Boris Johnson pedirá ao Parlamento britânico que convoque eleições gerais em 12 de dezembro

Primeiro-ministro se compromete, em troca, a aceitar uma prorrogação do Brexit. Corbyn anunciou que não apoiará a convocação até que a opção de uma saída sem acordo esteja descartada

Boris Johnson na saída da residência oficial de Downing Street, nesta quinta-feira.
Boris Johnson na saída da residência oficial de Downing Street, nesta quinta-feira.Chris J Ratcliffe (Getty Images)
Mais informações
Brexit, Polônia e Hungria: a luta das cidades contra o nacional-populismo
Rebelião conservadores contra Johnson acelera possível antecipação eleitoral

Boris Johnson quer dobrar a aposta na próxima segunda-feira. O primeiro-ministro anunciou que está disposto a ceder e dar mais tempo ao Parlamento para a tramitação do acordo do Brexit alcançado com a União Europeia, embora isso signifique adiar a data atualmente prevista, 31 de outubro. Em troca, quer que a oposição o respalde na próxima segunda-feira e aprove uma antecipação das eleições gerais para o próximo 12 de dezembro. "Os deputados disporão desse modo de todo o tempo que desejarem para analisar a lei antes que o Parlamento seja dissolvido", afirmou Johnson à Sky News. O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, anunciou que não aceitará a convocação eleitoral enquanto a de um Brexit sem acordo não for descartada.

O primeiro-ministro não pode antecipar a eleição por conta própria. A Lei do Mandato Parlamentar Fixo, aprovada em 2011, estabelece duas únicas maneiras para isso: ou a decisão conta com o voto de dois terços da Câmara, ou seja, de 432 deputados, ou resulta de uma moção que não dê lugar a um Governo alternativo (o processo que levou Johnson ao cargo). Em duas ocasiões anteriores, o Parlamento rejeitou um pedido de convocação eleitoral do premiê conservador.

As circunstâncias, entretanto, mudaram drasticamente. Londres e Bruxelas alcançaram um acordo sobre o Brexit, que foi aprovado por Westminster em primeira leitura. O problema para o Governo é que uma maioria de deputados o obrigou a tramitar o projeto de lei com certas condições, e não no prazo de três dias com que Johnson esperava tramitá-lo. A consequência imediata é que Johnson deveria aceitar a prorrogação da data de saída da UE, para a qual relutava até agora.

Corbyn há um ano vinha pedindo eleições, mas uma grande parcela da sua formação não considera que o momento atual seja apropriado. Como condição para aceitar a antecipação eleitoral, o líder trabalhista exigiu garantias de adiamento do Brexit, evitando um desligamento desordenado na próxima quinta-feira. Muitos em suas fileiras acreditam que a propriedade deveria ser um novo referendo, e temem que a escassa popularidade do seu líder e o bom momento de Johnson, com um acordo do Brexit debaixo do braço, os deixe em pedaços.

Se todos os deputados conservadores aprovarem a proposta de adiantamento eleitoral na segunda-feira, e se somarem a eles os 35 deputados do Partido Nacional Escocês e os 19 liberal-democratas (duas formações que também pedem eleições gerais), bastariam 90 trabalhistas para que os britânicos fossem às urnas poucos dias antes do início do período natalino.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS