Caso Robinho

Sentença de Robinho por estupro é confirmada na Justiça italiana, que fala em “particular desprezo pela vítima”

O jogador foi condenado a nove anos de prisão por estupro coletivo cometido em 2013, quando atuava pelo Milan. Cabe recurso na terceira instância

Robinho atuando pela seleção brasileira, em 2010.
Robinho atuando pela seleção brasileira, em 2010.

Mais informações

A Justiça italiana revelou nesta terça-feira (9) o teor da condenação do jogador brasileiro Robinho, 37, a nove anos de prisão pelo crime de estupro coletivo cometido numa boate de Milão, em 2013, quando atuava pelo Milan. A confirmação da sentença foi feita pela Corte de Apelação de Milão, a segunda instância da Justiça local, em dezembro do ano passado. Após análise de mensagens enviadas pelo jogador à vítima, a pena foi mantida com base no “particular desprezo em relação à vítima, que foi brutalmente humilhada”, segundo os juízes do caso.

A defesa de Robinho ainda tem 45 dias para apresentar recurso à terceira e última instância da Justiça italiana, a Corte de Cassação. Na época de sua primeira condenação, em 2017, a Itália afirmou que não pedirá a extradição do jogador até que todas as instâncias sejam esgotadas. Atualmente, o atacante está sem clube.

Além de Robinho, seu amigo Ricardo Falco também foi condenado aos mesmos nove anos sob acusação de participar do estupro coletivo. Os dois e mais três pessoas, que não foram identificadas pela Justiça italiana, abusaram sexualmente de uma jovem albanesa na casa noturna Sio Café, em Milão, no dia 22 de janeiro de 2013, segundo a sentença. A corte reforçou a impossibilidade de defesa da vítima e alegou, por parte do jogador, tentativa de “enganar as investigações oferecendo aos investigadores uma versão dos fatos falsa e previamente combinada”.

A última vez que a defesa de Robinho se pronunciou foi em dezembro, quando a corte confirmou a sentença em segunda instância. A equipe de advogados do jogador se disse “confiante na inocência” e argumentou que “foram apresentadas novas provas que contribuem ainda mais para a comprovação da inocência de Robinho, entendendo-se que essa inocência já estava claramente evidenciada nos autos desde a primeira instância de julgamento”.

Na época do crime, o atacante estava na terceira de quatro temporadas que fez com a camisa do Milan, e ainda era presença frequente nas convocações da seleção brasileira. Da Itália se transferiu para o Santos em 2014, clube onde é ídolo, passou pelo futebol chinês e voltou para jogar no Atlético-MG. Robinho estava em Belo Horizonte quando, em novembro de 2017, foi condenado pela primeira vez pela Justiça italiana no caso de estupro coletivo. A partir daí, começaram a ser frequentes os protestos de torcedoras atleticanas pela rescisão do contrato com o jogador.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Robinho deixou o Brasil novamente para atuar na Turquia entre 2018 e 2020, período em que ficou longe dos holofotes. No entanto, o caso voltou à tona quando o jogador foi anunciado como reforço do Santos, em outubro de 2020, para sua quarta passagem no clube. Orlando Rollo, presidente recém-empossado no clube alvinegro, tentou usar o ídolo como uma jogada de marketing, mas teve o efeito contrário: o Santos foi alvo de inúmeros protestos pela contratação de um jogador condenado por estupro e acabou ameaçado de ter acordos rompidos com patrocinadores em caso de insistência no reforço. O contrato entre clube e jogador, que iria até fevereiro de 2021, acabou suspenso após a pressão financeira. Posteriormente, já neste ano, o novo presidente santista Andrés Rueda garantiu que o atleta não voltaria.


Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50