Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga testa positivo para covid-19

Chefe da pasta é o segundo a testar positivo na comitiva presidencial que viajou a Nova York por ocasião do discurso do presidente Jair Bolsonaro na Assembleia Geral da ONU. “O ministro passa bem”, informou a Secom

A comitiva brasileira visita o memorial do 11 de Setembro, em Nova York, nesta terça-feira. O ministro Queiroga aparece de máscara ao lado do presidente Jair Bolsonaro.
A comitiva brasileira visita o memorial do 11 de Setembro, em Nova York, nesta terça-feira. O ministro Queiroga aparece de máscara ao lado do presidente Jair Bolsonaro.Isac Nóbrega/PR
São Paulo -
Mais informações

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na Assembleia Geral das Nações Unidas parecia o desfecho do constrangimento pelo qual a comitiva brasileira passaria durante os dias em que frequentou Nova York. Por não ter se vacinado contra o novo coronavírus, o mandatário foi forçado —e forçou o grupo— a fazer refeições na rua, devido às restrições impostas pelo passaporte sanitário adotado pela cidade. O último dia dos brasileiros na cidade guardava, contudo, um último mal-estar: o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, terceiro empossado no posto por Bolsonaro durante a pandemia de coronavírus, testou positivo para a covid-19. Na véspera, o ministro havia sido flagrado por câmeras ao fazer gestos ofensivos para os manifestantes que protestavam contra a presença de Bolsonaro na cidade.

“A Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) informa que o Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que integrava a Comitiva Presidencial à Nova Iorque (EUA), testou positivo para a COVID-19 e permanecerá nos Estados Unidos durante o período de isolamento. O ministro passa bem”, confirmou em nota a Secom. “Informamos, ainda, que os demais integrantes da comitiva realizaram o exame e testaram negativo para a doença”, completa a nota. Queiroga foi o segundo membro da comitiva a testar positivo durante a viagem. ele terá de passar 14 dias em quarentena. “Ficarei em quarentena nos #EUA, seguindo todos os protocolos de segurança sanitária. Enquanto isso, o @minsaude seguirá firme nas ações de enfrentamento à pandemia no Brasil. Vamos vencer esse vírus!”, publicou o ministro em seu perfil no Twitter.

Durante seu discurso nesta terça, Bolsonaro atacou “o passaporte sanitário ou qualquer obrigação relacionada à vacina” e voltou a defender o tratamento precoce contra a covid-19, algo que os médicos não consideram existir. “Eu mesmo fui um desses que fez tratamento inicial”, afirmou o presidente, que no dia anterior fez questão de dizer em um encontro com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, que “ainda não” havia se vacinado. O mandatário brasileiro ainda levou uma bronca pública do prefeito de Nova York, Bill de Blasio, por não ter se vacinado. Seu quarto ministro da Saúde se vacinou, mas o coronavírus o infectou em um momento particularmente inoportuno para Bolsonaro.

Antes da viagem, na quinta-feira da semana passada, Queiroga chegou a aconselhar o presidente a se vacinar durante a live de Facebook semanal de Bolsonaro. “O presidente defende a autonomia do médico. Eu não sou o médico dele, mas eu defendo que o presidente deve tomar a decisão na hora certa. Ele diz que e imorrível. Não sei se é invacinável. Mas aí vou falar com a dona Michelle [Bolsonaro, a mulher do presidente]”, comentou Queiroga.

Dos ministro da Saúde de Bolsonaro, ele foi o que conseguiu por mais tempo se equilibrar entre as necessidades do combate à pandemia no país e o constante boicote presidencial às medidas implementadas para tentar conter o avanço do coronavírus. Dias antes de integrar a comitiva que viajou a Nova York, contudo, o ministro se viu envolvido em polêmica por conta da decisão do Ministério da Saúde de suspender a vacinação contra a covid-19 para adolescentes de 12 e 17 anos.

Durante a entrevista coletiva em que detalhou a decisão, Queiroga reverberou as desconfianças da base bolsonarista em relação às vacinas. A decisão contrariou a opinião de especialistas e a avaliação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e diversos governadores anunciaram que não seguiriam a instrução. Nesta terça-feira, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski decidiu que Estados e municípios podem deliberar sobre a imunização desse grupo. A decisão ainda deve passar por avaliação do plenário do STF.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: