brexit

Reino Unido realizará eleições gerais em dezembro sem ter resolvido crise do Brexit

Johnson consegue apoio da maioria dos deputados à antecipação eleitoral

Boris Johnson ouve a intervenção de Jeremy Corbyn, nesta terça-feira no Parlamento Britânico.
Boris Johnson ouve a intervenção de Jeremy Corbyn, nesta terça-feira no Parlamento Britânico.House of Commons (AP)

MAIS INFORMAÇÕES

Nenhum dos partidos do Reino Unido está convencido de sua sorte quando tiver de enfrentar as urnas, mas a convicção geral de que não há outra maneira de escapar da paralisia do Brexit pesou mais do que qualquer dúvida. A maioria dos deputados da Câmara dos Comuns, 438 contra 20, deu luz verde nesta terça-feira à antecipação das eleições proposta por Boris Johnson. Os cidadãos britânicos votarão novamente em 12 de dezembro, duas semanas antes das férias de Natal. Uma data em teoria tão pouco propícia para fazer os eleitores saírem à rua não era escolhida desde 1923.

“Existe apenas uma maneira de concluir o Brexit, diante deste Parlamento incansavelmente obstrucionista”, disse o primeiro-ministro Boris Johnson ao começar o debate na Câmara. “Diante deste esforço interminável e obstinado de se recusar a obedecer ao mandato popular [o resultado do referendo de saída de 2016], só podemos renovar este Parlamento e devolver a voz aos cidadãos”.

Existe uma certeza entre todos os políticos e analistas. As eleições serão certamente um segundo referendo de fato sobre a saída do Reino Unido da UE. O Governo finalmente decidiu paralisar o processo legislativo do acordo do Brexit que havia feito com a UE. Johnson acreditava que tinha a vitória ao alcance da mão. Procurou acelerar o processo e fazer com que o Parlamento debatesse, votasse e aprovasse seu acordo dentro do vertiginoso período de três dias. Era a única maneira de cumprir sua promessa de acabar tudo antes de 31 de outubro. Sua estratégia desmoronou da noite para o dia. Os deputados se recusaram a seguir com tanta pressa e a UE decidiu conceder um novo adiamento do Brexit. Abriu um prazo extra de três meses, até 31 de janeiro de 2020.

O primeiro-ministro então mudou de objetivo em seu próprio benefício e avaliou que era mais rentável forçar a antecipação das eleições. As pesquisas lhe são favoráveis (a última do YouGov coloca os conservadores 15 pontos à frente dos trabalhistas) e uma hipotética maioria que agora não tem lhe permitiria levar adiante seu Brexit sem problemas.

O resto dos partidos seguiu o jogo de acordo com seus próprios cálculos. O líder da oposição, Jeremy Corbyn, estava encurralado por suas próprias promessas, cada vez mais frágil em seu próprio partido, e ciente de que esta seria sua última oportunidade como candidato. Havia um ano que pedia com insistência que as eleições fossem convocadas. Mais tarde condicionou as eleições à obtenção de um adiamento do Brexit. Bruxelas concedeu. Então exigiu que a ameaça de um Brexit sem acordo fosse eliminada. E também esse temor foi eliminado. “Vamos sair às ruas e será a maior campanha jamais lançada por este partido. Estamos totalmente unidos e determinados. Irei a todos os cantos do país acompanhados por minha maravilhosa equipe e por todos os fantásticos ativistas do trabalhismo. Vamos enviar uma mensagem de esperança que o atual Governo é incapaz de transmitir”, disse Corbyn cercado por companheiros de partido. Muitos trabalhistas, no entanto, temem que as eleições sejam um desastre para a formação diante da ampla rejeição que Corbyn provoca no eleitorado.

A deputada trabalhista Jess Phillips, em uma Câmara já meio vazia nas últimas horas do debate, porque todos os deputados já sabiam que a sorte estava lançada, resumiu melhor do que ninguém o medo de muitos de seus colegas: a possibilidade de que as eleições não resolvam nada e o Reino Unido acorde no dia seguinte à jornada eleitoral com um Parlamento sem maioria clara e no mesmo estado de paralisia. “Este será simplesmente outro referendo sobre o Brexit, com a diferença de que não seremos honestos. Estamos caminhando para as eleições por pura estratégia partidária”, afirmou.

A sorte de Johnson

Os Liberais Democratas, com seus 19 deputados, se converteram no partido com a mensagem mais claramente favorável à UE. Precisavam aproveitar sua crescente onda de popularidade antes que o Governo tramitasse e aprovasse seu acordo com a UE e o Brexit já fosse uma realidade. Esperam atrair o voto daqueles eleitores conservadores moderados e trabalhistas pró-europeus desencantados com suas próprias formações.

Os nacionalistas escoceses do SNP (35 deputados) vivem bons momentos de popularidade. Pretendem promover um novo referendo de independência no próximo ano. E querem eleições gerais antes de janeiro, quando começará o julgamento de seu histórico líder, Alex Salmond, acusado de cometer vários crimes de abuso sexual e possível tentativa de estupro.

Boris Johnson desfruta agora de um momento de sorte que lhe permite fazer avançar sua estratégia contra todos os obstáculos. Chegou a um acordo do Brexit com a UE quando nenhum de seus detratores acreditava que pudesse alcançá-lo. E usou em seu próprio benefício o cansaço e o desespero dos partidos da oposição para conseguir a antecipação das eleições que perseguia. É verdade que deverá se apresentar às urnas sem ter conseguido cumprir sua promessa de tirar o Reino Unido da UE antes de 31 de outubro. Mas aos olhos de muitos eleitores (e esse é o trunfo que com certeza jogará) fez todo o possível para cumpri-la. Seu desejo de cumprir o mandato popular do referendo de 2016, explicará aos eleitores, foi detido por um Parlamento determinado a bloquear tudo.

Inclusive a última tentativa de alguns partidos, como o SNP, de condicionar a realização de eleições a que se permita reduzir a idade para votar aos 16 anos ou que possam participar cidadãos da UE residentes no Reino Unido (3,4 milhões de pessoas) fracassou de imediato. O Governo ameaçara paralisar tudo novamente se alguma dessas propostas fosse adiante, mas não precisou ir tão longe. O vice-presidente da Câmara dos Comuns, Lindsay Hoyle, rejeitou que essas emendas fossem sequer votadas.