Coronavírus

Alemanha confirma primeiro contágio do coronavírus na Europa de um paciente que não viajou à China

Outros dois casos de transmissão entre humanos foram registados fora da China: no Japão e no Vietnã

Médico mede a temperatura de passageiros antes do embarque no aeroporto de Changsha, na China.
Médico mede a temperatura de passageiros antes do embarque no aeroporto de Changsha, na China.THOMAS PETER / REUTERS

A Alemanha confirmou nesta terça-feira o primeiro contágio do coronavírus de Wuhan na Europa envolvendo um paciente que não tinha viajado à China. Embora até agora se contabilizem meia centena de casos em países fora da nação de origem da doença, todos eram importados, exceto um, no Vietnã. O Japão também anunciou nesta terça-feira o primeiro contágio no país.

O caso de coronavírus Alemanha ocorreu quando o paciente teve contato com uma colega chinesa que estava em visita à Alemanha, relataram nesta terça-feira as autoridades sanitárias do Estado da Baviera (sul), onde o paciente está internado. A colega chinesa é uma mulher de Xangai que “começou a se sentir mal no voo de volta ao seu país, em 23 de janeiro”, disse Andreas Zapf, do departamento de Saúde da Baviera. Um alemão de 33 anos, com o qual manteve uma reunião, deu positivo na segunda-feira à noite, informa a agência AFP.

No caso japonês, trata-se de um motorista de ônibus turístico de mais de 60 anos, da cidade de Nara.

Até agora, o coronavírus matou 106 pessoas, todas na China, e mais de 4.500 foram contaminadas pela enfermidade respiratória originada na cidade de Wuhan, na região central do país.

A Alemanha é o segundo país europeu a confirmar casos desse coronavírus, depois da França, onde foram relatados três. O Governo alemão planeja retirar seus cidadãos da China, segundo a revista Der Spiegel. Um dos planos é que um avião militar se dirija ao país asiático ainda nesta semana para transportar 90 alemães registrados como residentes na região de Wuhan.

Saiba mais

Muitos países já começaram a tomar medidas diretas para frear a expansão do coronavírus, já que a Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a classificar risco internacional de contaminação como “elevado”. As operadoras de viagens russas pararam de vender voos para a China na manhã desta segunda-feira, disse o vice-presidente da Associação de Operadores de Turismo da Rússia, Dimitry Gorin, seguindo as recomendações do órgão regulador do país. Somente estavam mantidas as vendas de passagens de volta.

Outros países adotaram medidas ainda mais radicais: a Mongólia anunciou no domingo o fechamento de todas as suas passagens de fronteira com a China, enquanto o Governo chinês começou a impor o estado de quarentena nas principais cidades com a doença, medida que afeta mais de 50 milhões de pessoas.

No EL PAÍS, dezenas de jornalistas trabalham para levar a você as informações apuradas com mais cuidado e para cumprir sua missão de serviço público. Se quiser apoiar nosso jornalismo e ter acesso ilimitado, pode fazê-lo aqui por 1 euro no primeiro mês e 10 euros a partir do mês seguinte, sem compromisso de permanência.

Inscreva-se

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50