Indianos votam em Déli em meio a um clima de tensão crescente

Membros do partido do primeiro-ministro Modi atacam durante a campanha as manifestações antigovernamentais na capital da Índia

Homem atira contra manifestantes, em 31 de janeiro em Nova Déli.
Homem atira contra manifestantes, em 31 de janeiro em Nova Déli.Danish Siddiqui / REUTERS

Os eleitores de Déli, Estado do norte da Índia (quase 20 milhões de habitantes) onde está a capital do país, Nova Déli, elegem no sábado sua assembleia regional após as campanhas eleitorais mais polarizadas de que se tem notícia. Diante das contínuas mobilizações contra as políticas chamadas de discriminatórias do Governo nacionalista hindu do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, membros de seu partido, o Bharatiya Janata Party (BJP), atacaram manifestantes com mensagens em que chegaram a pedir o uso da violência. Durante as últimas semanas foram registrados dois ataques de radicais hindus contra manifestações, formadas majoritariamente por muçulmanos.

As concentrações pacíficas de mulheres em Shaheen Bagh, no sudeste de Nova Déli, transformaram esse bairro no epicentro da batalha eleitoral. Seguindo o clamor das ruas que inundou a Índia no final de 2019 contra o nacionalismo hindu de Modi, o distrito de maioria muçulmana mantém desde então protestos dia e noite, principalmente contra a nova lei de cidadania, que permite imigrantes solicitarem asilo na Índia desde que não professem o islã. Sua persistência fez com que o ministro da Justiça manifestasse recentemente que o Governo está disposto a dialogar com os manifestantes.

A tensão, entretanto, marcou a campanha no Estado em que o Governo central tem sede. Em 31 de janeiro, um radical hindu disparou para cima diante dos protestos, somente 24 horas depois de outro nacionalista ferir à bala um manifestante durante outra concentração em Nova Déli. Esses dois ataques foram precedidos por mensagens sem dúvida hostis vindas das fileiras do partido liderado pelo primeiro-ministro Modi, com uma presença minoritária no Parlamento regional. O primeiro-ministro indiano cedeu o protagonismo de campanha ao seu braço direito e ministro do Interior, Amit Shah.

“Daremos a eles balas, não biryani [arroz indiano]”, proclamou no começo do mês Yogi Adityanath, importante membro do partido de Modi. Monge extremista e líder do BJP no vizinho Estado de Uttar Pradesh, onde governa, a presença de Adityanath na capital foi outra mensagem enviada pelo partido de Modi. “Se o BJP vencer, acabaremos com as manifestações em uma hora. Em um mês, não existirá uma mesquita de pé”, disse em 28 de janeiro Parvesh Verma, deputado membro do BJP e candidato no oeste de Déli. Ele, entre outros políticos do partido de Modi, foi alertado pela comissão eleitoral, que também ordenou a retirada de tuítes que incitavam a violência. Eles incluíram ataques contra o atual chefe do executivo de Déli, Arvind Kejriwal, chamado de “terrorista” e instigador dos protestos.

Kejriwal, do Aam Aadmi Party (AAP) – Partido do Homem Comum –, não entrou no jogo sujo de seus adversários e usa as redes com habilidade para que as pessoas avaliem seu legado. Após ganhar 95% das cadeiras há cinco anos, o AAP parte com a vantagem de seu sucesso no Governo. Nesse mandato, investiu um quarto do orçamento em educação. Herdeiro do movimento de indignação global anticorrupção, o AAP cumpriu sua promessa de acesso gratuito a serviços como água e eletricidade. Isso lhe assegura o apoio da classe desfavorecida – 30% do eleitorado –. Resta a incógnita do voto cético a políticas sociais da classe média-alta hindu, sobre a qual o nacionalismo religioso do BJP deposita suas esperanças.

A importância de Déli a nível nacional é relativa. A capital só envia sete dos mais de 550 deputados ao Parlamento da Índia. As primeiras eleições de 2020 na Índia, entretanto, foram precedidas por derrotas do BJP nas eleições de oito Estados desde março de 2018, a última em Maharashtra e sua capital, Mumbai.

Após a arrasadora vitória de Modi nas eleições gerais de maio do ano passado, o Governo da Índia acelerou seu programa político-religioso com a criticada lei de cidadania e a não menos controvertida divisão da Cachemira – único Estado indiano de maioria muçulmana, na fronteira com o Paquistão – após eliminar sua autonomia especial. Uma vez cumpridas suas promessas ideológicas e com os piores dados econômicos em meio século, o BJP precisa recuperar base eleitoral a nível local.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50