‘Mank’ e ‘The Crown’ lideram indicações ao Globo de Ouro 2021 no cinema e na televisão

A Netflix tem 42 indicações entre televisão e cinema na premiação concedida pela Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, que será entregue no dia 28 de fevereiro

Gary Oldman, em uma cena de ‘Mank’.
Gary Oldman, em uma cena de ‘Mank’.
Mais informações

A plataforma digital Netflix deixou seus adversários sem fôlego nas indicações para o Globo de Ouro, a premiação da imprensa estrangeira em Hollywood, conseguindo 42 indicações entre suas produções para televisão e cinema. As indicações foram anunciadas nesta manhã e os prêmios serão entregues no dia 28 de fevereiro.

Em cinema, Mank, de David Fincher, obteve seis indicações; Os 7 de Chicago, de Aaron Sorkin, recebeu cinco, e atrás, com quatro, estão empatados Nomadland, Meu pai e Bela vingança, a agradável surpresa deste anúncio. Na categoria de melhor filme (drama), figuram O pai, Mank, Nomadland, Bela vingança e Os 7 de Chicago; e na de melhor filme (comédia) Borat: fita de cinema seguinte, Music, Hamilton (que não deixa de ser uma peça de teatro gravada), Palm Springs e A festa de formatura. Na disputa pela melhor direção, três mulheres (não houve nenhuma no ano passado): Emerald Fennell por Bela vingança, Chloé Zhao por Nomadland e Regina King por Uma noite em Miami. Dois clássicos completam o quinteto: Fincher e Sorkin. Aqui as categorias são unificadas e os realizadores de dramas monopolizaram as indicações. Spike Lee ficou de fora por seu Destacamento Blood.

Sacha Baron Cohen conseguiu duas indicações em interpretação: como melhor ator coadjuvante, graças ao seu trabalho em Borat: fita de cinema seguinte e Os 7 de Chicago. Na categoria melhor ator de drama, Riz Ahmed por O som do silêncio, o falecido Chadwick Boseman por A voz suprema do blues, Anthony Hopkins por Meu pai, Tahar Rahim por The Mauritanian e Gary Oldman por Mank. É preciso reconhecer que esta categoria está muito forte, com os nomes que deveriam figurar na lista... exceto pela ausência de Tom Hanks por Relatos do mundo. Na categoria de melhor ator de comédia ou musical, além de Baron Cohen, os indicados são James Corden por A festa de formatura, Lin-Manuel Miranda por Hamilton, Dev Patel por The Personal Story of David Copperfield e Andy Samberg por Palm Springs. Além da estranheza, que já vinha sendo anunciada, de ver um ator candidato por um filme que é uma peça de teatro gravada (Miranda por Hamilton), não há muito mais a acrescentar. Finalmente, na categoria de melhor ator coadjuvante, além de Baron Cohen, os indicados são: Daniel Kaluuya por Judas e o Messias Negro, Jared Leto por Os pequenos vestígios, Bill Murray por On the rocks e Leslie Odom Junior por Uma Noite em Miami.

Em interpretação feminina, a categoria de melhor atriz de comédia ou musical inclui Maria Bakalova por Borat, Kate Hudson por Music, Michelle Pfeiffer por French Exit, Anya Taylor Joy por Emma e Rosamund Pike por I care a lot. Meryl Streep (A festa de formatura) ficou de fora. Uma boa edição para Joy, que também está na televisão graças à sua atuação em O gambito da rainha. Na categoria de melhor atriz de filme (drama), concorrem Viola Davis por A voz suprema do blues, Andra Day por The United States vs. Billie Holiday, Vanessa Kirby por Pieces of a woman e Carey Mullgan por Bela vingança. Outra veterana, Sofia Loren, não foi indicada. E como melhor atriz coadjuvante as finalistas são Glenn Close por Era uma vez um sonho, Jodie Foster por The Mauritanian, Olivia Colman por Meu Pai, a atriz infantil Helena Zengel por News of the World e Amanda Seyfried por Mank.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Na categoria de melhor filme em língua estrangeira haverá um representante latino-americano: La llorona (Guatemala), de Jayro Bustamante, está no quinteto que é completado pelo vencedor dos prêmios de cinema europeus Druk (Dinamarca), de Thomas Vinterberg; Deux (França), de Filippo Meneghetti; o norte-americano, embora falado em coreano, Minari, de Lee Isaac Chung —que arrasou em Sundance 2020—, e Rosa e Momo, de Edoardo Ponti, com sua mãe, Sofia Loren, como protagonista.

Em televisão, a grande vencedora nas indicações foi a série The Crown, que alcançou seis com sua quarta temporada, e a comédia Schitt’s Creek, com cinco. A série da Netflix sobre a família real britânica tem cinco membros do elenco competindo. A Netflix também conseguiu ser a rede ou plataforma com maior número de indicações: 20. Fora da disputa, sem nenhuma indicação, ficou a série I may destroy you, da BBC e da HBO.

A entrega dos prêmios da 78ª edição do Globo de Ouro, concedidos pela Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood —que tem menos de 90 membros–— acontecerá no dia 28 de fevereiro, pela primeira vez em dois lugares: Amy Poehler será a apresentadora no hotel Beverly Hilton, o tradicional local de entrega, em Los Angeles, e Tina Fey o fará no The Rainbow Room, nos escritórios da NBC, rede que transmite a cerimônia, em Nova York. O produtor Norman Lear receberá o troféu Carol Burnett, que premia personalidades da televisão, enquanto a personalidade laureada do cinema é Jane Fonda, que receberá o troféu Cecil B de Mille.

A entrega do Globo de Ouro também sofreu um adiamento por causa da pandemia. E a premiação acontecerá antes mesmo da escolha dos indicados ao Oscar, que só serão divulgados em 15 de março, enquanto a entrega das estatuetas acontecerá em 25 de abril.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: