PRISÃO DE MILITAR DA FAB NA ESPANHA

“É uma mula qualificada”, diz Mourão sobre sargento preso na Espanha com drogas

O presidente em exercício avalia que existem outros envolvidos no tráfico de 39 quilos de cocaína em avião da FAB

O presidente em exercício, Hamilton Mourão.
O presidente em exercício, Hamilton Mourão.Valter Campanato/AG. BR.

O general e presidente em exercício, Hamilton Mourão, disse nesta quarta-feira acreditar que o militar brasileiro Manoel Silva Rodrigues preso na Espanha após transportar 39 quilos de cocaína em avião da Força Aérea Brasileira não agiu sozinho. "Com certeza existem conexões nisso aí", afirmou em entrevista à Rádio Gaúcha. De acordo com ele, identificar outras pessoas envolvidas no esquema deve ser uma prioridade. A droga foi encontrada dentro de sua bagagem de mão em 37 tijolos de pouco mais de um quilo cada. O militar integrava a comitiva da aeronave reserva de Jair Bolsonaro, que se dirige ao Japão para o encontro do G20 —o presidente utiliza outro avião. O detido, entretanto, voltaria na mesma aeronave que o presidente, segundo Mourão, afirma O Globo.

"É óbvio que, pela quantidade de droga que ele estava levando, que não comprou na esquina e levou, né? Ele estava trabalhando como mula. Uma mula qualificada", definiu o presidente em exercício. Mourão lembrou ainda que "as Forças Armadas não estão imunes a esse flagelo da droga. Isso não é a primeira vez que acontece, seja na Marinha, seja no Exército, seja na Força Aérea". Para o presidente em exercício, o "dinheiro" explicaria a tentativa de traficar a cocaína. "Você sabe que o dinheiro é algo... o vil metal corrompe. A pessoa tem que ser muito forte mentalmente, muito ciosa dos seus valores e dos seus deveres para não ser corrompida", afirmou. O general previu uma "punição bem pesada" para o sargento: "Agora a legislação vai cumprir o seu papel, e esse elemento vai ser julgado por tráfico internacional de drogas".

Mais informações

Segundo as autoridades espanholas, o sargento da FAB está preso na Espanha sem direito a fiança, e será investigado por suposto crime contra a saúde pública. Chamou a atenção dos agentes que efetuaram a prisão o fato de que a droga não estava sequer "camuflada entre as roupas" dentro da bagagem de mão do militar.

Bolsonaro usou o Twitter para comentar o assunto, onde disse que a Defesa brasileira irá cooperar imediatamente com a Espanha para esclarecer o caso, e que "caso seja comprovado o envolvimento desse militar no crime, será julgado e condenado na forma da lei".

Depois da prisão de integrante da comitiva em Sevilha, o avião que leva Bolsonaro ao Japão alterou a escala prevista, e pousou em Lisboa.