Colômbia se mobiliza em massa contra o Governo de Iván Duque

As manifestações, na maioria pacíficas, são a maior onda de protestos contra o presidente. Os poucos incidentes se concentraram em Bogotá e Cali, onde foi decretado toque de recolher

O Parque Nacional de Bogotá durante a manifestação desta quarta-feira.
O Parque Nacional de Bogotá durante a manifestação desta quarta-feira.Camilo Rozo / El País

Milhares de colombianos saíram às ruas em todo o país nesta quinta-feira para expressar sua insatisfação com o Governo de Iván Duque, que passa pelo seu pior momento à frente da presidência. A atmosfera de medo que antecedeu os protestos após batidas policiais contra grupos de artistas e meios de comunicação, além da presença de soldados nas ruas de Bogotá, contrasta com o ambiente festivo e, de maneira geral, tranquilo, que marcou as mobilizações. Os incidentes, na maioria isolados, se concentraram em Bogotá e em Cali (oeste do país), uma das cidades mais violentas do país, onde foi decretado toque de recolher a partir das 19h, após alguns saques, segundo afirmou o prefeito Maurice Armitage. O transporte de passageiros também teve que ser suspenso nesta cidade e uma ambulância transportando um paciente foi atacada. As autoridades informaram que em Cali pelo menos sete policiais e um estudante ficaram feridos, nenhum com gravidade. Em todo o país, o número de feridos chega a 37, dos quais 29 das forças de segurança.

Em Bogotá, o tempo chuvoso e frio não intimidou a população. Entre os manifestantes havia muitos estudantes, que têm saído constantemente às ruas no Governo Duque para reivindicar mais verbas para a educação pública. Desde antes das nove horas da manhã vários grupos se reuniram em locais diferentes para seguir em passeata até a Praça Bolívar, o coração da capital colombiana. O dia transcorreu em uma atmosfera festiva de canções e música, às vezes acompanhada pelo barulho de helicópteros da polícia que sobrevoaram a área até às quatro da tarde, quando a manifestação chegava ao fim. Um grupo tentou tomar a prefeitura e foi dispersado com gás lacrimogêneo que inundou a Praça Bolivar.

Mais informações

O Governo informou que o protesto reuniu 207.000 pessoas em todo o território nacional, mas o líder de um dos sindicatos que convocaram as manifestações descreveu esses números como "absolutamente ridículos". "Temos um relatório de mobilização em 1.100 municípios da Colômbia. Só nas principais cidades se reuniram dois milhões de pessoas. Foi espetacular", disse Diogenes Orjuela, da Central Unitária de Trabalhadores. Com relação ao número de detidos, o Executivo diz que foram 10 — dois menores. No entanto, a campanha Defender a Liberdade, uma rede de organizações que denuncia a criminalização dos protestos sociais na Colômbia, afirma que 34 pessoas foram presas em todo o país.

“Em primeiro lugar, eu protesto pelos direitos das mulheres”, diz Juliana, de 22 anos, uma estudante de design gráfico da Universidade Santo Tomás, que prefere não dizer seu sobrenome. Segura um cartaz que diz: "Com a repressão não se educa o povo, abaixo sua pedagogia de medo e controle". “Os impostos subiram, meus pais tiveram que ir para os Estados Unidos porque não há trabalho. Eu amo meu país, mas a cada dia que passa me dão uma notícia pior”, diz, em seu amálgama de reivindicações ao Governo de Iván Duque. A manifestação reuniu estudantes, trabalhadores — que rejeitam a flexibilização do mercado de trabalho e a reforma do sistema previdenciário — e indígenas, que exigem proteção após o assassinato de 129 camponeses desde que Duque tomou posse. Juliana acrescenta a essa lista que o Executivo “atenta contra direitos adquiridos” e falha na implementação do acordo de paz. Ela se queixa de que, por ser jovem, agora nem poderá aspirar a ganhar o salário mínimo. "Tenho medo, não tenho garantias e nem quero mais sair da universidade", comenta.

Choques no caminho do aeroporto

No noroeste da capital houve confrontos entre policiais e manifestantes que bloquearam a via nas imediações do Transmilenio, o sistema de transporte público em Bogotá. Os agentes lançaram gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes. No total, 30 estações foram fechadas em diferentes partes da cidade.

Na avenida que conduz ao terminal 2 do aeroporto de Bogotá, houve outro dos momentos mais tensos do dia. Um grupo de estudantes se desviou do trajeto da manifestação que tinha como destino a Praça Bolívar e seguiu em direção ao aeroporto. A polícia antidistúrbios impediu sua passagem com bombas de efeito moral, gás lacrimogêneo e jatos d’água.

"Sou estudante, não vândalo nem delinquente", dizia Cristian Gamboa, de 24 anos, enquanto segurava uma faixa em que se lia "a desigualdade social é mais violenta do que qualquer protesto". Ele explica que se separou do bloco estudantil porque temia que por aquele caminho houvesse distúrbios, “e a ideia é se manifestar em paz". "Não acho justo que um Governo se faça de surdo com projetos de lei arbitrários, que só beneficiam o partido do Governo", diz ele sobre as reformas trabalhistas e do sistema previdenciário, a que se opõem os sindicatos. O Governo garante que esses projetos ainda não estão definidos, mas Gamboa argumenta que apenas está tentando conter o descontentamento: “Só dizem isso da boca para fora”.

Em Medellín, onde se temia que houvesse confrontos por causa da presença de um grupo de extrema direita que anunciou a criação de um esquadrão de autodefesa, a tranquilidade também prevaleceu. O assassinato de pelo menos 129 indígenas é outro motivo de protestos no país. As comunidades do norte de Cauca, as mais afetadas pelos assassinatos, também se mobilizaram bloqueando a Rodovia Pan-Americana, que liga a Colômbia ao sul do continente. “Estamos concentrados, em torno de 6.000 pessoas, em total normalidade. Exigimos o cumprimento de acordos de paz e que se interrompa o massacre dos indígenas, entre outras reivindicações”, disse a EL PAÍS Hermes Pete, principal consultor do Conselho Regional Indígena de Cauca.

A mobilização é acompanhada de uma greve nacional, mas só começou a ficar evidente à tarde, quando muitas lojas decidiram fechar por medo de que houvesse confrontos depois de uma manhã que transcorreu amplamente em calma. Em todas as cidades se repetiam as imagens de manifestantes que se opunham a pessoas encapuzadas que queriam provocar distúrbios. Em alguns casos, como em Bogotá, eles foram retirados aos gritos de "sem violência".

A wiphala, um símbolo

Por todo o país se viam as bandeiras dos partidos da oposição e das centrais de trabalhadores, que inicialmente convocaram uma greve à qual aderiram diferentes setores sociais. E também a wiphala, dos povos indígenas, foi um dos símbolos populares entre os manifestantes da greve nacional. "Marchamos pela defesa da vida, pelos irmãos indígenas que foram assassinados este ano", diz Giovani Simbaqueda, professor da Universidade Externado da Colômbia, que segura uma wiphala, como também vários outros manifestantes. "(Esta bandeira) não pertence a nenhum partido político, eu tenho porque é um símbolo e aqui estão todos os povos indígenas", diz. Ele acrescenta que a queima da wiphala recentemente na Bolívia foi uma ofensa a todos os povos do continente.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50