Erika Hilton, uma ativista negra e trans, no lado oposto de Bolsonaro

A mulher mais votada nas últimas eleições da cidade de São Paulo é alvo de ameaças e ataques transfóbicos

Quando, ainda criança, perguntavam a Erika Hilton (Franco da Rocha, SP, 28 anos) o que queria ser quando crescer, já tinha a resposta pronta: ser presidente do Brasil. Um sonho já por si complicado e que se torna quase impossível para pessoas transgênero, como ela, cuja expectativa de vida no país é de 35 anos —em razão do número de assassinatos dessas pessoas no Brasil. Desafiando as estatísticas, se tornou a primeira vereadora trans e negra em São Paulo nas eleições municipais de novembro de 2020, e a mulher mais votada no Brasil nessas eleições, com 50.508 votos —quantidade enorme em um país onde são eleitos muitos vereadores em cada cidade. “Espero que meu corpo abra caminhos para que outras como eu cheguem a esses lugares de poder”, comemora. Em 24 de março, foi nomeada presidenta da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Vereadores de São Paulo, a maior cidade do Brasil.

Mais informações

Hilton foi a primeira pessoa de sua família a entrar na faculdade —estudou Pedagogia e Gerontologia, mas não se formou— e atribui seu espírito de liderança a seu signo, sagitário. Como muitos brasileiros, cresceu em um lar sem a figura paterna e foi educada pela mãe, as avós e duas tias, mulheres que hoje lhe servem de espelho. Lembra-se de se sentir uma menina muito amada e protegida, mas mesmo assim foi expulsa de casa na adolescência quando assumiu sua transexualidade. Com apenas 14 anos, começou a se prostituir nas ruas. “Quando me vi naquela situação de desamparo e desumanização, me dei conta de que um corpo como o meu só era visto para ser estuprado, comprado, humilhado. Percebi tudo o que está errado na nossa sociedade”, afirma. O Brasil é o país que mais mata transexuais e travestis no mundo, segundo dados da Human Rights Watch e outras organizações internacionais. No total, 90% desta população tem que se prostituir para sobreviver.

Sua militância começou anos depois, já reconciliada com a mãe e estudando na universidade. Em 2015, enfrentou na justiça uma empresa de transporte público que se recusava a permitir que seu nome social feminino fosse usado no bilhete de ônibus. Ganhou a ação, acrescentou mais de 100.000 assinaturas a uma petição online e, assim, atraiu a atenção do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), que a convidou a se juntar às suas listas de candidatos. Pouco depois, Erika criou um curso pré-vestibular na Universidade Federal de São Carlos para pessoas trans. Sua teoria é firme: é preciso ocupar as instituições. “O povo brasileiro não é a minoria branca, rica, cisgênero (que se identificam com o mesmo gênero que lhes foi atribuído ao nascer] e heterossexual.”

A presença de alguém como Erika Hilton na política brasileira é muito simbólica. O Governo de Jair Bolsonaro é abertamente contra os direitos LGBTI e, portanto, reflete uma “onda fascista” que se espalhou por todo o Brasil, segundo Hilton. Os maus momentos que passou na vida explicam por que não hesitou em fazer política em um país nos últimos lugares dos rankings de participação feminina nesse campo e onde parlamentares como Marielle Franco, também integrante do PSOL, são assassinadas impunemente―ainda não foram identificados os responsáveis por sua morte a tiros em março de 2018. No mesmo dia da eleição de Hilton como vereadora começaram os discursos de ódio. Já havia recebido ameaças de morte em 2018, quando fazia campanha pela Bancada Ativista ―uma plataforma para a eleição de ativistas, pela qual Hilton se tornou deputada estadual: alguém pichou num muro a frase “Travesti eleita morta” e por e-mail ameaçaram cortar sua cabeça e estuprá-la com objetos. Agora ela está lutando na justiça para que as redes sociais identifiquem 50 perfis responsáveis por ataques transfóbicos, racistas e misóginos.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

A deputada Sâmia Bonfim, amiga e colega de partido, elogia a coragem de Hilton: “Sempre foi muito contundente em suas opiniões. É firme e forte, e não tem medo de dizer as coisas como elas são”. As duas se conheceram em reuniões pelos direitos LGBTI e das mulheres, antes de ela entrar na política. Hilton foi criticada por colegas políticos por se concentrar demais nas questões de gênero. “Gostaria que a falta de respeito pelo direito à infância e à adolescência gerasse na esquerda a mesma indignação que a transfobia causa, por exemplo”, disse Raquel Marques, também deputada da Bancada Ativista em São Paulo desde 2018 ―Erika deixou o posto no ano passado para concorrer às eleições municipais. Depois dessa declaração, Marques foi expulsa.

De traços delicados, cabelos afro e postura de bailarina, Hilton lida com a pressão da vida pública com a ajuda de terapias e tratamentos holísticos. Já teve que ouvir de um colega parlamentar que “tiraria a tapa” uma pessoa trans de um banheiro feminino, e na Assembleia Legislativa de São Paulo, com maioria conservadora, acredita que terá de passar por situações semelhantes. “A eleição de gente como eu é uma resposta ao avanço da extrema direita, do fascismo e do conservadorismo no Brasil. E não me deixarei intimidar”, afirma. Já mostrou que é boa de briga.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50