Coluna
i

Por que Bolsonaro quis ressuscitar o milagre de seu atentado?

Além do gesto televisivo de mostrar a cicatriz das operações, o presidente quis no mesmo dia participar de um famoso encontro anual dos evangélicos

Bolsonaro em entrevista ao SBT.
Bolsonaro em entrevista ao SBT.Reprodução

Mais informações

Nada é inocente na política. Como não deve ter sido o fato de que o presidente Jair Bolsonaro, em um dos momentos mais conturbados de seu recente mandato, com índices mínimos de popularidade, em que há até quem já comece a falar em um futuro impeachment, tenha ressuscitado a lenda do atentado que quase o matou.

E o fez de maneira espetacular no SBT na quinta-feira quando levantou a camisa para mostrar a cicatriz das operações sofridas pela facada recebida durante um ato da campanha eleitoral, em Juiz de Fora, Minas Gerais. O Presidente justificou o gesto de mostrar as cicatrizes porque, disse, “ainda há quem diga que foi fake”.

O autor do atentado, um operário da construção civil, Adélio Bispo, confessou à polícia que esfaqueou o à época candidato Bolsonaro “por inconformismo político”. E mais de seis meses depois do atentado nem mesmo com a polícia agora sob as ordens de Bolsonaro conseguiu chegar a alguma conclusão sobre a personalidade do autor e os motivos do atentado.

Desde o primeiro momento pulularam nas redes as hipóteses mais desbaratadas, de que não existiu facada, pois não existiria a foto do momento do atentado que mostre o sangue do esfaqueamento, a um fantasioso complô de que os médicos dos hospitais que o atenderam depois o operaram para fingir que havia ocorrido um atentado.

O que nunca despertou dúvidas foi que Bolsonaro e seus aliados viram o atentado e ele ter se salvado, como uma intervenção direta de Deus para que pudesse ganhar as eleições. O que é certo é que Deus ou não, o atentado ajudou bastante o à época candidato a receber 57 milhões de votos, seja pela ala vitimista e milagreira criada ao seu redor, como por ter feito com que ele não participasse dos debates, algo para o que ele estava despreparado.

O fato de que agora, com poucos meses de Governo, que faz água por todos os lados e no qual ninguém sabe quem realmente manda no país, tenha sido o próprio Bolsonaro a relembrar a história “milagrosa” de seu misterioso atentado, está criando uma série de comentários e conjeturas que voltam a sugerir a ideia de que a mão de Deus esteve presente em sua eleição.

Além do gesto televisivo de mostrar a cicatriz das operações, o presidente quis no mesmo dia participar do famoso encontro anual dos evangélicos dos Gideões em Camboriú, Santa Catarina. Diante de mais de cinco mil fiéis voltou a lembrar que foi salvo “por um milagre de Deus”. E acrescentou: “Conseguimos um objetivo que considero uma missão de Deus, e que ao lado de vocês, pessoas de bem, tementes a Deus, cumpriremos essa missão”.

Justamente por esses dias, também se ressuscitou um episódio emblemático ocorrido na edição anterior do mencionado encontro evangélico. Bolsonaro ainda não era sequer candidato à Presidência, pediu aos fiéis que “elegessem alguém parecido com eles”. Lembrou a eles que ele “é de origem católica, mas se casou com uma evangélica”. Naquele momento um dos pastores fez uma oração a todos os presentes “com problemas de estômago”, enquanto sua esposa Michelle colocava as mãos sobre a barriga do à época deputado federal.

Hoje os evangélicos continuam defendendo que Bolsonaro se salvou do atentado porque tinha “o estômago blindado” no ato do Gideões. E Bolsonaro, considerado como fruto de um milagre de Deus, hoje precisa mais do que nunca do apoio dos 80% de evangélicos que lhe asseguraram a vitória.

Será capaz, a esse ponto do desprestigiado Governo Bolsonaro, dentro e fora do Brasil, reavivar sua popularidade fazendo reviver, de repente, a lenda de seu milagre?

Do início da História, dos feiticeiros aos políticos carismáticos, sempre foi uma constante utilizar Deus e seus milagres nos momentos críticos de seu declínio político. O ditador venezuelano Maduro, que está nas cordas, relembrou que ele “é católico e cristão, que pratica sua fé todos os dias e que Jesus Cristo está do seu lado”. Em seus momentos de glória chegou a dizer, como na vitória das últimas eleições, que “nem Jesus Cristo as teria vencido”.

Os perigosos governantes populistas sabem manejar como poucos os deuses com quem sonham se identificar e até emular. Bolsonaro pelo menos não quis se colocar acima da divindade e forjou como lema o “Deus acima de todos”. E, portanto, todos sob o manto de Deus. Não por acaso seus ministros e gurus espirituais pretendem ressuscitar o Deus da Idade Média. Não um Deus de esperança e salvação, mas de cruzadas e fogueiras para os que resistirem a ele.