Seleccione Edição
Login

Bolsonaro diz que sua candidatura é “imbroxável” e que “a Amazônia não é nossa”

Em Natal, pré-candidato do PSL suaviza discurso, se declara nordestino e oustider.

Defende a exploração da floresta amazônica e afirma que não fugirá de debates com outros candidatos

Do alto da arquibancada do Palácio dos Esportes Djalma Maranhão, em Natal, um grupo de estudantes ainda uniformizados esperava para ver o pré-candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) chegar. Sob um esquema de segurança que incluía detectores de metais na entrada, o ginásio fora todo decorado com balões verdes e amarelos e bandeiras do Brasil para receber o deputado em mais um giro pelo Nordeste.

Eleições 2018
Jair Bolsonaro, no dia 04 de abril. REUTERS

Os olhares atentos dos adolescentes eram muito mais por curiosidade do que por veneração. Naquele pequeno grupo de seis jovens, nenhum era eleitor do militar. Alguns sequer tinham a idade mínima, 16 anos, para votar. Perguntados sobre as intenções de voto, as respostas, sem muita certeza, variaram entre Lula (PT), Flávio Rocha (PRB) e nulo. Renan Antonio de Azevedo, 17, era o único do grupo seguro sobre seu candidato: Álvaro Dias (Podemos). “Porque ele é ficha limpa, ético e tem alta aprovação”. Já na quadra do ginásio, na beira do palco, o apoio a Bolsonaro era total. Mesmo que sem uma razão clara. “Vou votar nele com certeza”, disse a recepcionista Sandra Cristina, 40, no escanteio. Questionada sobre a razão do voto, não soube dizer. “Não tenho muita informação, mas meu filho está acompanhando tudo. Ele até briga por este homem”, disse ela. O filho de Cristina, um estudante de 20 anos, é a voz predominante que engrossa o coro de “mito”, ecoado pelos correligionários do deputado.

Em cima do palco, Bolsonaro, que ao entrar no ginásio rodeado de apoiadores acabou derrubando o esquema dos detectores de metal, fez um discurso de pouco mais de 20 minutos. Agradeceu a Deus pela “oportunidade” e se disse um outsider. “Somos diferentes do quadro político que ocupou o Planalto nos últimos 30 anos”. Alvo permanente de críticas pelas polêmicas contra minorias, o pré-candidato expôs a tentativa de aparar seu discurso para asfaltar seu caminho à presidência. A última pesquisa CNT/MDA, mostra que ele precisa dobrar a rejeição de 52% dos entrevistados, que afirmam não votar de jeito nenhum nele.

De olho na região mais disputada do país, que pode ficar órfã sem Lula na disputa, Bolsonaro tratou de agradar a plateia. Afirmou ser nordestino “tanto quanto vocês”, justificando que o sogro é cearense. “Sou casado com uma filha de cearense”, disse o deputado paulista. “Meu sangue é cabra da peste também”, afirmou, usando um termo típico da região. Ainda falando sobre a própria família, aproveitou para condenar as cotas raciais. “Sou contra as cotas. Somos iguais”, disse. “Meu sogro é conhecido como Paulo Negão. Não é justo minha filha ser cotista”, usando o argumento que tem repetido para sustentar que não é racista. A insistência tem uma razão de ser. Bolsonaro foi denunciado no Supremo Tribunal Federal por racismo, por ter afirmado em abril do ano passado em um clube judeu em São Paulo, que havia ido a um quilombo e que “o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada! Acho que nem para procriar ele serve mais”. A Procuradoria Geral da República viu nessa fala uma violação da Constituição pelo menosprezo aos integrantes quilombolas, comparados a animais, quando se usou o termo “arroba”.

O candidato tem se esmerado em em reduzir o estigma que o persegue também com outra minoria. Em seu discurso, tratou de “igualdade” para falar de homossexuais. “Não há diferença minha para um afrodescendente. Somos iguais, filhos e pais, héteros e homos”, afirmou. “Quem não tem um parente ou um amigo homo? Duvido que não tenha”.

Ovacionado por um ginásio metade cheio, homenageou Enéas Carneiro, político já falecido, que disputou sem sucesso a presidências por três vezes pelo extinto Prona, sempre com um discurso nacionalista, conservador e contra o comunismo. E sempre, com espaço para um tom religioso. Citou trechos da Bíblia. Afirmou que comparecerá a todos os debates com os demais candidatos “assim que for chamado”, e defendeu, novamente, que a população tenha o direito de se armar. “A arma de fogo, com algum critério, deve ser direito de posse de vocês” disse. “Sem segurança não há economia”. Para isso, afirmou, “copiará a legislação norte-americana”.

Encerrado o discurso, subiu o som. Em ritmo de forró, a música dizia "o Nordeste acordou / o Nordeste decidiu tirar o pé da lama / Eu sou Bolsonariano, é bom já ir se acostumando..." Bolsonaro deve permanecer em Natal até sábado. No último mês, viajou para cidades do Sul, Sudeste e Centro-Oeste, além de ter feito uma visita ao Ceará, onde esteve nos municípios de Maracanaú e Pacatuaba. Apesar das viagens, disse que não está pedindo voto, "porque seria ilegal", já que o prazo para a campanha ainda não começou.

"A Amazônia não é nossa"

 Com cerca de 20% das intenções de voto e liderando as pesquisas nos cenários sem o ex-presidente Lula, Bolsonaro está até mais carismático. Chegou bem humorado para uma coletiva de imprensa, fazendo piadas com os jornalistas. Não deixou de responder a nenhuma pergunta, embora tenha se esquivado de dar respostas claras e objetivas a quase todas elas. Colocou em pauta também outro assunto tabu. Afirmou que a “Amazônia não é nossa”, e defendeu a abertura da região para exploração. “Aquilo é vital para o mundo”, disse. "A Amazônia não é nossa e é com muita tristeza que eu digo isso, mas é uma realidade e temos como explorar em parcerias essa região”.

Questionado se tinha conhecimento da legislação norte-americana e o que mais pretendia copiar dela, além da política de incentivo às armas, disse que não toma as decisões sozinho, e que “algo quase que radical deve ser feito”, mencionando a redução de impostos feita por Donald Trump. Elogiando a política armamentista norte-americana, disse que policiais não podem ser julgados caso executem alguém durante o trabalho. “Combate-se a violência com mais violência, se for preciso”.

O ginásio do Palácio dos Esportes, com Bolsonaro no palco.
O ginásio do Palácio dos Esportes, com Bolsonaro no palco.

Bolsonaro acredita que tem eleitores que “escondem” que votarão nele e que por isso passará do 20% de votos e chegará ao segundo turno “se não der nenhuma canelada”. Afirmou que é preciso entrar recurso no caixa do Governo, “sem aumentar os impostos. Se possível, diminuir”, mas não explicou como a conta fecharia. Em um eventual governo, pretende fundir os ministérios da Agricultura com o do Meio Ambiente e acabar com o Ministério das Cidades, distribuindo os recursos diretamente aos municípios. Disse que ficaria somente com 15 das atuais 29 pastas ministeriais. Ainda em um eventual governo seu, o ministro da Defesa será “um general de quatro estrelas”, e não um “desarmamentista e comunista como é Raul Jungmann”, atual ministro da Segurança Pública.

Um dia depois de ter dito que se dependesse dele, o senador Magno Malta (PR-ES) seria seu vice, à espera de um aceno do PR, o pré-candidato desprezou possíveis apoios em um eventual segundo turno. “No segundo turno não precisa de apoio”, afirmou. Sobre especulações de especialistas acerca de um possível derretimento de sua candidatura, Bolsonaro rebate: "Eu sou imbroxável", disse, afirmando que não corria o risco de perder o apoio que conquistou até aqui. "Não vou sair de combate".

Para uma plateia cheia de empresários, alguns com camisetas com os dizeres somos todos Moro, Direita Natal e Brasil acima de tudo, Deus acima de todos, o deputado encerrou a agenda em uma sabatina de uma hora na FIERN. Às perguntas na área de economia que não sabia responder, afirmava que "não sabia de tudo" e que a ex-presidente Dilma Rousseff, mesmo entendendo de economia "afundou o Brasil".

MAIS INFORMAÇÕES