Morre José Mojica Marins

O adeus a Zé do Caixão, o pai do terror nacional

O cineasta José Mojica Marins morreu na tarde desta quarta-feira, aos 83 anos. Alcançou reconhecimento internacional com um dos personagens mais simbólicos do cinema

José Mojica Marins como Zé do Caixão em 'Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver', em 1967
José Mojica Marins como Zé do Caixão em 'Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver', em 1967DIVULGAÇÃO

Mais informações

Unhas assustadoramente grandes, barba, cartola e roupas pretas compõem a aparência de uma figura inconfundível. Zé do Caixão se tornou tão famoso que o personagem se confunde com o criador. Considerado o pai do cinema de terror brasileiro, estrela de seis filmes e premiado internacionalmente, Zé é obra de José Mojica Marins, ator e cineasta que morreu na tarde desta quarta-feira, 19 de fevereiro, aos 83 anos, em São Paulo, em decorrência de uma broncopneumonia. Marins estava internado há cerca de 20 dias no hospital Santa Maggiore, desde que contraiu uma infecção que evoluiu para pneumonia. Ele deixa sete filhos, 12 netos e uma carreira que o coloca entre os cineastas mais notórios da história.

Dos 83 anos de vida, foram 71 atrás (e na frente) das câmeras. Mojica, cujos pais eram espanhois, nasceu em uma sexta-feira 13, em março de 1936. Filho de um gerente de um cinema na zona oeste de São Paulo, ganhou uma câmera aos 12 anos e começou suas produções. Fez uma série de filmes amadores com ajuda de amigos e vizinhos e, aos 20 anos, fundou uma escola de atores já influenciado pelo gênero de terror escatológico. Mojica admitiu que usava aranhas reais e outros animais para testar a coragem dos atores e atrizes que contratava, prática que trouxe do amadorismo para seus filmes mais famosos.

Zé do Caixão nasceu 27 anos depois de Mojica. O ator conta que, em 1963, teve um sonho com um espírito de um coveiro que o arrancava da cama e o levava até seu túmulo. Na manhã seguinte, ditou o roteiro de À Meia-Noite Levarei Sua Alma, o primeiro filme de seu protagonista mais conhecido. Zé do Caixão era o apelido de Josefel Zanatas ―segundo o próprio, “fel” por ser uma expressão de amargor, e “zanatas” por ser Satanás ao contrário. Zé era um coveiro do interior do Estado que desprezava as pessoas de fé cristã, rogava pragas na cidade e aterrorizava a população em busca da mulher que lhe daria o filho perfeito, matando quem estiver pelo seu caminho. O jornalista Ivan Finotti, coautor da biografia de Mojica com André Barcinski ― , conta que os atores ridicularizaram o diretor durante as filmagens pelo personagem de cartola e unhas grandes. Em dificuldades financeiras, o criador vendeu o filme pelo custo de produção, mas o viu se tornar um grande sucesso nos cinemas do centro de São Paulo. Na década seguinte, sua obra foi reconhecida internacionalmente na Espanha e na França, vencendo os Prêmio Especial no Festival Internacional de Cine Fantástico y de Terror Sitges (1973), Prêmio L’Ecran Fantastique pela originalidade (1974) e Prêmio Tiers Monde na III Convention du Cinéma Fantastique (1974).

Dois anos após a primeira aparição, Zé do Caixão voltou em Esta Noite Encarnarei o Teu Cadáver. Zé ganhou um programa semanal na TV Bandeirantes para contar histórias de terror e virou até personagem em quadrinhos. O protagonista ainda apareceu em outros quatro filmes: O Despertar da Besta (1970), Exorcismo Negro (1974), Delírios de um Anormal (1978), e 30 anos depois, Encarnação do Demônio (2008). Este último venceu 12 prêmios de cinema nacional, além do Prêmio do Júri Carnet Jove do Sitges no Festival Internacional de Cinema da Catalunha. Mojica ainda foi reconhecido, em 2000, pelo Prêmio Carreira e Obra do Fantasporto, o maior festival de cinema fantástico internacional de Portugal. Além dos clássicos filmes de terror, o diretor e ator se aventurou no faroeste, drama, aventura e até pornochanchada, gênero do cinema brasileiro que se popularizou na década de 70 pelo baixo custo e pelo teor cômico e erótico.

O diretor norte-americano Tim Burton, autor de Edward Mãos de Tesoura, O Estranho Mundo de Jack, Alice no País das Maravilhas e outros filmes mundialmente famosos, consolidou o reconhecimento internacional de Mojica ao classificá-lo como “a maior descoberta do gênero na década de 90”. Nos Estados Unidos, ganhou a alcunha de Coffin Joe. “Seus filmes ficaram na minha mente como pesadelos, mas bons pesadelos” disse o diretor quando encontrou Zé do Caixão em uma exposição organizada pelo Museu da Imagem e Som (MIS), em São Paulo, em 2016. Para o ator Matheus Natchtergaele, o cineasta era o “Carlitos” brasileiro. “Assim como Chaplin e seu Carlitos, Mojica e Zé do Caixão habitam nosso imaginário mais profundo”, escreveu o intérprete do cineasta na série Zé do Caixão.

Em 2011, Mojica participou de uma edição do programa Redação SporTV, no canal de esportes da Globo, onde exaltou seu “corinthianismo” e rogou uma praga em todos que “menosprezam a cultura brasileira e consideram algumas pessoas inferiores às outras”. “Que seus cabelos se convertam em ácido”, bradou, “escorram por seus olhos cegando-o completamente, e continuem escorrendo por seu corpo, acabando com suas partes sexuais!”. O cineasta apresentava, na época, O Estranho Mundo de Zé do Caixão, um programa de entrevistas do Canal Brasil que estreou em 2008 e durou sete temporadas.

Depois de dirigir 40 filmes e atuar mais de 50, Mojica Marins estava recluso nos últimos anos por conta de problemas de saúde. Sofreu um infarto em 2014 e teve problemas no rim, que o obrigaram a colocar um cateter fixo para os procedimentos de diálise. O cateter foi a fonte da infecção do último mês, que culminou na morte do cineasta. Sua última aparição pública aconteceu em julho de 2019, quando concedeu entrevista a Geraldo Luís no programa Domingo Show, na Record. Já debilitado, ele apareceu com dificuldades na fala e na locomoção, precisando de ajuda para comer e sem as unhas grandes, principal marca do célebre personagem. Na entrevista, elegeu Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver, o segundo filme de Zé do Caixão, como a obra-prima de sua carreira.

O que é a vida? É o princípio da morte. O que é a morte? É o fim da vida. O que é a existência? É a continuidade do sangue. O que é o sangue? É a razão da existência”. O monólogo que abre o filme À Meia-Noite Levarei Sua Alma, dito enquanto o protagonista olha e aponta para a câmera, introduziu ao cinema brasileiro um de seus personagens mais marcantes e impacta gerações até hoje. Seu velório acontece nesta quinta-feira (20) a partir das 16h, no auditório do MIS, e será aberto ao público. O enterro acontece às 12h de sexta-feira no cemitério São Paulo, em Pinheiros.


Mais informações