Cinema brasileiro

Mostra de Tiradentes abre calendário do audiovisual brasileiro com programação online e gratuita

Confira a seleção do EL PAÍS dos filmes que estarão disponíveis online de 22 a 30 de janeiro, na 24ª edição do festival

A atriz Clara Choveaux em cena de 'Luz nos trópicos', filme de Paula Gaitán.
A atriz Clara Choveaux em cena de 'Luz nos trópicos', filme de Paula Gaitán.

A 24ª Mostra de Cinema de Tiradentes abri, nesta sexta-feira, o calendário do audiovisual brasileiro, com uma programação online e gratuita que irá até o dia 30 de janeiro. Criada em 1998 para colaborar com o “cinema de retomada” —expressão usada para se referir à volta do fomento à produção nacional na segunda metade dos anos 1990—, a Mostra é hoje um farol sobre as discussões que estarão presentes nos demais festivais ao longo do ano e aponta tendências sobre temáticas e linguagens no cinema brasileiro.

O tema proposto este ano pelos curadores Francis Vogner dos Reis e Lila Foster é Vertentes da criação, para debater os universos simbólicos, a ética das imagens a partir dos espaços, personagens e territórios, além da relação com o mercado, que permeiam a produção audiovisual. Como não podia deixar de ser, um dos temas que estará em evidência é a pandemia do novo coronavírus e seus impactos no cinema. A programação online, experimento inédito na história da mostra, está disponível no site do evento, onde é possível cadastrar-se para assistir aos 114 filmes disponíveis, entre curtas, médias e longa metragens. O EL PAÍS seleciona abaixo alguns dos títulos em destaque:

Luz nos trópicos (Paula Gaitán)

A obra-prima de Paula Gaitán, cineasta homenageada na Mostra Tiradentes, é uma ode às populações nativas do continente americano. Em uma odisseia de quatro horas, o longa tece um bordado de histórias e linhas do tempo, enredados por cosmogonias indígenas, cadernos de viagem e literatura antropológica. Luz nos trópicos é uma experiência estética singular e uma navegação pelos ecos do passado no presente e vice-e-versa.

Açucena (Isaac Donato)

Todo ano, uma senhora sexagenária comemora seu aniversário de sete anos, com direito a bonecas como convidadas. A premissa por si só lírica e delicada ganhas tons de fantasia e suspense no documentário de Isaac Donato, que o rodou na Região Metropolitana de Salvador, em 2019.

Voltei (Ary Rosa e Glenda Nicácio)

Quatro anos depois da premiada estreia de Café com canela (2017), a dupla de cineastas baianos Glenda Nicário e Ary Rosa apresenta Voltei, um filme que propõe quase uma vertigem onírica. Apesar de que a obra faz eco com as crises sociais e políticas desde 2020 —dialogando até mesmo com o confinamento imposto pela pandemia de covid-19—, a trama se passa em 2030. Duas irmãs, Alayr e Sabrina acompanham em um rádio de pilha o julgamento que pode mudar os rumos de um país, quando são surpreendidas por Fátima, a irmã morta que ressurge para compartilhar com elas esse momento histórico.

Eu, empresa (Leon Sampaio e Marcus Curvelo)

Um trabalhador informal enfrenta problemas financeiros e emocionais. Sem oportunidades decentes de trabalho, ele cria um canal no YouTube pra tentar monetizar suas pequenas histórias de fracasso, enquanto presta serviços precarizados para empresas estrangeiras. Em um diálogo com o cinema de nomes como Ken Loach, a obra dos diretores Leon Sampaio e Marcus Curvelo propõe reflexões sobre as ironias do culto ao empreendedorismo e as dores da uberização dos trabalhos e da vida, em geral.

Rosa tirana (Rogério Sagui)

Em um sertão banhado e castigado pelo sol, a menina Rosa atravessa a caatinga árida e fantasiosa, durante uma seca nunca antes vista, na esperança de se encontrar com Nossa Senhora Imaculada, padroeira daquele chão. A partir do olhar doce e direto da protagonista, o diretor baiano Rogério Sagui desvela, em meio à dureza da paisagem, as sutilezas da alma humana.

A mesma parte de um homem (Ana Johann)

Estrelado por Clarissa Kiste, ao lado de Irandhir Santos e Zeca Cenovicz, A mesma parte de um homem acompanha a vida de Renata, de 40 anos, que vive isolada em uma vila rural com o marido e a filha. Ela sempre considerou o medo um sentimento corriqueiro em sua existência, mas depois de passar por alguns acontecimentos, incluindo a morte inesperada do companheiro, ela começa a redescobrir-se e a encontrar o desejo e a pulsação da vida, especialmente a partir da chegada de um desconhecido.

Nũhũ yãg mũ yõg hãm: Essa Terra é Nossa! (Isael Maxakali e Sueli Maxakali)

“Antigamente, os brancos não existiam e nós vivíamos caçando com os nossos espíritos yãmĩyxop. Mas os brancos vieram, derrubaram as matas, secaram os rios e espantaram os bichos para longe. Hoje, as nossas árvores compridas acabaram, os brancos nos cercaram e a nossa terra é pequenininha. Mas os nossos yãmĩyxop são muito fortes e nos ensinaram as histórias e os cantos dos antigos que andaram por aqui”. É assim que os diretores Isael Maxakali e Suelo Maxakali apresentam o documentário que reflete sobre as dores históricas a resistência cultural do seu povo, em um ensaio imagético sobre força e tradição.

Mais informações