China usa sua rede de embaixadas para estender o assédio à etnia uigur

Através do seu macrossistema de vigilância, Pequim tem controle direto sobre as pessoas da minoria muçulmana que residem ou desejam residir em outros países

O regime chinês persegue por supostas ligações com o terrorismo cidadãos uigures que pretendem obter nacionalidade estrangeira, cancelar a sua e solicitar documentos em suas embaixadas. Com dados armazenados em seu sistema de vigilância, de acordo com documentos aos que o EL PAÍS teve acesso junto com outros 16 veículos de comunicação e o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ), Pequim utiliza sua máquina de repressão dentro e fora das fronteiras da China.

Ablikim Yusuf teve medo. Corria o ano de 2017 e esse uigur natural de Xinjiang, no oeste da China, conseguiu voltar ao Paquistão e encontrar sua mulher e filho após uma odisseia que já o havia obrigado a passar um tempo preso na China. Um amigo quis lhe apresentar a alguém e o levou ao seu escritório, em Islamabad, capital do Paquistão. “Ele me apresentou a um paquistanês”, diz Ablikim, de 54 anos, em conversa com esse jornal. “Esse amigo do meu amigo me disse que ele havia se encarregado de entregar à polícia de fronteira chinesa nove uigures”. Parecia um alerta. Pouco depois soube que esse paquistanês havia feito a entrega por um valor em dinheiro pago pelas autoridades chinesas.

O regime de Xi Jinping, em sua campanha de repressão contra a minoria muçulmana uigur, não só acelerou a prisão forçada de moradores de Xinjiang — a ONU calcula que pelo menos um milhão de uigures estão presos em campos —, como também tentou vigiar todos os seus movimentos no estrangeiro. E para isso estendeu os tentáculos de seu macrossistema de vigilância a embaixadas e consulados, dos quais obtém informação e através dos quais persegue essa minoria.

Mais informações

O regime do presidente Xi Jinping, da etnia han, como a maioria da população do gigante asiático, não gosta que os uigures, por volta de 11 milhões de pessoas do oeste chinês, saiam do território, muito menos obtenham documentos válidos para morar no estrangeiro. Um relatório confidencial datado de 16 de junho de 2017 sob o título de Prevenção de retorno e aprovado por Zhu Hailun, número dois do Partido Comunista da China em Xinjiang e à época principal responsável pela segurança, exige às autoridades locais que controlem os que tenham obtido e queiram obter documentos no estrangeiro. Com dois possíveis desenlaces se “não forem descartadas suspeitas de terrorismo”: prisão e internação em centros de educação e treinamentos, duas diferentes fases do confinamento ideológico projetado por Pequim detalhadas pelas dezenas de folhas vazadas ao consórcio de veículos de comunicação.

O relatório confidencial não especifica quais são essas suspeitas de terrorismo, comuns para quase qualquer uigur na estratégia de “segurança” lançada pelo presidente chinês em 2017 contra surtos separatistas.

Ablikim Yusuf trabalhava desde 2013 no Paquistão em projetos ligados à nova rota da seda chinesa. Quatro anos depois, já em plena escalada da repressão contra os uigures, Ablikim chegou a Xangai em uma viagem de trabalho. “Quando viram meu passaporte”, diz, “me disseram que eu era de Xinjiang”. E isso o levou de Xangai a Urumqi, capital de Xinjiang, e de lá a permanecer preso durante quatro dias em instalações “totalmente monitoradas”. Depois, como soube, queriam levá-lo a um campo de internação, mas negociações com a empresa em que trabalhava no Paquistão permitiram que voltasse a Islamabad.

Ameaça e fuga

Depois veio o encontro com o amigo de seu amigo e o medo. Em 31 de julho pegou um voo à Bósnia-Herzegovina, um destino para o qual não precisava de visto. Mas em sua escala no Catar as coisas deram errado, o grande irmão chinês o localizou e pediu sua deportação. Somente uma campanha iniciada por ele mesmo na Rede a partir do aeroporto de Doha permitiu a intervenção dos Estados Unidos, que deteve a expulsão e manobrou para que hoje more em Washington. “Se eu fosse repatriado, talvez hoje estivesse vivo. Ou morto”, diz Ablikim.

A nota vazada ao ICIJ e assinada por Zhu Hailun faz parte de uma remessa de quatro relatórios qualificados como secretos, organizados em 11 folhas. Sua leitura permite reconstruir uma espécie de grande irmão tecnológico chinês para o armazenamento de dados na chamada Plataforma Integrada de Operação Conjunta (IJOP, na sigla em inglês).

“O exame [feito pela] Plataforma Integrada”, diz o relatório citado, número dois de acordo com seu cabeçalho, “descobriu que há atualmente 1.535 pessoas de Xinjiang que obtiveram nacionalidade estrangeira e solicitaram um visto chinês”. Desses, continua a nota confidencial, 637 puderam entrar no país em algum momento desde 1 de junho de 2016 e 75 ainda estariam na China. Zhu, à época chefe da Comissão de Assuntos Políticos e Legais, órgão de controle das forças de segurança, pede às autoridades da região no relatório — que se apoiam em comitês locais para estreitar e executar a vigilância — que analisem essas 1.535 pessoas de Xinjiang, mas especialmente os 75 em solo chinês. “Os que já cancelaram sua cidadania e sobre os quais não podem ser descartadas suspeitas de terrorismo, devem ser deportados”, diz o texto; “os que não cancelaram sua cidadania e não podem ter descartadas suspeitas de terrorismo, devem ser levados a [centros] centralizados de educação e treinamento e examinados”.

Escândalo na embaixada

O fato de o regime chinês não gostar que os uigures saiam sem controle de Xinjiang também dá boa amostra das pressões recebidas pela família do uigur Ablimit Tursun, asilado em Gent (Bélgica) desde o ano passado. No final de 2017, Ablimit, hoje com 51 anos, estava em viagem de trabalho na Turquia quando foi informado da internação de seu irmão em um campo. Nunca soube por quê. Pelo medo de ter o mesmo destino, Ablimit decidiu não retornar, viajar à Bélgica, pedir asilo e iniciar o processo de reunificação de sua família, sua mulher, Wureyetiguli Abula, e seus quatro filhos.

Para completar as tramitações com o visto, Wureyetiguli foi em 26 de maio com seus filhos de Urumqi, capital de Xinjiang, à Embaixada belga em Pequim. “Foram em segredo”, relata Ablimit em videoconferência, “porque se tivessem pedido permissão nunca a teriam recebido”. Eles se hospedaram em um hotel, ao que a polícia foi para interrogá-los duas vezes antes que fossem à embaixada, de acordo com o relato de Ablimit, que acompanhou os acontecimentos pelo celular de sua filha mais velha. Quando se encontraram com os funcionários do corpo diplomático belga foram informados de que os vistos demorariam dois meses para ficar prontos. Wureyetiguli se negou a sair e horas depois a missão diplomática belga chamou a polícia chinesa. Foram presos, identificados e levados de volta ao hotel. Em 31 de maio, agentes de Xinjiang os levaram de volta a Urumqi.

Após o escândalo, acompanhado pela imprensa, a Bélgica pediu informações a Pequim sobre a família e sua missão diplomática deixou prontos os vistos em 48 horas, que de nada valeriam se as autoridades chinesas não dessem passaportes à família de Ablimit. E isso não é tarefa fácil, ainda mais se você é fichado na plataforma.

Prisões na fronteira

Em outro trecho de um dos relatórios obtidos pelo ICIJ se diz precisamente que a plataforma de vigilância e acompanhamento (IJOP) registrou que 4.341 moradores de Xinjiang obtiveram documentos válidos em embaixadas e consulados da China. Desses, 1.707 ainda não teriam abandonado território chinês. Zhu Hailun pede em seu escrito que os comitês locais analisem todos. Os que estão fora e são suspeitos de terrorismo serão detidos na fronteira se decidirem entrar no país. Os que ainda moram na China, diz o relatório, “devem ser internados primeiro em [centros] centralizados de educação e treinamentos para seu exame”.

Ablimit Tursun fala com frequência com sua mulher e filhos. Esteve 18 dias sem comunicar-se com eles, o período em que as forças de segurança de Xinjiang mantiveram Wureyetiguli sem seu telefone. De suas conversas arquivadas no aplicativo WeChat, o mais utilizado pelos chineses, três meses desapareceram e ainda hoje algumas conversas somem misteriosamente.

“A polícia vai visitá-los frequentemente”, diz Ablimit; “não são todos os dias, parece que essa vigilância diminuiu e foi substituída por outra tecnológica”. Isso é, a obrigatoriedade de usar cartões de identificação para entrar em casa e sistemas de reconhecimento facial por câmeras. Os filhos contaram isso ao pai há poucos dias. Algo que bate com o conteúdo dos documentos confidenciais obtidos pelo ICIJ.

Dezenas de deportados a pedido do regime chinês

Muitos uigures optam por abandonar ilegalmente o país pela impossibilidade de obter um passaporte. Dezenas de uigures foram presos na Tailândia em março de 2014. Haviam entrado sem documentos. Pouco mais de um ano depois, o Governo tailandês anuiu com o pedido de Pequim e enviou uma centena de volta à China. Outros 11 que conseguiram escapar em novembro de 2017 e chegar à Malásia foram colocados em liberdade apesar das pressões de Pequim sobre sua deportação. Também em 2017, em julho, as forças de segurança do Egito, um aliado importante da China no norte da África, realizaram diversas batidas em que dezenas de uigures acabaram presos. De acordo com os depoimentos dos que foram por fim libertados, agentes chineses realizaram seu interrogatório no Cairo. Uma dúzia dos presos foi deportada a Pequim.