Maduro busca um balão de oxigênio com uma abertura econômica desordenada

Dolarização do cotidiano venezuelano mitiga os estragos da hiperinflação e gera uma bolha de consumo, embora o Governo continue sem um plano estrutural

Lanchonete no bairro periférico do Petare, na Venezuela.
Lanchonete no bairro periférico do Petare, na Venezuela.Mónica González / El País

A dolarização do cotidiano da Venezuela propiciou nas últimas semanas uma reativação do consumo que projeta uma falsa sensação de normalidade no comércio. As operações em divisas estrangeiras já representam pelo menos dois terços do total, segundo várias estimativas do setor financeiro. E Nicolás Maduro, asfixiado pela descontrolada hiperinflação do bolívar e pelas sanções internacionais, promoveu uma guinada na sua política econômica, optando por permitir a circulação não regulada de dólares em busca de um balão de oxigênio.

A mercearia El Portugués há décadas vende carne, conservas e queijos no Petare, o bairro popular mais extenso de Caracas. Houve temporadas em que, para comprar um quilo de carne bovina, seus clientes só podiam pagar com cartão ou entregar sacolas abarrotadas de bolívares. No balcão do seu açougue, José Florentino foi testemunha da destruição da economia venezuelana. O poder aquisitivo de milhões de pessoas tocou o chão no ano passado depois de um surto hiperinflacionário que fez o preço dos alimentos subir 80%, conforme reconheceu o Banco Central. E hoje o El Portugués vende um quilo de carne a quatro dólares.

Mais informações

Sem decretos e sem uma estratégia anunciada publicamente, o Governo está deixando correr solto, e Maduro até chegou a afirmar que não vê nada de mau nesta abertura. Na prática, trata-se de uma tentativa de salvar seu projeto político apoiando-se na economia de mercado para evitar o colapso e reduzir a pressão com o descontentamento social. A dolarização se soma a medidas de desregulação cambial e simplificação das importações. A mudança é sentida sobretudo no varejo, onde a oferta de produtos voltou a um nível mais próximo da normalidade. Embora o salário mínimo não supere os seis dólares, as remessas de milhões de venezuelanos que emigraram para fugir da gravíssima crise social aliviaram, ao menos provisoriamente, a situação do consumo.

“A dolarização é um fenômeno espontâneo da sociedade, quase de defesa”, explica Henkel García, diretor da consultoria financeira Econométrica. “Uma das ferramentas que o Governo adotou para controlar a hiperinflação foi destruir o crédito, e todo país sem crédito é um país desmonetizado. Era impossível viver como se vivia, e essa referência no caso venezuelano foi o dólar”, continua. Sua origem foi a hiperinflação, como ocorreu no Peru depois da devastadora crise dos anos 1980. Naquele país, essa tendência se reverteu após algum tempo, mas os especialistas duvidam de que a Venezuela siga o mesmo caminho. De fato, o dólar, que nos últimos anos sempre circulou nas principais cidades, começou a ganhar força como moeda de uso cotidiano em março de 2019, em meio ao colapso do sistema elétrico. “Com os apagões, a única via de pagamento era dólar em espécie [pela impossibilidade de usar cartões], e se acelerou então. Naquele momento houve negócios que se animaram a receber dólares.”

Em menos de 12 meses, a circulação da moeda norte-americana se multiplicou. Entre 9 e 14 de fevereiro, segundo dados da Econanalítica, destacada firma de análise econômica, 64,3% das operações comerciais foram em dólares (55,7%), pesos colombianos (6,3%) ou euros (1,3%). E, já no final de 2019, o diretor dessa consultoria, Asdrúbal Oliveros, estimava em 2,5 a 3 bilhões de dólares a circulação dessa moeda em dinheiro vivo. Esse comportamento do comércio, entretanto, não é suficiente para enfrentar a crise. O Governo continua sem um plano econômico estrutural e não tem acesso ao financiamento de organismos internacionais como o Banco Mundial e o FMI.

“Estamos vendo um processo de estabilização na miséria, esta não é uma recuperação econômica”, acrescenta García, que salienta a espontaneidade do fenômeno. “Há um elemento que é social, ou seja, as pessoas se cansaram de esperar. Eu tenho que seguir em frente, tocar minha vida, tenho que tentar alcançar o máximo que conseguir”. E isso passa pelos dólares. Resta ver quais serão os efeitos desse processo em médio prazo. Um relatório do banco de investimento Torino Capital destaca que para sustentar uma dolarização o Governo deveria primeiro recuperar o aparelho produtivo. Além disso, as dificuldades nas relações diplomáticas com Washington e Bruxelas inviabilizam acordos para que suas divisas se transformem na moeda oficial.

Encurralado pelos efeitos das sanções, entretanto, Maduro procura capitais para reativar os poços petroleiros. Ao mesmo tempo, o chavismo pactuou secretamente uma espécie de acordo de paz com os produtores e o capital nacional ainda presentes no país. Foi o caso, muito especialmente, com Lorenzo Mendoza, presidente do conglomerado Empresas Polar, líder do setor cervejeiro e a maior corporação privada do país, a quem de maneira reiterada o chavismo responsabilizou pela escassez reinante na Venezuela nos últimos anos.

Outros, como Alberto Vollmer (Santa Teresa) e Horacio Velutini (Fundo de Valores Imobiliários), estão à frente de um grupo empresários que se denominam “otimistas anônimos” e afirmam se preparar para uma inevitável abertura econômica na Venezuela, tendo como parâmetro o modelo chinês. Na década de 1990, Vollmer investiu, com bons resultados, na Bolsa de Valores de Caracas, a quinta maior da América Latina, hoje reduzida à insignificância.

Omar Zambrano, professor da Universidade Católica Andrés Bello e formado em desenvolvimento econômico pela Universidade Harvard, concorda: “No último ano, claro, houve uma guinada pragmática no manejo da economia venezuelana”. Uma mudança que se dá na prática, e não na letra da lei. “O aparelho regulatório chavista continua de pé, sem mudanças. As normas atuais não estão sendo executadas, mas continuam vigorando. Parte do problema tem a ver com o derretimento do bolívar, seu virtual desaparecimento como moeda de curso legal.”

“O que vimos até agora tem a ver sobretudo com o circuito econômico mais superficial, a esfera comercial da economia, a venda de bens de consumo final”, prossegue. “Há uma pequena reativação, sem vínculos com a produção. O tecido produtivo, industrial, manufatureiro, esse continua se contraindo. O alívio toca zonas da economia que não geram muitos empregos. A situação melhorou se a comparamos com o que se vivia na Venezuela há dois anos, mas é claro que isto não vai resolver nada; a economia não vai se recuperar pelo fato de agora vermos mercearias [abastecidas] e dólares nas ruas”.

O mais visto em ...

Top 50