Brasil de Bolsonaro retoma vocabulário da crise: manifestação, depressão econômica, impeachment

Baixa capacidade de diálogo do Governo é apontada como estopim da crise que trouxe de volta os temas da instabilidade política crônica desde o Governo Dilma Rousseff

Estudantes protagonizaram primeiro grande protesto contra o Governo Bolsonaro.
Estudantes protagonizaram primeiro grande protesto contra o Governo Bolsonaro.Fernando Bizerra Jr. (EFE)

MAIS INFORMAÇÕES

Com quase cinco meses de Governo, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) mergulhou em uma crise política que tem provocado a retomada do mesmo vocabulário popular de três anos atrás, quando a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) foi destituída do cargo, e que se arrastou como instabilidade até o fim do mandato de Michel Temer. Resguardadas as particularidades da conjuntura de cada presidente,  todos viram emergir nas ruas —e nas redes sociais— expressões que vão do repúdio à "crise" e à "estagnação econômica" ao temor de uma "recessão da economia" ou à defesa de um novo "impeachment". É um retrato sintomático de uma crise que parece ser crônica na sociedade brasileira e tem se instalado independentemente do tempo de gestão. Se Dilma enfrentou a crise nos dois primeiros anos do segundo Governo, Bolsonaro se depara com ela em poucos meses de mandato, período em que as novas gestões costumam ver seu capital político desfrutar de seu ápice. 

Bolsonaro assumiu a presidência com um discurso antissistema e o desafio de retomar o crescimento econômico do país. Em uma campanha polarizada, ele se apresentou como saída para os problemas do Brasil, mas, no poder, segue aplicando o discurso de candidato. Optou por declarações radicalizadas e uma guerra ideológica que têm inflamado o caos instalado no próprio Governo. O presidente desponta enfraquecido pelo embate travado com o Congresso —ele diz que não vai sucumbir ao que chama de política do "toma lá, dá cá" para aprovar matérias—, não tem conseguido avançar com a sua reforma da Previdência e assistiu na semana passada ao primeiro grande levante contra ele emergir das ruas, quando milhares de estudantes se manifestaram em todo o país contra o contingenciamento de verbas que anunciou para a Educação.

Segundo cientistas políticos, Bolsonaro reproduz o mesmo erro dos ex-presidentes Dilma Rousseff e Fernando Collor: a tentativa de governar o país sem o Congresso e a baixa capacidade de diálogo com as instituições democráticas. Diferente dos dois ex-mandatários —ambos foram destituídos—, especialistas afastam, por ora, a existência de uma conjuntura que pressione Bolsonaro a renunciar ou sofrer impeachment. Mas destacam a gravidade de mais uma grande crise rondar o Governo e defendem a necessidade de o presidente começar a dialogar com as demais instituições democráticas, especialmente o Congresso Nacional, para conseguir avançar em uma agenda efetiva para o Brasil.

"A novidade do Bolsonaro em relação à Dilma e ao Collor é que ele usa as redes sociais e tem contato direto com o eleitorado dele. Isso deixa a situação mais complicada porque o próprio presidente coloca mais lenha na fogueira", afirma o doutor em sociologia política pela Universidade de Brasília (UnB), Rodolfo Teixeira. Ele cita como exemplo o texto distribuído pelo próprio Bolsonaro nos últimos dias, por meio do WhatsApp, que fala em um Brasil "ingovernável" sem a existência de conchavos políticos. O texto também diz que “o presidente não serve para nada, exceto para organizar o Governo no interesse das corporações”, representadas por políticos, empresários e “servidores sindicalistas e sindicalistas de toga”.

Para Teixeira, o presidente tem tentado colocar a população contra as demais instituições democráticas (como o Congresso e o Judiciário) e provoca uma reação delas que agravam ainda mais a crise. É o caso, por exemplo, de uma reforma da Previdência. "Bolsonaro tem uma plataforma que gera muito questionamento. A reforma da Previdência gera muita resistência porque desagrada a população, e a classe política teme perder votos. A melhor forma para lidar com esse tipo de problema é sentar e dialogar. Você pode dizer que não vai mais ter o "toma lá, dá cá", tentar trazer novos hábitos e até impor limites. Mas não dá pra ignorar o outro lado", defende.

Teixeira explica que, no sistema político brasileiro, o presidente tem o poder da caneta, mas precisa ter uma base de apoio forte no Congresso (também protagonista na execução das políticas públicas e fundamental para as reformas da gestão) para conseguir governar. O cientista político analisa que essas crises —e o vocabulário popular que ecoa nelas— têm retornado quando o presidente não demonstra a habilidade política de dialogar e negociar com os mais diferentes setores da sociedade. "O Brasil tem o péssimo hábito de eleger pessoas que não são animais políticos. A política é a arte do diálogo, é aprender a conversar com adversários para chegar a um mínimo denominador comum", declara.

Teixeira pondera que o brasileiro não tem levado em conta essa capacidade de articulação ao escolher seus candidatos. "Collor teve mesmos problemas que Dilma e Bolsonaro. O que os três têm em comum? Não são animais políticos. São autocráticos e têm dificuldade de sentar para dialogar. Ficam frustrados quando o sistema não se curva à proposta que eles têm. Mas o sistema é conservador e busca manter as coisas como são", explica.

Teixeira acrescenta que é legítimo que o presidente Bolsonaro faça críticas ao sistema político, mas defende que é preciso fazê-las levando em conta certo cuidado para manter uma relação republicana com as demais instituições. Há também que ponderar o momento certo para isso, destaca. Em um cenário de ameaça de recessão econômica e necessidade de aprovar reformas importantes no Congresso, o Governo tende a sair ele mesmo fragilizado ao não dialogar com as demais forças políticas. "É de fato difícil lidar com o corporativismo nas instituições. Mas quando você utiliza dessa crítica para dizer ao seu eleitorado que você não consegue desenvolver mudanças porque as instituições travam seu caminho e tenta fazer com que as pessoas saiam às ruas para pressioná-la, a gente entra em uma situação caótica. Por isso que essas palavras da crise voltam ao vocabulário", afirma.

No centro dessa crise, a palavra impeachment chegou a ficar entre os assuntos mais comentados do Twitter nos últimos dias, mesmo que não haja um movimento político forte para destituir Bolsonaro. Isso aconteceu depois de o próprio presidente usar a palavra ao justificar os cortes na Educação quando esteve no Texas, na semana passada: "Quem decide não sou eu. Ou querem que eu sofra impeachment?", numa referência aparente às pedaladas fiscais, o crime atribuído a Dilma no impeachment. O filho do presidente, Carlos Bolsonaro, também havia usado o Twitter para dizer que há setores que visam a destituição do pai dele. O tema, porém, não é pauta no Congresso, e deputados afirmam que é prematuro falar na possibilidade de afastamento do presidente.

"Não existe nenhum motivo pra gente estar falando de impeachment de Bolsonaro. Há uma discordância política com a forma que ele vem conduzindo o país, criando essa crise de relacionamento entre o Executivo e o Legislativo", diz o pesquisador Alvaro Martim Guedes, professor de Administração Pública da Unesp. Segundo ele, a atual crise é gerada pelas ações do próprio presidente, que tem usado constantemente as redes sociais para fazer declarações polêmicas, às vezes "beirando a grosseria", em fez de enfrentar os reais problemas do país e apresentar soluções para recuperar a Economia. "Estamos vivendo novamente a falta de uma liderança política forte o suficiente pra fazer o país ter uma agenda de reformas em andamento", afirma.

Alvaro Martim Guedes diz que, embora retome as mesmas palavras, a crise sobre o Governo Bolsonaro é "substancialmente diferente" daquela enfrentada pela ex-presidente Dilma. "Ali havia toda uma indignação popular com a questão da corrupção e neste momento o que está havendo é uma forte preocupação com os rumos do país daqui pra gente. Há um impasse e uma incerteza profunda quanto ao futuro", argumenta. Mesmo as grandes manifestações contra o Governo Bolsonaro que ocorreram na semana passada, diz o especialista, são de forte caráter popular e não pedem a saída do presidente do cargo nem têm organização político-partidária, como eram as manifestações pelo impeachment de Rousseff. "É mais pelo desgaste político de um Governo que não se apresenta a que vem", finaliza.

Arquivado Em: