Bruxelas ameaça os EUA com represálias se retomarem sanções aos investidores europeus em Cuba

UE alerta, em carta que o EL PAÍS teve acesso, que recorrerá "a todos os instrumentos à sua disposição"

A Comissão Europeia ameaçou por escrito o Governo de Donald Trump com uma possível denúncia à Organização Mundial do Comércio (OMC), se confirmar sua intenção de retomar as sanções contra empresas europeias que têm investimentos em Cuba. A medida unilateral norte-americana ameaça os interesses de empresas espanholas, em especial do setor hoteleiro, que poderiam enfrentar o pedido de indenizações nos EUA por terem investido em propriedades que foram confiscadas de cidadãos norte-americanos. Bruxelas adverte Washington, em uma carta dirigida ao Secretário de Estado à qual o EL PAÍS teve acesso, que adotará todas as represálias possíveis, inclusive a possibilidade de que as empresas norte-americanas também sejam confiscadas em solo europeu para compensar os prejuízos que sofrerem as empresas europeias em Cuba.

Federica Mogherini em entrevista coletiva com o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, em Bruxelas, em 2016.
Federica Mogherini em entrevista coletiva com o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, em Bruxelas, em 2016.François Lenoir (REUTERS)

A crescente tensão comercial entre a UE e os EUA está prestes a reabrir a frente da ilha de Cuba, fechada há 20 anos por um acordo entre Bruxelas e Washington para isentar os investidores europeus na ilha de possíveis sanções dos EUA contra Havana.

A ofensiva de Donald Trump contra Cuba entrará em uma nova fase na quarta-feira, quando a Administração dos EUA planeja abrir as comportas a uma avalanche de denúncias de indivíduos contra empresas que fazem negócios na ilha. A Europa já lançou uma advertência contra o risco de provocar uma perigosa escalada de litígios, sanções e confiscos que afetariam empresas de ambos os lados do Atlântico.

Mais informações
Europa se reconcilia com Cuba
Principal prova de “ataque sônico” contra Embaixada dos EUA em Cuba era ruído de grilos

Bruxelas ameaçou os EUA com uma denúncia junto à Organização Mundial do Comércio se retomar as sanções, segundo uma carta enviada ao Governo de Donald Trump por Federica Mogherini, vice-presidenta da Comissão Europeia e alta representante de Política Externa da UE, e por Cecilia Malmström, comissária europeia de Comércio.

Mas o primeiro bombardeio comunitário, na forma de carta à qual o EL PAÍS teve acesso, vai além do mero conflito internacional perante a OMC. E adverte Washington que desencadeará “um ciclo autodestruidor de reclamações” se anular a isenção de sanções que as empresas europeias com interesses em Cuba desfrutam.

“A UE será obrigada a recorrer a todos os instrumentos à sua disposição, inclusive a cooperação com outros parceiros internacionais, para proteger seus interesses”, enfatizam Mogherini e Malmström em uma carta que tem Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA, como destinatário.

Washington planeja deixar que, pela primeira vez, entre em vigor o Título III da conhecida lei Helms-Burton, segundo o qual cidadãos de origem cubana podem reivindicar perante tribunais norte-americanos as propriedades que lhes foram confiscadas depois da revolução de 1959 e que agora podem estar perfeitamente sob o uso de investidores com interesses na ilha.

A Lei Helms-Burton foi aprovada pela Administração de Bill Clinton em 1996. Mas o mencionado artigo, que permitiria tal cascata de processos (cerca de 200.000, segundo cálculos da agência Reuters), nunca entrou em vigor graças, em grande parte, à pressão de Bruxelas para defender, entre outras coisas, a importante presença espanhola em setores como o hoteleiro. O impacto das sanções dos EUA pode ser sentido nas cadeias hoteleiras espanholas presentes na ilha, entre as quais figuram Meliá, Iberostar, Barceló e NH. Os investidores espanhóis controlam 71% dos quartos de hotel da ilha que estão em mãos estrangeiras. E o investimento espanhol é de cerca de 300 milhões de euros (aproximadamente 1,32 bilhão de reais) por ano.

Os EUA optaram por suspensões sucessivas da possibilidade de reclamação, aprovadas a cada seis meses e decididas Governo após Governo, independentemente de sua cor política. Uma trégua que Trump parece disposto a acabar na quarta-feira, mesmo com o risco de provocar represálias por parte de um parceiro comercial tão fundamental para os EUA como a UE.

Mogherini e Malmström detalham em sua carta os procedimentos que a União Europeia pode ativar para permitir que as empresas europeias recuperem qualquer prejuízo financeiro causado por sanções de Washington ou por indenizações a ex-proprietários norte-americanos de bens cubanos.

Não por casualidade, as duas comissárias dão como exemplo o setor hoteleiro para alertar Pompeo das possíveis repercussões. “Se uma cadeia de hotéis norte-americana (...) reclama [compensação] a uma cadeia europeia perante os tribunais norte-americanos (...), a europeia poderia reivindicar a mesma compensação à norte-americana perante um tribunal europeu”, alertam as comissárias.

O procedimento, se for o caso, permitiria confiscar bens das empresas norte-americanas no território da UE para compensar os prejuízos sofridos pelas empresas europeias. “E deve-se notar que a grande maioria dos 50 maiores denunciantes, que respondem por 70% do valor total das reclamações registradas, tem ativos na UE”, especifica a ameaça da Comissão Europeia.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS