Sergio Moro deixa o Governo

Dólar dispara, e Bolsa tem forte queda com saída de Moro do Governo

Moeda norte-americana bate recorde de valorização, vendida a 5,71 reais. Ibovespa chega a desabar 9,58% após anúncio. Investidores temem os rumos da economia brasileira diante dos ruídos em Brasília

Dólar bate recorde intradiário após saída de Sergio Moro do Governo.
Dólar bate recorde intradiário após saída de Sergio Moro do Governo.Sebastiao Moreira / EFE

O pedido de demissão do ministro da Justiça Sergio Mouro fez a Bolsa de Valores brasileira desabar no início da tarde desta sexta-feira. O Ibovespa, principal índice da B3, abriu em queda e, às 12h22, despencou 9,58%, aos 72.000 pontos, chegando perto dos temidos 10%, quando é acionado o mecanismo de circuit breaker, que suspende as operações. No fim do dia, o índice reduziu as perdas e fechou em queda de 5,45%, aos 75.330 pontos. Na véspera, o Ibovespa também encerrou o dia no vermelho já repercutindo as informações sobre a suposta saída do ministro.

Mais informações

A decisão de Moro —que ganhou notoriedade como principal juiz da operação Lava Jato— ocorre após a demissão do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, pelo presidente Jair Bolsonaro, publicada em edição extra do Diário Oficial da União nesta sexta-feira. O ministro havia imposto como condição para permanecer no Governo que pudesse discutir com Bolsonaro a escolha do sucessor de Valeixo à frente da PF, o que não aconteceu.

Dólar bate 5,71 reais

O discurso de demissão de Moro no fim da manhã desta sexta-feira também fez o dólar renovar mais uma vez o recorde intradiário durante a pandemia do coronavírus. Na máxima, a moeda americana chegou a ser vendida a 5,717 reais, maior cotação já registrada, e terminou o dia valendo 5,66 reais. O euro avançou 2,47%, cotado ao fim do dia a 6,11 reais.

“Estamos vendo um Governo se desfazer em meio a uma situação gravíssima de política internacional”, afirmou Fernando Bergallo, da FB Capital à agência Reuters.

Os investidores também temem os rumos da economia brasileira diante de persistentes ruídos em Brasília. “A percepção do mercado seria de que o Governo está perdendo o rumo político, e o Executivo está se isolando, em meio aos problemas ligados à pandemia global, inclusive com o esvaziamento da pasta de Paulo Guedes”, afirmou a Infinity Asset Management em nota.

Nesta semana, o ministro da Casa Civil, general Braga Netto, anunciou um pacote, o Pró-Brasil, de 300 bilhões de reais em infraestrutura para retomar o crescimento após a crise do coronavírus sem a participação da equipe econômica. A existência de um plano econômico sob a batuta da Casa Civil estruturado em torno do aumento de investimentos públicos expôs as divisões internas no Governo Bolsonaro sobre a melhor estratégia para o Brasil se reerguer da crise, num momento em que o Ministério da Economia segue apostando em reformas para atração de investidores privados. Guedes tinha uma live marcada para a manhã desta sexta-feira nos canais na internet do Itaú Unibanco, mas cancelou sua participação. (Com Reuters)


Informações sobre o coronavírus:

- Clique para seguir a cobertura em tempo real, minuto a minuto, da crise da Covid-19;

- O mapa do coronavírus no Brasil e no mundo: assim crescem os casos dia a dia, país por país;

- O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre o coronavírus;

- Guia para viver com uma pessoa infectada pelo coronavírus;

- Clique para assinar a newsletter e seguir a cobertura diária.

Mais informações