OCDE calcula que cada mês de confinamento tira dois pontos do PIB

O organismo calcula que a Espanha será uma das economias mais afetadas

O secretário-geral da OCDE, Ángel Gurría.
O secretário-geral da OCDE, Ángel Gurría.AFP

Conforme a pandemia de coronavírus avança, a OCDE traça um panorama cada vez mais sombrio para a atividade. Segundo seus cálculos, por cada mês de confinamento as economias sofrerão uma perda de aproximadamente dois pontos percentuais do PIB. A conta é a seguinte: o PIB de uma semana é aproximadamente 2% do de todo o ano (52 semanas). Se este cair 25% durante quatro semanas, então estão se esfumando dois pontos do PIB ao mês.

Mais informações
Brazil's President Jair Bolsonaro talks with Brazilian National Development Bank (BNDES) Gustavo Henrique Moreira Montezano at a media statement announcing economic measures during the coronavirus disease (COVID-19) outbreak in Brasilia, Brazil, March 27, 2020. REUTERS/Ueslei Marcelino
Governo anuncia 40 bilhões em crédito para financiar salários de pequenas e médias empresas por 2 meses
 Comércio fechado na rua 25 de Março durante a quarentena.
Empatia ou pragmatismo, o dilema de empresas entre o respeito a vidas e a retomada da economia

Esse 25% é a queda média que a OCDE calcula. Entretanto, a estimativa varia muito segundo o setor ou país. O turismo, por exemplo, enfrenta quedas de até 70%. O fechamento está afetando atualmente setores que representam em seu conjunto cerca de um terço do PIB das principais economias. Os países poderiam sofrer uma redução superior a 15% na sua produção econômica por causa do isolamento. Para a Espanha, essa estimativa chega a quase 30%, o que a transforma em uma das economias mais prejudicadas, de acordo com as cifras do organismo.

A instituição informa que muitos países entrarão em recessão. “Isto é inevitável, já que precisamos continuar combatendo a pandemia e ao mesmo tempo a fazer todos os esforços para ser capaz de restaurar a normalidade econômica o mais rapidamente possível”, afirma em nota Ángel Gurría, secretário-geral da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico.

Na nota divulgada nesta sexta-feira, o organismo que reúne as economias mais avançadas torna públicas as previsões atualizadas que apresentou no G20 da quinta-feira, já refletindo a dura reclusão provocada pela Covid-19. “Medidas cada vez mais restritivas para conter o vírus conduzirão necessariamente a quedas significativas do PIB em curto prazo para muitas das principais economias”, afirma Gurría. E acrescenta que estes planos para salvar vidas precisam ser intensificados. Entretanto, ao mesmo tempo os Governos deveriam planejar iniciativas mais contundentes e coordenadas para absorver o crescente golpe econômico, salienta. “É preciso lançar uma tábua de salvação às pessoas e ao setor privado, que emergirá em um estado muito frágil quando a crise sanitária tiver passado”, afirma Gurría. Ou, o que é o mesmo, nada de uma recuperação vigorosa com gráfico em V.

O secretário geral da OCDE insiste aos países do G20 para que usem toda a sua munição no apoio às pessoas e às pequenas empresas. Gurría já mencionou antes a necessidade de um plano Marshall global que rebata os efeitos da pandemia. Em sua opinião, os líderes políticos deveriam se centrar em fortalecer os sistemas sanitários e epidemiológicos; mobilizar as alavancas monetárias, fiscais e de reformas estruturais; levantar as restrições ao comércio de material sanitário; dar apoio aos países pobres e às pessoas mais vulneráveis; e ajudar a manter as empresas à tona, com um especial respaldo aos setores mais golpeados, como o turismo.

A OCDE destaca que a repercussão econômica da pandemia dependerá de muitos fatores, incluindo a magnitude e duração dos fechamentos, a queda da demanda em outras partes da economia e a velocidade com que as políticas monetária e fiscal surtam efeito.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS