Tribuna
i

Mourão em Pequim poderá elevar patamar das relações Brasil-China

Vice-presidente consertará estrago feito por Bolsonaro e buscará recuperar posição brasileira de principal interlocutor dos chineses na América Latina

O vice-presidente, Hamilton Mourão, em cerimônia no Palácio do Planalto no dia 24 de abril
O vice-presidente, Hamilton Mourão, em cerimônia no Palácio do Planalto no dia 24 de abril Valter Campanato (Agência Brasil)

Em março do ano passado, o então presidenciável Jair Bolsonaro visitou Taiwan e tuitou que suas recentes viagens internacionais tinham "deixado cada vez mais claro o norte que queremos para o nosso Brasil, algo bem diferente do que foram os Governos anteriores, simpáticos a regimes comunistas (...)."

A embaixada chinesa em Brasília não gostou. Respondeu com uma nota de repúdio. Pequim interpretou a visita de Bolsonaro a Taiwan como ameaça às tentativas chinesas de consolidar a influência da China na América Latina e Caribe, onde estão nove dos 17 países que ainda mantêm relações diplomáticas com Taiwan. Os investimentos chineses no Brasil encolheram de US$ 11,3 bilhões em 2017 para US$ 2,8 bilhões em 2018, redução que pode ser parcialmente explicada pela ascensão de Bolsonaro. Foi o momento mais difícil e incerto da relação diplomática sino-brasileira, estabelecida em 1974, quando o chanceler Azeredo da Silveira convenceu o então presidente Ernesto Geisel a reconhecer a República Popular da China.

Hoje, outro general brasileiro está prestes a dar novo passo importante na relação com o gigante asiático. Quando o vice-presidente, Hamilton Mourão, aterrissar em Pequim na próxima semana, poderá se orgulhar de ter consertado, a duras penas, parte do estrago feito pelo presidente da República na relação bilateral. Em numerosas reuniões com empresários, investidores, oficiais chineses e jornalistas para dar entrevistas, nas quais argumentou que o Brasil não enxerga a China como ameaça, e sim como parceiro estratégico, o general conseguiu desarmar a bomba armada pelo capitão. Em gesto importante para Pequim, o Governo brasileiro anunciou, poucos dias antes da viagem de Bolsonaro a Washington, que o presidente do Brasil visitaria Xi Jinping no segundo semestre do ano -- o episódio contou com a atuação importante de Mourão nos bastidores. Hoje, Pequim enxerga no vice-presidente brasileiro uma espécie de garantia de que a aproximação do Brasil aos Estados Unidos não prejudicará as relações entre o primeiro e o quinto país mais populoso do mundo.

A conjuntura é favorável a Mourão não apenas para recolocar nos trilhos a relação entre os países, mas também para elevá-la a novo patamar, alcançando nível inédito. Pelo menos quatro temas devem merecer atenção especial dos dois Governos a partir da visita do general.

MAIS INFORMAÇÕES

Primeiro, no próximo dia 23, Mourão e o vice-presidente chinês, o poderoso Wang Qishan, reativarão a Comissão Sino-brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (COSBAN), tradicionalmente chefiada pelos vice-presidentes dos dois países, suspensa desde o impeachment de Dilma Rousseff, quando o Brasil ficou sem vice. Com o apoio de Mourão e Qishan à Comissão, ela poderá se tornar plataforma crucial para ampliar o diálogo entre as duas nações, aumentando as chances de uma visita bem-sucedida de Bolsonaro a Pequim em agosto ou setembro deste ano. Pouco depois, Xi Jinping estará em Brasília para a 11a cúpula do grupo BRICS, evento diplomático mais importante durante a presidência de Bolsonaro, que também receberá os líderes da Índia, África do Sul e Rússia, além da maioria dos presidentes da América do Sul.

Segundo, a visita de Mourão à China será importante para destravar uma longa lista de desafios no âmbito econômico, desde questões de barreiras não tarifárias, que dificultam exportações brasileiras ao país asiático, até a criação de estímulos para que haja mais investimentos chineses no Brasil. Mesmo com avanços modestos, a relação comercial com a China, que se tornou a mais importante para o Brasil desde 2009, tende a se aprofundar mais. Em função da guerra comercial entre Washington e Pequim, o Brasil viu suas exportações para a China crescerem rapidamente no ano passado, chegando a U$ 64 bilhões em 2018 -- mais do dobro do que o Brasil exporta para os EUA.

Terceiro, as negociações podem ser um passo importante para a possível assinatura de um memorando de entendimento entre Brasil e China no âmbito da 'Nova Rota da Seda', também conhecida como 'Belt and Road Initiative (BRI)', projeto global de investimentos bilionários chineses e pilar de Xi Jinping na construção de uma ordem global liderada por Pequim. Recentemente, a Itália se tornou o primeiro membro do G7 a fazer parte da iniciativa. Peru e Equador também já aderiram ao projeto. O apoio brasileiro à Nova Rota da Seda teria importante valor simbólico aos olhos de Pequim, sobretudo considerando as tentativas do Governo Trump de descrever a iniciativa como uma ameaça à América Latina. Ao mesmo tempo, auxiliaria na negociação de concessões em projetos de infraestrutura, como portos, estradas e ferrovias, crucial para iniciar o processo de recuperação da economia brasileira.

Por último, a visita de Mourão, somada à reunião entre Trump e Bolsonaro, é fundamental para o Brasil recuperar seu protagonismo regional em uma nova configuração geopolítica marcada pelo embate entre Washington e Pequim, a qual deverá pautar a política na América Latina na próxima década. Para aproveitar as oportunidades que surgirão com a tensão elevada entre as duas superpotências, o Brasil precisa ser visto como principal interlocutor na região tanto pelos Estados Unidos quanto pela China.

Ao perceber o erro estratégico de Bolsonaro em relação a Pequim, vizinhos latino-americanos se mobilizaram, nos últimos meses, para se aproximar dos chineses e se projetar como porta de entrada para a China na região, como o presidente chileno Sebastián Piñera afirmou durante recente participação no II Fórum da nova Rota da Seda, na capital chinesa. Tradicional aliado de Washington, Santiago já anunciou sua participação na BRI no ano passado.

A não ser que o Palácio do Planalto saiba manter relações de alto nível tanto com a Casa Branca quanto com a cúpula chinesa, qualquer projeto de liderança regional na América Latina estará condenado ao fracasso. Afinal, os dois gigantes serão atores-chave na hora de discutir qualquer tema relevante na região, como a crise na Venezuela, a integração regional ou a instalação da futura rede de telefonia móvel 5G, ponto de grande tensão entre Pequim e Washington. Em todos esses casos, uma relação azeitada com os EUA e com a China será crucial para permitir que o Brasil possa influenciar processos decisórios na América Latina.

O desafio de Mourão não será trivial, sobretudo porque os riscos mais preocupantes à missão não vêm de Pequim, mas de Brasília e da Virginia, onde seus mais ferrenhos opositores -- os filhos do presidente, o chanceler Araújo e o ideólogo Olavo de Carvalho -- erroneamente acreditam que boas relações com os EUA inevitavelmente envolvem um afastamento da China. No entanto, se Mourão alcançar seus objetivos em Pequim na próxima semana, é possível que, paradoxalmente, seja o governo Bolsonaro a determinar um novo "norte" nos vínculos do Brasil com o gigante de "regime comunista", elevando significativamente o patamar da relação entre os dois países.

Arquivado Em: