Seleccione Edição
Login

Cinco ‘fake news’ que beneficiaram a candidatura de Bolsonaro

Na reta final da campanha presidencial, boatos sobre os adversários do ultradireitista aumentaram nas redes sociais

O candidato de extrema direita Jair Bolsonaro (PSL) aparece nas pesquisas como o favorito para vencer o segundo turno da eleição presidencial, no dia 28, com mais de 50% das intenções de votos totais.

Sob seus pés, uma bem azeitada máquina de propaganda eleitoral, já descrita pelo EL PAÍS, trabalha a toque de caixa para difundir informação fabricada contra seu adversário no segundo turno, Fernando Haddad (PT), e seu mentor político, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

À medida que a campanha foi chegando à sua reta final, os boatos nas redes sociais em favor de Bolsonaro cresceram, especialmente no WhatsApp, como conta Tai Nalon, diretora da plataforma de checagem Aos Fatos, em entrevista ao EL PAÍS. Esse grupo de sete jornalistas, distribuídos entre Rio e São Paulo, verifica diariamente o discurso de políticos e das redes sociais. Analisam memes, panfletos, vídeos e qualquer conteúdo potencialmente falso.

“Vimos a desinformação contra os adversários de Bolsonaro aumentar, em geral em torno de duas temáticas: colocar em dúvida, com teorias conspiratórias, a segurança do voto eletrônico no Brasil, e uma constante relação dos outros candidatos com pautas das minorias, como a agenda LGBT e o direito ao aborto”, diz Nalon numa troca de mensagens.

Seis em cada 10 brasileiros têm WhatsApp no seu celular. São 120 milhões de pessoas a uma mensagem de distância. “Não é possível chegar a tanta gente como Bolsonaro chegou sem uma estrutura forte, com grande financiamento por trás”, acrescenta a jornalista. Um filão para difundir fake news em grupos fechados e gerar o caos entre os eleitores e a opinião pública.

Estas são algumas das informações falsas mais difundidas através de redes sociais em favor do político radical, selecionadas pela diretora do Aos Fatos:

1. O “kit gay” para crianças de 6 anos que foi distribuído nas escolas

Na verdade, trata-se de um projeto chamado Escola Sem Homofobia, que o Ministério da Educação, então sob a gestão de Fernando Haddad, apresentou em 2011 com o apoio de diversas ONGs, mas não chegou a ser implantado. O objetivo do “kit gay”, como foi apelidado por seus detratores, seria oferecer formação aos professores para lidarem com os direitos LGTB, a luta contra a violência e os preconceitos e o respeito à diversidade entre os jovens e adolescentes. De forma alguma propunha “sexualizar as crianças” e “ensinar a ideologia de gênero nas escolas do Brasil”, como afirmou Bolsonaro numa entrevista em que mostrava um exemplar do livro Aparelho Sexual e Cia., de Hélène Bruller e Philippe Chapuis, que foi distribuído pelo Governo em algumas bibliotecas, mas nunca foi incluído no programa e não chegou aos colégios. O programa Escola Sem Homofobia acabou sendo vetado pela então presidenta Dilma Rousseff por pressões da bancada evangélica no Congresso.

O Tribunal Superior Eleitoral ordenou nesta terça-feira que sejam apagados da Internet os vídeos de Bolsonaro que falam sobre a distribuição desse livro, porque “geram desinformação e prejudicam o debate político”. A imagem acima havia sido compartilhada por 63.000 pessoas no momento da captura.

2. O homem que apunhalou Bolsonaro é filiado ao PT e aparece numa foto com Lula

Alguns sites noticiosos repercutiram a informação falsa.
Alguns sites noticiosos repercutiram a informação falsa.

Depois de ser atacado por um fanático em setembro, começaram a circular correntes de mensagens no Facebook e Whatsapp garantindo que Adélio Bispo de Oliveira, agressor do Bolsonaro, era filiado ao PT. O dado foi reproduzido por vários sites informativos, que contribuíram para espalhar o boato. Segundo o Aos Fatos, nenhuma pessoa com esse nome aparece no registro oficial de filiados do Tribunal Superior Eleitoral.

Montagem em que se vê o rosto do agressor de Bolsonaro, Adélio Bispo, próximo de Lula, em 2017.
Montagem em que se vê o rosto do agressor de Bolsonaro, Adélio Bispo, próximo de Lula, em 2017.
A imagem real do fotógrafo Ricardo Stuckert, publicada em vários jornais locais.
A imagem real do fotógrafo Ricardo Stuckert, publicada em vários jornais locais.

Outra informação falsa muito difundida nas redes foi a montagem do rosto do agressor numa foto de Lula em meio a uma multidão, tirada em 2017 em Curitiba. Na verdade, a imagem de Adélio Oliveira corresponde ao dia da sua detenção.

Por último, tentou-se relacionar o agressor de Bolsonaro ao PT por intermédio da candidata a vice de Haddad, Manuela d’Ávila. Uma página pró-Bolsonaro publicou que Oliveira havia telefonado várias vezes para a política do PC do B.

3. A senhora agredida por ser eleitora de Bolsonaro (que na verdade era Beatriz Segall).

Foto da falecida atriz Beatriz Segall após um acidente foi difundida por simpatizantes do Bolsonaro de maneira falsa.
Foto da falecida atriz Beatriz Segall após um acidente foi difundida por simpatizantes do Bolsonaro de maneira falsa.

“Esta senhora foi agredida por petistas na rua quando gritou o nome de Bolsonaro”, diz uma publicação que circulou na semana passada nas redes. Na verdade, trata-se de uma imagem de 2013 da falecida atriz Beatriz Segall, depois de sofrer uma queda na rua. O Tribunal Superior Eleitoral ordenou sua retirada nesta semana.

4. Haddad defende o incesto e o comunismo em um de seus livros

Publicação no perfil do ideólogo ultradireitista Olavo de Carvalho.
Publicação no perfil do ideólogo ultradireitista Olavo de Carvalho.

O entorno do ultradireitista repercutiu a postagem em que o ideólogo de extrema direita Olavo de Carvalho acusa Haddad de promover o incesto em seu livro Em Defesa do Socialismo. O post já foi retirado, mas a informação falsa continuou circulando nas redes. Além disso, junto com a capa do livro de Haddad aparece a foto de duas páginas de outro livro com os dizeres “Decálogo de Lênin”. As páginas fotografadas não faziam parte do livro de Haddad.

5. Se Haddad chegar ao poder, pretende legalizar a pedofilia

Exemplo da informação falsa sobre pedofilia que circula nas redes com o logotipo de Haddad.
Exemplo da informação falsa sobre pedofilia que circula nas redes com o logotipo de Haddad.

Em várias correntes nas redes sociais circula a imagem de uma menina com a boca tampada pela mão de um homem, onde se lê: “Um projeto de lei torna a pedofilia um ato legal. O sexo com crianças a partir de 12 anos deixaria de ser crime”. A foto inclui o logotipo de campanha de Fernando Haddad. Na verdade, a publicação faz referência ao projeto de lei do Senado 236/212, que atualmente se encontra parado, que propõe uma possível redução da idade de consentimento sexual de 14 para 12 anos, ou seja, o limite para que qualquer relação sexual com um menor dessa idade seja considerada estupro (por entender-se que nesses casos o consentimento da vítima não libera o agressor da acusação). É um debate recorrente no Brasil há anos. E, embora se trate de um assunto muito polêmico, em nenhum momento menciona-se a legalização da pedofilia, da mesma maneira como Fernando Haddad tampouco esteve vinculado à sua tramitação, já que nunca ocupou um cargo legislativo. Esse projeto de alteração do Código Penal brasileiro foi apresentado pelo senador centro-direitista José Sarney (PMDB-AP), e não pelo PT.

No outro lado desse embate, iniciativas jornalísticas como a plataforma Aos Fatos combatem as fake news para dar aos cidadãos informações reais para decidir livremente o seu voto no próximo dia 28. “A desinformação só serve para reforçar crenças e valores. Com ela só é possível influenciar pessoas que têm preconceitos sobre determinados temas”, conclui Tai Nalon.

MAIS INFORMAÇÕES