Mundial de Clubes jornada 1
Finalizado
Bayern
Bayern
58' Benjamin Pavard
1
0
Tigres
3
Tigres
FINAL DO MUNDIAL DE CLUBES

Como o Bayern repetiu o Barcelona de Guardiola na conquista do sexteto

Com o Mundial de Clubes, time de Munique garante todos os títulos em jogo na temporada, graças à costumeira generosidade de seus jogadores e a mais uma exibição de sua sólida defesa

Neuer levanta a taça do Mundial de Clubes.
Neuer levanta a taça do Mundial de Clubes.AP

Mais informações

O Bayern sucedeu ao Barça de Guardiola como a segunda equipe da história a ganhar um sexteto, a conquista de todos os títulos em disputa em campo e uma marca de prestígio. Finalizou sua odisseia contra o Tigres, o primeiro time mexicano a chegar a uma final de Copa do Mundo de Clubes, baseado na força defensiva, generosidade e cruzamentos para a área. É como Lewandowski disse após o jogo: “Disse aos rapazes no intervalo para me darem o pivô, que ganharia espaços arrastando os defensores”. Foi assim, a partir do que fez na final da Champions League em Lisboa, que o Bayern saiu vitorioso de Doha.

O foco de covid-19, as baixas de Goretzka e Javi Martínez antes da viagem, Müller positivo na véspera do jogo, a incerteza na concentração após uma longa semana de contratempos, tudo isso poderia ter afetado o Bayern. A equipe de Flick entrou em campo com mais tensa do que o normal. Mas o fato de esse Bayern de meninos trabalhadores e altruístas ter feito história ao colecionar títulos em estádios vazios não o torna um time fascinante. Nunca foi. Muito menos em Doha.

Bayern
BAY
1
-
0
TIG
Tigres
Bayern
Neuer, Lucas, Benjamin Pavard, Niklas Süle, Alphonso Davies, Sane (Jamal Musiala, min. 72), Kingsley Coman (Douglas Costa, min. 72), Serge Gnabry (Tolisso, min. 63), Alaba, Joshua Kimmich y Lewandowski (Choupo-Moting, min. 72)
Tigres
Guzmán, Carlos Salcedo, Jesús Dueñas, Diego Reyes, Luis Rodríguez (Julián Quiñones, min. 79), Guido Pizarro, Aquino, Rafael Carioca, Luis Quiñónes, Gignac y Carlos González
Gols
1-0 min. 58: Benjamin Pavard.
Jesús Dueñas (min. 41), Luis Rodríguez (min. 68) y Rafael Carioca (min. 89)

Contra o Tigres, um conjunto bem formado de veteranos cujo elenco estava bem abaixo da categoria do adversário, o Bayern venceu não pela habilidade de suas combinações, mas pelo tremendo poder de seu elenco defensivo. Reduzidos Lewandowski, Gnabry e Sané à condição de meros operários, atados pela trama mexicana durante boa parte da primeira hora de jogo, a disputa se canalizou por meio da segurança de Lucas Hernández, com Davies no lado esquerdo, Pavard pela direita, e a dupla composta por Alaba e Kimmich, que completaram uma tela impenetrável. Impossível de quebrar, pelo menos, para o soberbo Gignac, jogador extremamente inteligente que nenhum de seus companheiros de ataque conseguiu acompanhar. Na hora marcada, todos falharam. Principalmente o colombiano Luis Quiñones.

Imparável na semifinal contra o Palmeiras, o magrelo Quiñones viu minguar seu pé esquerdo contra o Bayern. Confuso toda vez que tinha tempo para decidir, fez todas as escolhas erradas. Esteve cada vez pior à medida que os minutos passavam e seus companheiros o olhavam ansiosos, pois boa parte da fluidez dos ataques dependia de suas escapadas pelos cantos. Seu jogo acabou consumindo a paciência de todos, pois o lateral até ameaçou enfrentar a defesa adversária, mas acabou fazendo todos seus cruzamentos de olhos fechados. Foi tão anulado que o monolítico Süle o manteve à distância, mal sendo exigido.

Atolada no meio de campo, a final permitia apenas percursos curtos em um campo estreito que quase sempre foi dominado por Carioca, Pizarro, Salcedo, Alaba e Kimmich. O bloqueio só foi quebrado graças à variante Davies-Alaba, que trocou de posição e abriu a única lacuna visível. Alaba deslocou-se para sua antiga posição lateral para lançar Davies. A simples troca foi executada de memória, e o canadense se tornou imparável em suas corridas, sua frenagem e sua direção. A defesa do Tigres foi aberta pela lateral, mas os atacantes não aproveitaram.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Como na última final da Champions League, o Bayern acabou superando o obstáculo decisivo com chutes de fora da área e cruzamentos. O VAR anulou o 1x0 anotado por Kimmich, mas concedeu o 1x0 de Pavard após cruzamento de Kimmich. A bola foi dividida pelo goleiro Patón Guzmán e Lewandowski, e o polonês honrou sua promessa no vestiário, colidindo com o goleiro e tocando a bola com o cotovelo, Salcedo deu condição de jogo ao atacante e Pavard completou com o rebote. Após o costumeiro suspense, o árbitro validou a jogada. Gol válido, título válido, sexteto válido.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50