O prefeito reeleito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), faz juramento e toma posse do novo mandato na Câmara Municipal.
O prefeito reeleito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), faz juramento e toma posse do novo mandato na Câmara Municipal.Afonso Braga/Divulgação
Política

Sob desgaste por ‘pacote de maldades’, Covas escolhe discurso de conciliador nacional em nova posse em São Paulo

Prefeito prometeu reabrir leitos para covid-19 e também escolas. Reeleito enfrenta críticas por fim da gratuidade do transporte para idosos e alta do próprio salário

Mais informações

O novo mandato do prefeito reeleito de São Paulo Bruno Covas (PSDB) começou nesta sexta-feira com discurso conciliador e de tom nacional e recheado de sinais contraditórios, com austeridade fiscal por um lado e aumento de gastos por outro. Já antes da posse o Diário Oficial do município trazia pela manhã um decreto com a intenção do prefeito de cortar 10% de todos os servidores da Prefeitura não concursados a partir deste ano. Um dia antes, outro decreto retirou a gratuidade de viagens no transporte público da capital paulista de idosos até 65 anos. Para ambos os cortes a justificativa é cortar custos e adequar a máquina administrativa a uma queda de arrecadação e aumento de gastos por causa da pandemia. Na contramão, no entanto, Covas assinou embaixo dias atrás um aumento de 46% no próprio salário a partir de 2022.

“Queremos ajudar a construir um novo tempo de mais lucidez e responsabilidade coletiva”, afirmou Covas, de 40 anos, em seu discurso de posse na tarde desta sexta-feira. “Política não é terreno para intolerantes nem lacradores de redes sociais, é para quem acredita no diálogo e em fazer junto”, seguiu o tucano em outro trecho de sua fala, onde citou a vice-presidente eleita dos Estados Unidos, Kamala Harris, e o avô, o ex-governador paulista Mario Covas, morto em 2001. Foi um aceno às raízes social-democratas do partido onde ele disputa influência com seu padrinho político, o também tucano governador João Doria, mais à direita.

“Que as tão esperadas vacinas estejam à disposição o mais breve possível a todos brasileiros para que país possa seguir adiante”, disse, ao nacionalizar o discurso e cerrar fileiras junto a Doria, que vive um embate político com o presidente Jair Bolsonaro em torno da vacinação contra a covid-19. Doria promete iniciar a imunização em São Paulo com a vacina chinesa CoronaVac em 25 de janeiro —ainda que faltem alguns requisitos técnicos para cumprir a promessa―, enquanto o Governo federal ainda não possui data nem vacina para começar o programa nacional.

Covas assumiu, como não podia deixar de ser, dizendo que sua missão mais urgente é o enfrentamento da pandemia. Para isso, ele disse que pretende colocar em funcionamento com 100% da capacidade de dois hospitais municipais concluídos no ano passado, com preferência para leitos de pacientes com covid-19. “Aqui ninguém ficou ou ficará sem atendimento”, afirmou o prefeito, que não falou durante a posse sobre a necessidade de montar novamente hospitais de campanha na capital. A lotação dos hospitais não para de crescer. Desde o início de dezembro, as internações por covid-19 aumentaram 40%. Os hospitais públicos com mais pacientes são o Hospital das Clínicas, da rede estadual, e o Hospital Municipal da Brasilândia, da rede municipal. Segundo os dados do Sistema de Monitoramento Inteligente (Simi) do Governo estadual, entre o início do mês e este domingo (27) o Hospital das Clínicas registrou um aumento de 23% no número de pacientes internados na UTI. Nesta sexta, a taxa de ocupação nos hospitais da cidade de SP era de 60%. O índice estava em 33% em outubro. Sua segunda prioridade, disse, é retomar as aulas presenciais na rede municipal de ensino, mas não comprometeu-se com datas ou cronograma específico.

A batalha contra a pandemia é crucial politicamente tanto para Covas como para Doria. a cidade e o Estado de São Paulo são o último bastião relevante eleitoralmente do PSDB no país. Os tucanos conseguiram evitar o colapso na área da saúde em meio à pandemia até agora, e se firmaram como um contraponto de razão ao presidente Bolsonaro e todo seu negacionismo em relação à pandemia. Apesar de alguns deslizes recentes como o atraso na divulgação dos resultados de eficácia da CoronaVac assim como uma viagem para Miami de Doria em pleno endurecimento da quarentena no Estado, São Paulo ainda é o único Estado do país com um cronograma de vacinação contra a covid-19 definido.

Em sua posse, Covas mostrou que eles sabem muito bem o valor desse ativo político e pretendem catalisá-lo para as próximas eleições, apesar dele mesmo dizer que vai ficar os quatro anos de mandato no cargo —já Doria aparece desde sempre como pré-candidato ao Palácio do Planalto em 2022. “Vivemos tempos de renovação. A renovação no nosso país vai acontecer, estou confiante em dias melhores. O negacionismo está com os dias contatos, prevalecerá o diálogo, a construção coletiva e o diálogo”, disse o prefeito. “O momento exige união. O vírus do ódio e da intolerância precisam ser banidos da nossa sociedade”.

Para chegar firmes com chances eleitorais em 2022, os tucanos em São Paulo terão de continuar mantendo a pandemia sob relativo controle e conseguir vacinar a população, mas não é tudo. Covas reiterou o congelamento do IPTU e da tarifa do transporte público por mais um ano, além da continuidade da distribuição de vales-alimentação para alunos da rede municipal de ensino e ampliação de um programa da prefeitura de distribuição de renda que hoje atende cerca de 15 mil famílias.

Aumento polêmico

O novo mandato já começa, no entanto, com um desgaste por causa de “um pacote de maldades” gestado nas últimas semanas de 2020. A primeira polêmica da nova gestão do prefeito paulistano aconteceu antes da posse, com a concordância em receber um aumento de 46% no próprio contracheque, que vale a partir de 2022, aprovado na Câmara. O salário do prefeito vai de 24 mil reais para 35,4 mil reais por mês. “O teto está congelado desde 2013, quando tivemos o último reajuste. Durante esse período de 8 anos, a inflação foi algo em torno de 60 a 100%, dependendo do valor que é considerado. O salário mínimo aumentou nesse período 68%. O valor do salário dos professores na rede municipal aumentou 80%. Então hoje o teto está defasado”, afirmou o prefeito reeleito em entrevista à GloboNews ao defender o aumento e dizer que ele é necessário para poder aumentar o salário de outros funcionários que deixam a prefeitura por salários mais altos.

Na contramão, com outra medida impopular tomada antes da posse, Covas extinguiu um benefício que concedia transporte público gratuito para idosos entre 60 e 65 anos, existente desde a aprovação de uma lei municipal em 2013. A partir dos 65 anos, uma lei federal garante a gratuidade. Assim, a partir de fevereiro idosos menores de 65 anos deixam de contar com o benefício na capital paulista —o governador estendeu a restrição do benefício para toda a malha de transporte metropolitano. Para suspender a gratuidade para idosos no transporte municipal, Covas revogou a lei antes.

Já a edição do decreto 60.041 neste dia 1º fala em “medidas e ações objetivando a redução de despesas”. Por ele, todas as secretarias e entes diretos da administração municipal ficam obrigados a apresentar um estudo de redução de pelo menos 10% de todo o pessoal em cargos de comissão ou confiança, ou seja, servidores não concursados. Outro artigo do mesmo decreto fala em revisar e renegociar “todos os contratos, convênios, termos de colaboração, termos de fomento, termos de parcerias, contratos de gestão e outros instrumentos congêneres em vigor”. O freio de arrumação na maior arrecadação dentre os municípios do Brasil acontece quando a gestão tem um orçamento que prevê cerca de 2% menos dinheiro num contexto em que a cidade pode enfrentar queda de arrecadação com menos dinheiro em circulação por causa do fim do auxílio emergencial. Ao todo, a Prefeitura prevê gastar 67,5 bilhões de reais.

Por causa da pandemia, a cerimônia de posse do prefeito, do vice Ricardo Nunes, do MDB, e dos 55 vereadores neste ano foi feita de maneira presencial e virtual ao mesmo tempo. Parte dos eleitos tomou posse do cargo presencialmente na Câmara Municipal, e parte deles virtualmente. A direção da casa legislativa restringiu a circulação de pessoas no local. Cada vereador que decidiu comparecer pessoalmente pôde levar apenas um convidado e um funcionário do gabinete. O acesso da imprensa também foi restrito e parte dos jornalistas também fez a cobertura do evento a partir de transmissões ao vivo. A sessão foi presidida pelo vereador reeleito Eduardo Suplicy, do PT, e contou com a participação virtual de Doria e outras autoridades municipais e estaduais.

Além dos desafios da administração, o atual prefeito entra no segundo mandato em tratamento contra um câncer na cárdia, descoberto em 2019. A cárdia é a região entre o esôfago e o estômago e a doença é tida como controlada, segundo os médicos do prefeito.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: