Bolsonaro: “Incêndios existem em todo o mundo. Não podem ser pretexto para sanções internacionais”

Após semana de pressão internacional diante das queimadas na Amazônia, presidente faz pronunciamento e diz que "o Brasil é exemplo de sustentabilidade"

O presidente Jair Bolsonaro durante pronunciamento nesta sexta-feira.
O presidente Jair Bolsonaro durante pronunciamento nesta sexta-feira. Carolina Antunes/PR
Mais informações

Após uma semana de forte pressão, que tomou as ruas e as redes sociais dentro e fora do país, o presidente Jair Bolsonaro foi à rede nacional de televisão se pronunciar sobre os incêndios na Amazônia e defender suas políticas ambientais. Em poucos minutos do horário nobre, o presidente defendeu as ações brasileiras de proteção da floresta e afirmou que "incêndios florestais existem em todo o mundo" e que "isso não pode ser pretexto para sanções internacionais". A fala do presidente rebate diretamente o mandatário francês Emmanuel Macron, que ameaçou, na quinta-feira, bloquear o acordo da União Europeia com o Mercosul por causa das "mentiras" de Bolsonaro. Essa foi a gota d'água depois de Macron já ter anunciado sua intenção de incluir esta "crise internacional" na cúpula do G7, que ele organiza neste fim de semana. Segundo o presidente, o Brasil "é exemplo de sustentabilidade" e "possui uma lei ambiental moderna".

No pronunciamento, Bolsonaro também afirmou que "a proteção da floresta é nosso dever". "Estamos cientes disso para combater o desmatamento ilegal e quaisquer atividades criminosas que coloquem a nossa mata em risco". O presidente, que durante a campanha eleitoral chegou a afirmar que "a Amazônia não é nossa", agora se viu obrigado a chamar para si a responsabilidade diante da perplexidade ao redor do mundo. Anunciou o que chamou de "GLO ambiental": a assinatura de um decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) para enviar ajuda militar aos Estados que compreendem a Amazônia Legal —Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e o Maranhão. O decreto, assinado na manhã desta sexta-feira, prevê o uso das Forças Armadas até24 de setembro, caso "haja requerimento dos governadores" dos nove Estados da região. Até o fechamento desta reportagem, Roraima e Rondônia haviam requerido ajuda.

Durante a fala do presidente em rede nacional, alguns bairros em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Recife registraram panelaços. Enquanto isso, centenas de pessoas foram às ruas em algumas cidades no Brasil e no exterior pela proteção à Amazônia

Defesa nas embaixadas

Diante da repercussão internacional das queimadas, que já devastaram mais de 20.000 hectares de vegetação na Amazônia e Pantanal, o Planalto também enviou um documento a 200 embaixadas brasileiras ao redor do mundo com orientações para que defendam as políticas do Governo para a Amazônia. No documento, há destaque para o Fundo Amazônia, financiamento majoritariamente realizado pela Noruega e Alemanha —e a que ambos países cancelaram as ajudas—. O fundo tornou-se alvo de críticas do presidente, que o considera um "mecanismo que se mostrou ineficaz para controlar o desmatamento". Além disso, a comunicação do Planalto fez circular para a imprensa um documento intitulado "9 fatos sobre incêndios na Amazônia". Ao longo de uma página, o Governo afirma que incêndios florestais ocorrem no Brasil "todo ano" e que está atuando para conter os focos de queimadas. Além disso, afirma que o Brasil é referência mundial no combate terrestre aos incêndios florestais e que mais de 2.000 brigadistas estão atuando e à disposição dos Governos estaduais, "contingente acima da média dos anos anteriores". No final, afirma que os incêndios que ocorrem agora "não estão fora de controle". 

A narrativa desta noite é diferente da adotada pelo presidente até então. Na quarta-feira, o presidente afirmou, sem apresentar provas, que Organizações Não Governamentais poderiam estar por trás dos incêndios. “Pode haver –não estou afirmando– uma ação criminosa dessas ONGs para chamar a atenção precisamente contra mim, contra o Governo do Brasil. Esta é a guerra que enfrentamos. Faremos todo o possível e impossível conter o fogo criminoso”, disse à imprensa.

O presidente defendeu, durante o pronunciamento, que "em anos mais quentes como este de 2019, as queimadas ocorrem com mais frequência". E usando do argumento no qual tem batido desde o início —de que há informações "falsas" vindas de instituições renomadas como o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)— atacou informações que classificou como "infundadas" a respeito das queimadas dos últimos dias: "É preciso, por outro lado, ter celeridade. Espalhar dados e mensagens infundadas dentro e fora do Brasil não contribuem".

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: