Venezuela

Maduro volta a chamar Bolsonaro de fascista e convida UE e ONU a observarem eleições

Presidente venezuelano promete que a votação acontecerá, embora ainda não tenha data, e acusa brasileiro de conspirar por sua derrubada

O presidente Nicolás Maduro discursa durante sua prestação de contas anual à Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, nesta quarta.
O presidente Nicolás Maduro discursa durante sua prestação de contas anual à Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, nesta quarta.MANAURE QUINTERO / Reuters

Nicolás Maduro confirmou que a Venezuela realizará eleições parlamentares ainda neste ano, em data a definir. O presidente disse nesta terça-feira que oferecerá garantias quanto à transparência do processo, submetendo-se a uma fiscalização internacional para a qual já convidou a União Europeia (UE) e a ONU. Maduro assumiu esse compromisso a durante a sua prestação anual de contas à Assembleia Nacional Constituinte, um órgão legislativo dominado pelo chavismo, que ele criou após cassar os poderes da Assembleia Nacional (Parlamento), de maioria opositora.

“Convido o mundo inteiro às eleições. Com este poder eleitoral, a oposição triunfou nas eleições legislativas de 2015. Mas se quiserem mais garantias estou de acordo”, afirmou Maduro, observando que a única entidade a não ser convidada será a Organização dos Estados Americanos (OEA), cujo secretário-geral, Luis Almagro, ele chamou de “lixo”.

O dirigente chavista comentou com ironia a crise do poder legislativo depois da autoproclamação do deputado opositor dissidente Luis Parra como presidente da Assembleia Nacional e a renovação do cargo por parte de Juan Guaidó. Como se não estivesse envolvido na gestação dessa crise —Parra conta com o apoio do chavismo—, ofereceu-se para promover um diálogo que ajude a resolver o problema da presidência da Assembleia Nacional. Para isso, formulou um convite aos líderes opositores dissidentes da Mesa de Diálogo Nacional, um setor minoritário da oposição, acrescentando que seus adversários, em particular Guaidó —a quem não citou nominalmente durante seu pronunciamento— eram “líderes desprestigiados, que só acumulam erros e fracassos e nada têm a dizer ao país”. “Esta crise da oposição”, acrescentou, “é a ponta de um iceberg”.

O líder bolivariano aproveitou a ocasião para ostentar toda a pompa protocolar do Estado e deixar claro quem manda na Venezuela, independentemente do isolamento e do generalizado questionamento internacional ao seu Governo. No ato estiveram presentes representantes do corpo diplomático de países aliados: Cuba, Rússia, Irã, China e Nicarágua.

Um desfile militar escoltou a caminhada de Maduro saindo da praça Bolívar, na companhia da sua esposa, Cilia Flores, de Diosdado Cabello, segundo homem do regime, e de chefes militares de cada um dos corpos das Forças Armadas. Fora do palácio legislativo se concentravam seus simpatizantes em uma modesta manifestação. Ao entrar, Maduro foi recebido por um grupo de músicos do Sistema Nacional de Orquestras Juvenis que entoaram El Alma Llanera, uma toada tradicional do país. Maduro foi apresentado a todo momento como “presidente Constitucional, chefe de Estado e comandante-em-chefe das Forças Armadas”. Não é pouca coisa, levando-se em conta que quase 60 países, incluindo o Brasil, reconhecem Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela.

Sem citar nomes, Maduro iniciou seu discurso respondendo a Víctor Hugo Basabe, bispo de Barquisimeto (oeste), que horas antes o havia atacado duramente. Com um tom comedido, mas irritado, Maduro exigiu que não se politize “o credo dos cidadãos” e pediu “respeito” dos sacerdotes às convicções políticas da população. Na procissão da Divina Pastora, evento religioso mais popular do país, Basabe havia questionando a legitimidade de Maduro e de políticos dissidentes da oposição acusados de terem sido subornados. Essas declarações são consideradas as mais fortes já feitas pelo clero venezuelano contra o chavismo.

Ao aludir a Luis Parra e à dissidência opositora, Basabe afirmou que a Venezuela era um país “vítima dos mercados da política, que se venderam por quatro moedas e decidiram servilmente ficar à disposição dos principais causadores da tragédia que vive o povo”, para depois acusar as Forças Armadas de serem “politicamente parcializadas […], traírem seu juramento democrático e se voltarem covardemente contra um povo que clama por seus direitos”.

Maduro aproveitou o discurso à nação para retroagir ao tenso 2019 e culpar os presidentes da Colômbia, Iván Duque, do Chile, Sebastián Piñera, e do Brasil, Jair Bolsonaro, por conspirarem reiteradamente por sua derrubada, chamando-os de “fascistas”, como o fez na sua posse no ano passado. O mandatário venezuelano comemorou o fato de ter derrotado todas as tentativas opositoras de tirá-lo do poder e fez um apelo especial às Forças Armadas e à Tropa Nacional Bolivariana para que sigam leais ao legado chavista.

O alvo principal dos ataques de Maduro, no entanto, era Guaidó, a quem ridicularizou várias vezes, e "o império norte-americano”, ao qual acusou de estar por trás de todos os problemas do país e orquestrar um “bloqueio criminoso” que provoca o colapso da economia. O dirigente chavista não mencionou a forte redução da produção petroleira, a emigração maciça e a hiperinflação como fenômeno econômico crônico.

Foi um discurso lido, no qual Maduro teve que fazer várias inflexões para reconhecer os prejuízos à população decorrentes do apagão nacional de março, do colapso de todos os serviços públicos e das deficiências no atendimento médico. Males sobre os quais disse “estar consciente”, prometendo melhoras “sem desculpas” no futuro, e destacando a todo momento os programas assistenciais do chavismo.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50