansar com novos estratagemas da alma e da vida cotidiana; até a própria concepção de si mesmos, que irá se esvaindo diante de olhos sensíveis, com personalidades agora desprovidas de projeção social física e, quem sabe por quanto tempo, de um certo tipo de escopo relacional que é uma parte definidora do ser de todos nós.

No profissional, evidentemente: um imenso esforço em digitalização e eficiência remotas; a engenhosidade de cada um para redirecionar, revitalizar atividades paralisadas ou corroídas pela crise do vírus.

E, como não, na vida pública: o papel dos Governos e do mercado.

O mundo entrou em coma e a respiração assistida —de doentes humanos, de empresas em crise, de milhões de pessoas em dificuldades financeiras— só pode ser propiciada pelo conglomerado de instituições públicas. A célebre mão invisível de Adam Smith —a metáfora do mercado inteligente que ajusta as coisas quase como se fosse por algum tipo de lei física— é esmagada nestas circunstâncias. A mão invisível não serve para nada, estrangulada e tremendo em meio ao vendaval.

As administrações públicas são o pilar da salvação nas duas frentes: a econômica e a da saúde. Nos dois casos, a ação de agora determinará nosso futuro em múltiplos aspectos e é necessário evitar que o salvator mundi de hoje se torne um leviatã (o temível monstro bíblico) amanhã. Isto é especialmente evidente na União Europeia.

Na frente da saúde, o objetivo é proteger a vida dos cidadãos e o reforço das estruturas hospitalares é uma questão óbvia e não problemática em termos morais (é claro que é em termos logísticos). O que pode ser problemático são os sistemas de vigilância telemática dos movimentos de cidadãos e os poderes excepcionais nas mãos dos Governos com o objetivo de deter a propagação do contágio. Nas democracias mais maduras isso não causa muita inquietação. Nas menos consolidada, os riscos são evidentes. A perspectiva de Governos e forças de segurança com poderes exorbitantes ou fora de controle não deve ser subestimada.

Na frente econômica, o objetivo é evitar uma depressão brutal. Para isso, é necessário injetar dinheiro na economia para, antes de tudo, preservar empregos e a capacidade produtiva e, quando isso não for possível, apoiar os desamparados. Isso exigirá uma brutal acumulação de dívida pública para compensar o colapso do faturamento privado. Essa dinâmica inevitável gerará Estados-leviatã com enormes níveis de dívida e inextricavelmente ligados ao destino de inúmeras empresas privadas. A manobra vai requerer, necessariamente, a participação ativa de todo o sistema financeiro, a irrigação de sangue melhor posicionado para bombear vida, complicando ainda mais a equação.

Encontrar o equilíbrio ideal nesse cenário é um dos maiores desafios intelectuais que a humanidade enfrentou até hoje. Ainda mais na UE, onde aos problemas comuns se soma a conjugação dos interesses nacionais dentro de um aparato supranacional de que cada membro necessita, como comprovamos na cúpula de quinta-feira. O habitual conflito entre o bloco sudoeste e nordeste agora está assumindo conotações existenciais.

Como alertou Mario Draghi em um texto publicado pelo Financial Times na quarta-feira, “o preço da hesitação pode ser irreversível”. Va pensiero, veloz, com asas douradas.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50