Nobel de Física 2019

Nobel de Física 2019 para descobridores de exoplanetas e estudo da evolução do cosmos

Michel Mayor e Didier Queloz são os primeiros a receber o prêmio da academia sueca pelo achado de exoplanetas; James Peebles foi agraciado pelo estudo da evolução do cosmos

James Peebles, Michel Mayor e Didier Queloz, prêmios Nobel de Física, em um desenho distribuído pela Fundação Nobel.
James Peebles, Michel Mayor e Didier Queloz, prêmios Nobel de Física, em um desenho distribuído pela Fundação Nobel.NOBEL FOUNDATION

Mais informações

A Real Academia de Ciências da Suécia concedeu o Prêmio Nobel de Física 2019 a Michel Mayor, Didier Queloz e James Peebles. Os dois primeiros foram responsáveis pela descoberta dos primeiros planetas fora do sistema solar. O terceiro é um dos pais das teorias cosmológicas que explicam como o universo surgiu e como vem evoluindo. No anúncio em Estocolmo, a academia sueca justificou a premiação pelas contribuições dos vencedores ao conhecimento humano sobre a evolução do cosmos e o lugar que a Terra ocupa nele.

Até menos de 30 anos atrás, a existência de planetas fora do sistema solar era apenas uma abordagem teórica, algo muito provável, mas que ninguém havia sido capaz de comprovar com observações diretas. Em 1992, Aleksander Wolszczan e Dale Frail anunciaram a primeira descoberta da história de planetas extrassolares. Orbitavam uma estrela de nêutrons, algo que de alguma forma desvalorizou a descoberta. Três anos depois, os suíços Michel Mayor e Didier Queloz descobriram o primeiro planeta extrassolar em torno de uma estrela "normal" e, por isso, foram eles que receberam o reconhecimento da academia sueca. Hoje, já foram descobertos mais de 4.000 planetas fora do sistema solar, algumas de suas atmosferas começaram a ser estudadas e em breve será pesquisado nelas sinais de atividade biológica.

Se Mayor e Queloz nos lembraram que nosso planeta é apenas mais um entre bilhões que vagam pelo universo, o canadense James Peebles desenvolveu teorias décadas atrás para explicar como tudo começou. Em 1964, Robert Wilson e Arno Penzias, dois engenheiros da empresa Bell Labs, descobriram ao construir uma antena de telecomunicações um ruído de fundo que não conseguiam eliminar e cuja procedência desconheciam.

Aquele sinal incômodo foi finalmente identificado como o fundo cósmico de microondas, uma radiação fóssil que era como uma espécie de eco do Big Bang. A descoberta, que também mereceu o Prêmio Nobel de Física, dava razão aos cientistas que tinham defendido a ideia de que o universo começou em um pequeno ponto extremamente quente e denso a partir do qual se expandiu. Mais de meio século depois, Peebles, um dos cientistas que havia previsto a existência daquela radiação de fundo, também recebeu o Nobel.

Michel Mayor no momento em que recebeu a notícia.

Na segunda-feira, os norte-americanos William Kaelin e Gregg Semenza e o britânico Peter Ratcliffe ganharam o Nobel de Fisiologia ou Medicina pela descoberta de "como as células sentem o oxigênio disponível e se adaptam a ele".

O Nobel de Física é de nove milhões de coroas suecas, cerca de 4,3 milhões de reais. Este prêmio é o segundo anunciado esta semana, depois do de Medicina. Nesta quarta-feira será divulgado o de Química, na sexta-feira, o Prêmio Nobel da Paz e, finalmente, o de Economia, que será informado na segunda-feira da próxima semana.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete