Seleções rivais sofrem para acompanhar o ritmo brasileiro na Copa América

Maiores adversários da seleção, incluindo Argentina e Uruguai, não empolgaram na primeira semana do torneio mas atuam para impedir o bicampeonato do Brasil

Messi foge da marcação uruguaia na partida em Brasília.
Messi foge da marcação uruguaia na partida em Brasília.Fernando Bizerra Jr (EFE)
Mais informações

Mesmo antes de saber que a Copa América seria jogada em casa, a seleção brasileira já era considerada a mais forte do continente e favorita ao bicampeonato no torneio. Uma semana de jogos pela competição já foi suficiente para confirmar a tese: em duas rodadas, o time de Tite teve duas vitórias, 7 gols marcados e nenhum sofrido, o melhor aproveitamento entre as dez seleções envolvidas. Tanto a maior rival, Argentina, quanto Uruguai e Colômbia, adversários respeitados, ou até mesmo o Peru, último finalista, acumulam tropeços na primeira fase da Copa enquanto assistem a Neymar e cia. concretizar a superioridade em ritmo de treino. Ainda faltam 20 dias para a final mas, até agora, nenhuma equipe provou em campo a capacidade de impedir que o Brasil volte a erguer a taça continental no Maracanã.

Argentina, a maior rival

Historicamente, é a Argentina quem polariza as glórias do futebol sul-americano com o Brasil. Apesar do jejum de títulos atual dos hermanos, que não levantam um troféu desde 1993, a Copa América atual mantém a lógica com brasileiros liderando o grupo B e argentinos liderando o grupo A. A campanha do time de Messi, no entanto, não é tão boa quanto a dos rivais. Na estreia, a Argentina ficou no empate por 1 a 1 com o Chile, no Rio de Janeiro, quando Messi marcou um golaço de falta mas saiu reclamando do gramado do estádio Nilton Santos. Já no segundo jogo, a primeira vitória veio contra o Uruguai, por 1 X 0, com gol de Guido Rodríguez.

O time treinado por Lionel Scaloni apresenta problemas na defesa e ainda não conseguiu encontrar um ataque que acomode Messi da melhor forma, ainda que o camisa 10 seja o mais inspirado da seleção —e tenha uma motivação a mais por jogar em homenagem a Diego Maradona, falecido em novembro de 2020. Vale lembrar que foram os argentinos os responsáveis pela última derrota do Brasil, num amistoso ocorrido em novembro de 2019.

Colômbia e Uruguai, um degrau abaixo

Pensando no passado recente, seriam colombianos e uruguaios os maiores candidatos a incomodar a dupla Brasil e Argentina na busca pela Copa. A questão é que, ao menos até agora, nenhuma das duas seleções justificaram a fama. Na única partida que jogou pelo torneio, o Uruguai perdeu para a Argentina por 1 X 0, no grupo A. A renomada dupla de ataque, formada por Suárez e Cavani, não conseguiu furar a questionada defesa argentina. Antes de começar a Copa, o Uruguai também não havia conseguido marcar gols contra Paraguai e Venezuela, dois times considerados piores que os uruguaios.

A Colômbia, que joga sem a estrela James Rodríguez, é no papel a maior adversária do Brasil no grupo B. O time treinado por Reinaldo Rueda estreou vencendo o Equador por 1 a 0, mas não conseguiu sair do 0 a 0 em seu segundo jogo contra a Venezuela, a equipe mais fraca da chave. Dois pontos atrás dos brasileiros, os colombianos têm pela frente agora seus dois compromissos mais difíceis na primeira fase: o Peru, em Goiânia, e o Brasil, no Rio de Janeiro.

Peru e Chile, correndo por fora

O Peru foi o vice-campeão da última Copa América, quando acabou derrotado pelo Brasil na final. Nada impede que os peruanos voltem a surpreender na edição deste ano, mas a estreia foi com o pé esquerdo: perdeu por 4 X 0 para o Brasil no Nilton Santos, sem sequer conseguir incomodar o goleiro adversário. Foi a única partida disputada pela seleção de Ricardo Gareca até o momento.

Já o Chile soma os mesmos quatro pontos de Argentina e Colômbia, tendo buscado o empate contra a seleção de Messi no primeiro jogo e derrotado a frágil Bolívia por 1 a 0 no segundo. Apesar da campanha boa até agora, os chilenos são representados por uma geração envelhecida de jogadores que não conseguiram se classificar para o último Mundial. O placar magro contra os bolivianos, por exemplo, indica um time que não figura entre os favoritos à conquista.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Paraguai, Equador, Bolívia e Venezuela, os azarões

Por fim, ficam quatro seleções que, juntas, somaram até agora quatro pontos na Copa América. A única delas a vencer foi o Paraguai, que fez 3 a 1 na Bolívia em seu único jogo até aqui. No outro destaque, a Venezuela estreou levando 3 a 0 do Brasil, mas segurou os colombianos no empate por 0 a 0 em seguida. O Equador perdeu seu único jogo até o momento, enquanto a Bolívia acumula duas derrotas em duas partidas.

Vale lembrar que, pelo regulamento, apenas uma seleção é eliminada em cada grupo na primeira fase, um posto que deve ficar com Bolívia no primeiro grupo e Venezuela no segundo. E, a partir da segunda fase, os jogos se tornam mata-matas, onde quem perder está eliminado —um formato que costuma favorecer os times azarões.

Domingo (20) e segunda (21) trazem a terceira rodada do torneio. Pelo grupo B, jogam neste domingo Venezuela x Equador, às 18h no Rio de Janeiro, e Colômbia x Peru, às 21h em Goiânia (o Brasil folga nesta rodada). E pelo grupo A, na segunda, o Uruguai enfrenta o Chile às 18h, em Cuiabá, e a Argentina pega o Paraguai às 21h, em Brasília.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: