Doze militares são denunciados por fuzilamento de músico e catador no Rio

Ministério Público Militar diz que agentes cometeram homicídio, tentativa de homicídio e omissão de socorro na ação que matou Evaldo Rosa e Luciano Macedo

 O carro de Evaldo dos Santos Rosa, após ser atingido por mais de 80 tiros, no domingo de 7 de abril.
O carro de Evaldo dos Santos Rosa, após ser atingido por mais de 80 tiros, no domingo de 7 de abril.Fabio Teixeira (AP)
Mais informações

O Ministério Público Militar denunciou doze militares que dispararam contra o carro de uma família que se locomovia para um chá de um bebê, causando a morte do músico Evaldo Rosa e do catador de material reciclado Luciano Macedo, ferido enquanto tentava ajudar a família em Guadalupe, no Rio de Janeiro. Os militares foram denunciados pelo homicídio dos dois e pela tentativa de homicídio do sogro de Evaldo, Sérgio Gonçalves de Araújo, ferido na mesma operação. Também estavam no veículo a esposa, o filho e uma amiga do músico, que não foram atingidos. O documento enviado à Justiça Militar ainda denuncia os militares por omissão de socorro, já que eles teriam apenas tentado vistoriar a área após o incidente. Agora, a Justiça Militar terá um prazo de 15 dias para decidir se aceita ou não a denúncia.

Embora 12 militares estivessem presentes no local, apenas dez foram detidos em flagrante logo após o crime, já que os outros dois apenas conduziam os veículos e, portanto, não chegaram a disparar. Em uma audiência de custódia realizada no último dia 10 de abril, a Justiça Militar converteu nove dessas dez prisões em flagrante para prisão preventiva. Apenas o soldado Leonardo Delfino Costa teve liberdade provisória concedida porque foi o único que declarou não ter feito nenhum disparo naquele dia.

A juíza Mariana Queiroz Aquino Campos, da 1ª Auditoria Militar do Rio, manteve a prisão deles por entender que houve "quebra das regras de engajamento" durante a ação, já que eles dispararam sem que houvesse qualquer risco ou ameaça. A defesa dos militares entrou com recurso ao Superior Tribunal Militar pedindo a soltura imediata deles, mas o recurso foi negado. Na última quinta-feira, houve outra audiência pelo pedido da defesa para conceder o habeas corpus aos militares, mas a juíza pediu vistas. O caso deve voltar a ser analisado na próxima semana. Enquanto isso, eles seguem detidos.

No documento do Ministério Público Militar, a denúncia não cita essa decisão, e se estende aos 12 militares que participavam da ação de patrulhamento em uma área militar de Guadalupe, no Rio de Janeiro. Conforme a perícia teriam atirado contra o veículo da família ao confundi-lo com um carro roubado naquele mesmo dia na região. A ação, porém, é considerada desproporcional. Segundo a denúncia do MPM, os militares dispararam 257 vezes durante a operação, e 62 dos tiros atingiram o carro de Evaldo Rosa.

Informações iniciais da perícia feita pela Polícia Civil depois que a população local impediu que os próprios militares vistoriassem o local, contabilizavam pelo menos 80 tiros. "Não foram encontrados vestígios de disparos na viatura militar (evento 115, documento 5) nem no entorno de onde esta se encontrava", destaca o documento. Também não foram encontradas armas com as vítimas, conforme os laudos citados no documento da denúncia.

O caso foi levado à Justiça Militar por conta de uma lei sancionada pelo então presidente Michel Temer em 2017. Nos últimos três anos, o Exército vem ganhando protagonismo em ações de segurança pública no Brasil. Foi nesse contexto que os militares conseguiram aprovar a lei 13.491/2017, que transfere para as Forças Armadas os casos de crimes dolosos contra a vida de civis durante operações de garantia da lei e da ordem. O caso de Guadalupe é emblemático porque a legislação é interpretada como uma espécie de foro privilegiado para os militares por ativistas de direitos humanos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: