Guerras e desleixo têm seu efeito: 20 milhões de crianças sem vacinação

Relatório anual sobre imunização reflete que a cobertura se detém em 86%. Os especialistas dizem que, para melhorar, as estratégias devem agora ser aplicadas mais por comunidades do que por países

Um menino em uma campanha de vacinação, no Iêmen.
Um menino em uma campanha de vacinação, no Iêmen.Rakan (Unicef)
Mais informações

O mundo obteve a maior porcentagem de crianças vacinadas em sua história, mas se deteve nas duas últimas décadas. Vinte milhões de menores não foram imunizados contra o tétano, a difteria e o sarampo em 2018, de acordo com o Relatório Anual sobre Imunização, elaborado pela OMS e a UNICEF e publicado na segunda-feira. A porcentagem de cobertura global está em 86%, um ponto percentual a mais do que ano passado e cinco a mais do que há uma década. “É um bom dado, alcançamos níveis muito altos, mas o desafio para 95% a que pretendemos atingir é chegar à população mais vulnerável, à que vive em regiões remotas e em territórios em conflito”, resume o chefe da área da UNICEF, Robin Nandy, por telefone de Nova York. O outro grande problema é que muitos acreditaram que podíamos baixar a guarda.

O caso que mais preocupa os especialistas é o do sarampo. Alguns países que haviam conseguido uma bem-sucedida porcentagem de cobertura de 90% caíram pelo menos 10 pontos

Quase metade das crianças não vacinadas estão em países muito pobres e em guerra. Estão concentradas no Afeganistão, República Centro-africana, Chade, República Democrática do Congo, Etiópia, Haiti, Iraque, Mali, Níger, Nigéria, Paquistão, Somália, Sudão do Sul, Sudão, Síria e Iêmen. Entre a Europa e a África subsaariana existe um abismo de 18 pontos percentuais. “Outro dos motivos pelos quais a porcentagem não melhora é puramente estatístico. A maioria das crianças nasce em países da África subsaariana onde se registram os níveis mais baixos de imunização”, diz Grevendonk especialista na área da OMS, em conversa por telefone de Genebra. A situação seria pior sem o investimento que desde 2001 é feito pela GAVI, a Aliança Mundial para Vacinas e Imunização, que agrupa dezenas de organizações públicas e privadas de todo o mundo com esse único objetivo.

O caso que mais preocupa os especialistas é o do sarampo. Alguns países que haviam conseguido uma bem-sucedida porcentagem de cobertura de 90% caíram pelo menos 10 pontos nos últimos anos. Além da guerra, o principal motivo para essa diminuição é o desleixo: a complacência ao acreditar que o objetivo estava cumprido, a falta de investimento em saúde pública e, em alguns lugares, a falta de confiança nas vacinas. Por exemplo, o Burundi passou de 98% a 88%; o Equador de 97% a 83%; a Bósnia, de 94% a 68% e as Filipinas, de 87%, a 67%.

Os especialistas dizem que para superar os últimos metros dessa corrida de longa distância, é preciso deixar de pensar sempre em estratégias por países e trabalhar comunidade por comunidade. “O foco sempre esteve nos dados nacionais, mas agora pode ser que não sejam tão úteis. Devemos entender por que não estamos sendo capazes de chegar a determinadas aldeias, determinados bairros”, diz Nandy. “A urbanização é um elemento fundamental. Em poucos anos cresceram ao redor de algumas cidades enormes favelas as quais é preciso chegar. Na Europa, por exemplo, o foco pode ser outro: quando os dois pais trabalham e não têm tempo de levar suas crianças ao médico, muitas vezes deixam passar”, afirma Grevendonk.

"Pela primeira vez o relatório inclui dados da vacinação contra o vírus do papiloma humano. Entre 10 e 15% de meninas foram vacinadas"

Pela primeira vez o relatório inclui dados da vacinação contra o vírus do papiloma humano, que pode provocar câncer de colo do útero nas mulheres. 90 países do mundo já a incluíram em seus sistemas de saúde e o relatório analisa 75 deles para concluir que entre 10 e 15% das meninas foram vacinadas. “O problema, mais uma vez, é que a cobertura mais elevada se dá em países desenvolvidos, quando a maior parte desses casos ocorre em territórios pobres”, diz Grevendonk. “Conseguimos fazer com que a profilaxia esteja ao alcance de alguns países em desenvolvimento, mas nos próximos anos é preciso fazer mais esforços. Um dos principais entraves é que só há duas empresas que a fabricam”, acrescenta Nandy.

Gana se transformou há apenas dois meses no primeiro país a incorporar a aplicação de vacinas por drones. A tecnologia pode ser a solução à falta de acesso a populações remotas? “De maneira muito pontual, pode fazer sentido em determinadas situações somente”, afirma taxativamente Jan Grevendonk. O especialista da UNICEF destaca que as injeções não se aplicam sozinhas: “Os drones podem entregar a vacina em algum lugar determinado, mas continua sendo necessário profissionais de saúde envolvidos para aplicá-la e não só para isso, como também para verificar previamente onde estão as crianças a se vacinar”.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: