Escolha da lista tríplice deflagra sucessão para novo procurador da República

Procuradores elegeram nesta terça seus três indicados para a lista que será submetida ao presidente. Bolsonaro, entretanto, já indicou que pode não segui-la, o que abriu a disputa a candidatos paralelos

Mais informações

Nos próximos dias, o presidente Jair Bolsonaro irá se deparar com um dos principais desafios institucionais de sua gestão: indicar o novo procurador-geral da República que substituirá Raquel Dodge, cujo mandato acaba em meados de setembro. O cargo desempenhou um papel fundamental durante a Operação Lava Jato, que desvendou uma série de crimes envolvendo autoridades políticas, e que volta novamente aos holofotes com a suspeita de colaboração entre atual ministro da Justiça, Sergio Moro, e o procurador Deltan Dallagnol, reveladas em mensagens divulgadas pelo site The Intercept Brasil e contestadas pelos acusados.

Nesta terça-feira, a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) promoveu uma eleição para sugerir três nomes a serem indicados para o cargo pelo presidente. A lista tríplice é um instrumento que tem sido respeitado há 16 anos. Bolsonaro, contudo, não se comprometeu a segui-la. Por essa razão, havia ao menos 13 potenciais indicados. Dez deles concorreram oficialmente na eleição da ANPR. Com a participação de 82% da categoria, os três mais votados nesta terça foram o subprocurador-geral Mário Bonsaglia, que já havia aparecido nas listas de 2015 e 2017, a subprocuradora-geral Luiza Frischeisen, a única mulher que disputa o pleito, e o procurador regional Blal Dalloul, considerado um aliado do ex-procurador-geral Rodrigo Janot. Agora, a lista será enviada ao Planalto. Outros três, entre eles a atual procuradora-geral, Raquel Dodge, correm por fora. Os sete derrotados na eleição já haviam se comprometido a respeitar o resultado das urnas. Assim, ainda há seis no páreo.

Caso não obedeça a lista, o presidente poderá recorrer a um expediente que só foi adotado no fim do Governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), indicar alguém que não tenha se candidatado. Pela lei, o mandatário não é obrigado a seguir a sugestão dos procuradores. A Constituição prevê que o presidente nomeie o chefe do Ministério Público da União dentre um dos integrantes da carreira, com mais de 35 anos de idade, após a aprovação de seu nome pela maioria absoluta dos membros do Senado Federal. O mandato é de dois anos. Sendo permitida a recondução. O procurador-geral é responsável por administrar um Orçamento de 4 bilhões de reais e 21.000 funcionários. Os principais crimes federais são investigados pelo órgão que ele chefia.

O imbróglio atual envolve a procuradora-geral da República. Há quase dois anos no cargo, Dodge assumiu a função após ser a segunda mais votada. Foi escolhida pelo então presidente Michel Temer (MDB) e assumiu o cargo em setembro de 2017. Dessa vez, ao invés de fazer como outros dez colegas e se inscrever na disputa, decidiu dizer que seu nome estava à disposição para ser reconduzida. O gesto soou mal internamente e aumentou seu desprestígio entre os colegas, que a enxergam como centralizadora e avaliam que ela apresentou pouco trabalho no combate à corrupção.

Bonsaglia, Frischeisen e Dalloul.
Bonsaglia, Frischeisen e Dalloul.ANPR

As principais forças-tarefas do Ministério Público, entre elas a Lava Jato e a Greenfield, emitiram uma nota defendendo a lista tríplice. E ex-procuradores-gerais também fizeram pronunciamentos favoráveis à disputa. Uma antiga aliada de Dodge, a procuradora da Lava Jato em São Paulo Adriana Scordamaglia, publicou um artigo na revista Época dizendo que a atitude da procuradora era antidemocrática e antiética.

Dodge quer usar de sua influência política para convencer o presidente a nomeá-la novamente. Seus principais aliados neste plano são o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), um bolsonarista de carteirinha, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O que chama atenção no caso do deputado é que, desde 2017 pousa sobre a mesa da procuradora a conclusão de um inquérito feito pela Polícia Federal de corrupção passiva e lavagem de dinheiro contra ele. Dodge não deu andamento ao processo. Não o denunciou nem tampouco pediu o arquivamento do fato. “Para quem tem o lema de combate à corrupção, o presidente só indicará a Dodge caso ele ache que depende muito do Rodrigo Maia”, afirmou um procurador à reportagem.

Também tentam se apresentar fora da lista o procurador do Ministério Público Militar, Jaime de Cássio Miranda e o procurador Augusto Aras. Miranda enviou um ofício ao presidente sugerindo que um procurador militar assumisse a chefia do MPF, enquanto Augusto enviou o seu currículo ao Planalto e fez chegar ao mandatário que defende uma “democracia militar”.

Entre os dez concorrentes nenhum queria se vincular à atual chefe do MPF. Três deles, que não foram os mais votados, tinham mais chances de serem escolhidos por Bolsonaro: Vladimir Aras, Lauro Cardoso e José Bonifácio de Andrada. Aras foi um dos principais aliados do ex-procurador Rodrigo Janot e foi o articulador dos acordos internacionais que trataram da repatriação de recursos desviados da Petrobras. Levou o carimbo de candidato da Lava Jato. Também tinha o apoio do ministro da Justiça, Sergio Moro.

Cardoso e Andrada teriam mais chances por afinidade ideológica. Antes de ser procurador, Cardoso passou pela Academia Militar dos Agulhas Negas (AMAN), como o presidente, foi membro das forças especiais do Exército e delegado da Polícia Civil. Já Andrada é de uma tradicional família política mineira, de centro direita. Tem laços com a Igreja. Foi advogado-geral da União no fim do Governo Fernando Henrique Cardoso e advogado-geral do Estado de Minas, na gestão Aécio Neves. Os dois também já trabalharam com Janot.

Apesar do resultado, o nome do futuro procurador pode ser conhecido somente daqui a algumas semanas. Até lá, muita negociação ainda deve ocorrer.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: