Partidos árabes de Israel impulsionam o centrista Gantz como premiê contra Netanyahu

Pela primeira vez desde 1992, quando apoiaram Isaac Rabin, os deputados de origem palestina propõem um candidato judeu

Gantz, em uma reunião depois das eleições de 19 de setembro.
Gantz, em uma reunião depois das eleições de 19 de setembro.Amir Levy

“Queremos pôr fim à era de (Benjamin) Netanyahu”, anunciou neste domingo o líder da Lista Conjunta de partidos árabes, Ayman Odeh, ao presidente de Israel, Reuven Rivlin, apenas cinco dias depois das eleições legislativas. “Propomos que se encarregue Benny Gantz da formação do Governo”, acrescentou, “pois Netanyahu declarou como cidadãos de segunda classe os árabes de Israel, que somam uma quinta parte da população”.

O partido de Gantz, a aliança centrista Azul e Branco, obteve 33 assentos parlamentares de um total de 120 no pleito da última terça-feira, superando o conservador Likud, de Netanyahu, que somou 31 deputados. O bloco de centro-esquerda (57 deputados) também supera o da direita (com 55). Os demais assentos do Knesset (Parlamento) estão controlados pelo conservador laico Avigdor Lieberman, ex-ministro de Defesa que rompeu politicamente com o atual chefe de Governo, e seu partido, o Israel Nosso Lar.

MAIS INFORMAÇÕES

Pela primeira vez desde 1992, quando os deputados de origem palestina no Knesset se aliaram ao trabalhista Isaac Rabin para que impulsionasse os Acordos de Oslo, um candidato judeu recebe o respaldo da minoria árabe, que representa 20% da população do Estado hebraico. Como Rabin, assassinado por um extremista judeu em 1995, desta vez o apoio dos políticos árabes também recai sobre um ex-general-chefe das Forças Armadas com passado de combate militar aos palestinos. Em meados de 2014, Gantz comandou uma guerra na Faixa de Gaza que terminou com 2.200 palestinos mortos (dois terços deles civis) contra 73 israelenses (em sua maioria militares), o que acabou devastando o enclave costeiro.

O chefe de Estado israelense fez consultas aos partidos neste domingo antes de tomar a decisão – possivelmente nesta segunda, quando terminar a rodada de conversas com todas as formações políticas – de encarregar um dos líderes parlamentares de formar o novo Governo.

O líder de Likud e Gantz postularam a si mesmos para liderar o próximo Gabinete à frente de uma grande coalizão de forças. O ex-general centrista, entretanto, descarta qualquer pacto que inclua Netanyahu – embora aceite negociar com seu partido –, já que no começo de outubro o primeiro-ministro, que conduziu Israel durante uma década, pode ser imputado por corrupção em três casos examinados pelo procurador-geral.

Lieberman, o dirigente mais votado entre o milhão de judeus israelenses de língua russa, evitou se pronunciar sobre quem deveria ser chamado pelo presidente Rivlin para tentar superar o bloqueio político. “Netanyahu quer formar Governo com os partidos ultraortodoxos, que são nossos rivais políticos”, advertiu em uma reunião interna do Israel Nosso Lar, “e Gantz pretende pactuar com a Lista Conjunta, que são nossos inimigos”. Lieberman – colono que habita um assentamento judaico próximo a Belém, na Cisjordânia ocupada por Israel desde 1967 – mantém há décadas uma atitude profundamente antiárabe.

Difícil coalizão de forças

Apesar de contar em principio com mais apoios parlamentares que Netanyahu, Gantz terá dificuldades para compor uma coalizão viável na fragmentada Câmara. O impulso procedente dos partidos árabes (13 assentos) e o previsível apoio que receberá nesta segunda do trabalhismo (seis) e da nova esquerda pacifista (cinco) não bastam para assegurar a maioria de 61 deputados necessária para a posse.

Netanyahu advertiu no domingo à noite que Gantz só pode aspirar a formar “um Governo minoritário junto com aqueles que rejeitam a existência de Israel como Estado judaico e democrático”, disse em alusão à minoria árabe, ou a negociar como alternativa um “Governo de unidade nacional de base ampla”.

O Azul e Branco talvez precise entrar em consenso em relação a um Gabinete de unidade com o Likud. Essa é a fórmula que o presidente de Israel parece preferir em vista dos resultados das eleições gerais, que foram convocadas apenas cinco meses depois das legislativas anteriores. As eleições de abril acabaram de forma inconclusiva, sem que Netanyahu pudesse formar Governo diante da constatação do bloqueio político.

“Os dois principais partidos têm uma representação semelhante e deveriam unir forças para conseguir um Executivo estável”, argumentou ontem Rivlin diante de um grupo de dirigentes do Likud, formação na qual militou no passado dentro de uma corrente contrária a Netanyahu. “É o que as pessoas querem”, advertiu, “e não podemos ignorar isso”.

Os quatro partidos árabes que compõem a Lista Conjunta tiveram sérias dificuldades internas para recomendar que o ex-general Gantz receba a tarefa de formar Governo. Os islamistas do Balad acataram a votação que tomou a decisão, mas não quiseram comparecer à reunião com o presidente do Estado de Israel.

“Este será o passo mais importante para [forçar] o fim da carreira política de Netanyahu”, disse Odeh, líder da ala progressista da comunidade árabe, em um artigo publicado no The New York Times. O dirigente do setor mais nacionalista da coalizão de partidos, Ahmed Tibi, enfatizou que “a incitação ao ódio praticada por Netanyahu durante a campanha mobilizou a população árabe nas urnas”. O aumento da participação consolidou a Lista Conjunta como terceira força da Knesset. “Hoje escrevemos a história”, proclamou Tibi, “faremos todo o possível para que caia [o primeiro-ministro]”.

A importância da decisão de apoiar Gantz reside precisamente no fato de poder abrir a porta para à “era pós-Netanyahu na política e na sociedade de Israel”, concluiu Anshel Pfeffer, analista do jornal Haaretz.

Arquivado Em: