Série ‘Vosso reino’, a religião e as intrigas do poder na Argentina, unidas para vencer

O diretor Marcelo Piñeyro e a escritora Claudia Piñeiro, responsáveis pelo novo sucesso da Netflix, falam sobre os segredos de sua criação e antecipam detalhes sobre a segunda temporada

O pastor Emilio (Diego Peretti) e sua mulher Elena (Mercedes Morán), em uma cena de ‘Vosso reino’. Em vídeo, o trailer da série.
Mais informações

“O velho mundo morre. O novo demora em aparecer. Nesse claro-escuro surgem os monstros”. A frase de Antonio Gramsci que abre Vosso reino é, mais do que um resumo de seu conteúdo, uma declaração de intenções de seus criadores. A série argentina da Netflix se tornou, poucas semanas depois da estreia, um sucesso na plataforma em todo o mundo de língua espanhola. Corrupção material e espiritual, a religião como arma de poder, o preço da ambição política e um relato preciso de como funcionam as entranhas do sistema se juntam neste thriller de oito episódios criado por Marcelo Piñeyro e Claudia Piñeiro, com quem o EL PAÍS conversou no início de setembro por videoconferência.

“A série não pretende dar conta de como é o evangelismo hoje na Argentina, mas construir um pastor que possa ser verossímil. Nós o elaboramos em termos de forma hipotética. Existe uma tendência muito forte na região de voltar ao conservadorismo por parte de algumas igrejas”, resume a escritora Claudia Piñeiro (Buenos Aires, 61 anos, autora de Elena Sabe e La Catedral) para apresentar Emilio (Diego Peretti), um pastor evangélico envolvido com a política ao redor da qual giram as ambições, fragilidades e maldades da trama. Mas não é uma série que transita por uma única via. E a história cresce aos poucos, fecunda em ambientes e ideias, apoiada em um elenco muito sólido. Durante a elaboração, Piñeyro e Piñeiro reconhecem, os grandes personagens já estavam em suas cabeças, assim como o intérprete ideal. Em quase todos os casos, alcançaram o que desejavam. Lá estão Mercedes Morán como Elena, pastora e mulher de Emilio, ou Chino Darín como Julio Clamens, um jovem com passado obscuro e assessor da igreja. “A rodagem com eles foi muito divertida”, reconhece Marcelo Piñeyro (Buenos Aires, 68 anos), diretor de Plata Quemada (2000), Kamchatka (2002) ou Viúvas Sempre às Quintas (2009, baseado justamente em um romance de sua parceira criativa em Vosso reino), que estreia aqui como diretor de série.

Claudia Piñeiro e Marcelo Piñeyro durante a rodagem da série.
Claudia Piñeiro e Marcelo Piñeyro durante a rodagem da série.Pablo Franco/Netflix

A proposta da Netflix em oferecer todos os capítulos de uma vez pode ter seus inconvenientes, mas certo tipo de série se beneficia com esse modo de consumo. Acontece com La Casa de Papel, por exemplo, e também com Vosso reino. Neófitos na linguagem do streaming, apostaram em começos disruptivos que “se desfrutam menos se você deixar passar muito tempo entre um capítulo e outro”, resume Piñeiro. Um bom exemplo é o quarto episódio, com a benção das pilhas de dinheiro ilegal que depois vão de um lugar para outro, de carro ou a pé, em malas e sacolas, para alimentar o fluxo sanguíneo da igreja de Emilio. “Eu encaro como um relato unitário, como um filme, para além de estar dividida em capítulos”, conclui Piñeyro, consumidor de séries por meio de maratonas desde que ficou viciado em The Wire com os DVDs.

Nancy Dupláa como a promotora Roberta Candia.
Nancy Dupláa como a promotora Roberta Candia.

As duas faces da história são formadas por Rubén Osorio (Joaquín Furriel), um obscuro assessor político, um autêntico poder na sombra e um dos pilares da narração, e pela procuradora Roberta Candia (Nancy Dupláa), uma personagem de romance policial clássico, alguém que resiste a se deixar derrotar pelas pressões, pela preguiça ou pela falta de meios. “É um exotismo para o sistema judiciário argentino porque se preocupa com a verdade”, comenta Piñeyro, quase divertido.

Milagres e pandemia

Em alguns momentos a série transita por lugares delicados. Sempre, insiste Piñeiro, “com respeito absoluto à fé religiosa genuína” que é então manipulada pelo político. El Pescado é um garoto pobre, ameaçado como outros pela congregação que deveria protegê-lo. Mas ele tem seus recursos, seu poder, algo que alguns chamariam de capacidade de fazer milagres. E aqui a dupla de criadores, tão compenetrada em tudo, se divide. “Marcelo queria que fosse sugerido que o milagre poderia ser e eu queria deixar claro que não, que tinha de haver uma explicação lógica. No final funciona porque está na linha vermelha, porque tem mais a ver com a esperança do que com outra coisa”.

Osorio (Joaquín Furriel), Clamens (Chino Darín) e Emilio (Diego Peretti) em uma cena de ‘O Reino’.
Osorio (Joaquín Furriel), Clamens (Chino Darín) e Emilio (Diego Peretti) em uma cena de ‘O Reino’.

Como tantas outras produções, a rodagem de Vosso reino foi afetada pela pandemia. Antes das restrições impostas na Argentina, já haviam acabado as cenas com multidões, os banhos de massas do pastor Emilio. Depois, ao voltar, algumas das ideias não puderam ser concretizadas nas novas condições e isso, comemoram, os levou a reestruturar, a pensar de outra forma, agora já com os atores em movimento, para moldar a história à sua medida.

A entrevista ao EL PAÍS os encontrou em plena elaboração da segunda temporada. A primeira termina num ponto alto, como todo bom thriller, mas todos os personagens têm futuro. Além do mais, diz Piñeiro, “há muitos personagens secundários que desenvolvemos na escrita prévia ao roteiro e que detalhamos muito mais do que demonstramos nesta temporada e que talvez na segunda necessitem ter maior protagonismo”.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: