Bolsonaro rebate onda impopular com Moro, Edir Macedo e Silvio Santos em desfile

Presidente aproveita ato de 7 de setembro para espantar momento crítico de aprovação abaixo dos 30% e de atritos com ministro da Justiça. Ato isolou opositores e seguiu protocolo, embora presidente tenha caminhado entre o público

Sergio Moro, Jair Bolsonaro e General Heleno no desfile de 7 de setembro.
Sergio Moro, Jair Bolsonaro e General Heleno no desfile de 7 de setembro.Alan Santos (Presidência da República)

MAIS INFORMAÇÕES

Em um claro gesto populista, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) quebrou o protocolo, interrompeu o desfile do dia da independência, em Brasília, e caminhou pelo público para ser ovacionado. Ainda regeu a banda dos dragões da independência, um grupamento militar que trabalha para a Presidência da República. Ao seu lado estavam os ministros Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Sérgio Moro (Justiça). Este último vive um momento de atritos internos e corre o risco de ver seu diretor-geral da Polícia Federal ser demitido pelo presidente.

O gesto de Bolsonaro é o de jogar para a plateia, aproveitando  o ambiente controlado em que o desfile ocorria, sem opositores para vaiá-lo, e colado a Moro, cuja popularidade, de 54%, é 25 pontos percentuais maior que a dele, que tem 29%. Ao contrário do que ocorreu em outras situações semelhantes a essa, como em um jogo do Flamengo no estádio Mané Garrincha, Moro não pareceu tão constrangido. Esteve o tempo inteiro sorrindo a acenando para o a população. O ministro também foi aplaudido fortemente pelos espectadores.

O clima de congraçamento no desfile destoa do azedume da semana que passou, quando o presidente sofreu seguidas críticas. Razões não faltaram. Chamou a primeira-dama da França, Brigitte Macron, de feia; flertou com mudanças no teto de gastos do orçamento da União; retirou das entidades estudantis a possibilidade de emitir carteiras aos alunos, o que representa a maior parte de suas rendas; contrariou os pedidos de seus apoiadores e indicou Augusto Aras para chefiar o Ministério Público Federal. Por ter passado de amizade com políticos petistas e, principalmente, já ter criticado a operação Lava Jato, Aras é apontado por bolsonaristas como um esquerdista. Ele não estava na lista tríplice dos procuradores mais votados na eleição da Associação Nacional dos Procuradores da República.

Apesar de dizer não acreditar em institutos de pesquisa como Datafolha e Ibope, que constataram a erosão de sua popularidade (eleito com 55% dos votos hoje tem 29% de aprovação pessoal), sempre que surge uma pesquisa negativa a ele, o presidente faz gestos para tentar passar a impressão de que tem mais apoio do que o identificado pelos pesquisadores. Desta vez, não foi diferente.

Além de caminhar pelo público, tendo como uma espécie de animador de plateia o empresário Luciano Hang, Bolsonaro chamou para acompanhá-lo na tribuna presidencial donos de duas das maiores emissoras de TV brasileira, Edir Macedo, da Record, e Silvio Santos, do SBT. Edir também dirige uma das principais igrejas evangélicas do país, a Universal, e Silvio é um dos mais populares apresentadores brasileiros. Frequentemente o presidente concede entrevistas a esses dois veículos ou participa de programas de auditório neles. Quando chegou ao evento no Rolls-Royce conversível presidencial, Bolsonaro estava acompanhado por um de seus filhos, o vereador Carlos Bolsonaro, assim como na data de sua posse. Antes de subir na tribuna, contudo, pegou um menino da plateia e colocou em seu carro.

As arquibancadas em Brasília, que comportam cerca de 20.000 pessoas, estavam cheias, mas nem os organizadores do evento nem o Governo do Distrito Federal confirmaram o público. Boa parte dos espectadores vestia roupas verde e amarela, conforme pediu o presidente em um discurso recente fazendo alusão ao lema do evento neste ano: “Vamos valorizar o que é nosso”. Geralmente, em desfiles cívico-militar é comum ver pessoas vestindo roupas com as cores da bandeira nacional, todavia. O encontro, ao fim e ao cabo, acabou seguindo mais ou menos o protocolo de todos os desfiles de 7 de setembro de governos anteriores. Esta noite, Bolsonaro viaja para São Paulo onde deve se internar para a retirada de uma hérnia no hospital Nova Star. É a quarta cirurgia depois da facada que o atingiu no ano passado.

Arquivado Em: