Cuba se prepara para enfrentar um novo período de escassez

“O tom do Governo dos Estados Unidos contra Cuba é cada vez mais ameaçador”, avisou Raúl Castro na quarta-feira

Cena de uma rua de Havana na quarta-feira passada.
Cena de uma rua de Havana na quarta-feira passada.Ramon Espinosa (AP)

Na sempre delicada situação econômica da ilha se soma agora o cerco dos EUA à Venezuela, seu principal aliado, e o recrudescimento do embargo contra Cuba, um "cenário turbulento" que, nas palavras de Raúl Castro, faz com que o país deva preparar-se "para a pior variante".

"O tom do Governo dos Estados Unidos contra Cuba é cada vez mais ameaçador", avisou o ex-presidente cubano em discurso no Parlamento na quarta-feira passada, no qual afirmou que "o fortalecimento do bloqueio e a continua aplicação da Lei Helms-Burton persegue o velho desejo de derrotar a Revolução Cubana por meio da asfixia econômica e da penúria”. No sábado, Miguel Díaz-Canel, que o substituiu na presidência, arrematou a ideia: Trump levou os "laços bilaterais a seu pior nível em décadas", exacerbando a perseguição financeira e destruindo a aproximação entre Washington e Havana. "Para falar em bom cubano: a crueza do momento nos obriga a estabelecer prioridades bem claras e definidas, para não regressar aos momentos difíceis do Período Especial", disse aos deputados.

Mais informações

A simples menção dessa época gela o sangue de muitos cubanos, que guardam na memória os anos duros dos apagões e da crise selvagem, quando o país praticamente se paralisou e os cidadãos perderam 70% do poder aquisitivo. Há vários meses nos mercados de toda a ilha se começou a sentir a escassez de produtos básicos, como farinha, ovos, frango, óleo e alguns medicamentos, o que provocou filas, brigas entre as pessoas e medidas para evitar o açambarcamento, incluindo a venda controlada de produtos deficitários – ultimamente, quando se vende frango em uma loja, apenas dois podem ser adquiridos por pessoa. Em algumas ocasiões não houve fornecimento de gasolina por alguns dias e se registraram blecautes isolados, o que, com as notícias que chegam da Venezuela – o principal parceiro comercial de Cuba e de onde vem, a preço preferencial, 50% do petróleo que o país consome –, ressuscitou o fantasma do Período Especial.

Tanto Castro quanto Díaz-Canel foram muito cuidadosos ao explicarem que o mau momento que se avizinha nada tem a ver com a crise de três décadas atrás porque a economia hoje está muito mais diversificada. A dependência da Venezuela é grande, mas muito menor da que havia em relação à antiga URSS e o campo socialista – com os quais a ilha realizava 85% de suas trocas comerciais. Mesmo assim, se o governo de Nicolás Maduro cair, o impacto sobre a economia cubana seria considerável. Economistas como Pavel Vidal e Carmelo Mesa-Lago calculam que o PIB cubano poderia cair 10%. A isso se soma o que Raúl Castro chamou de "o incremento da guerra econômica dos EUA", como aconteceu nos anos noventa, quando em meio à escassez galopante Washington promulgou as leis Torricelli e Helms-Burton para desencorajar o investimento estrangeiro.

As pressões dos EUA para afugentar os empresários estrangeiros e fazer com que os bancos importantes não operem com Cuba são uma realidade. Isto é confirmado pelo Conselho de Administração da Associação de Empresários Espanhóis em Cuba, que reúne 260 empresas com negócios e investimentos na ilha. "Há empresas que receberam notificações de entidades da Flórida que advertem que, se houver mudanças políticas em Cuba, serão tomadas medidas contra aqueles que hoje fazem negócios com a ilha", diz um de seus membros.

Pressão sobre as empresas

O cerco às transações financeiras com Cuba também aumentou. A pressão do sistema financeiro internacional contra as operações que envolvem entidades cubanas se soma às já duras sanções e multas aplicadas pelos Estados Unidos aos bancos que operam com a ilha. Esta situação, que afeta empresas de todas as nacionalidades e setores, alcança multinacionais como a Nestlé, com uma presença significativa na ilha, e organizações internacionais, como o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD), com dificuldade crescente para realizar suas transações. Além do mais, a histórica lista negra do Departamento do Tesouro teve o acréscimo de outras entidades ligadas às Forças Armadas cubanas – muitas delas hotéis administrados por empresas espanholas –, às quais os EUA aplicam sanções. Na semana passada, soube-se de novas sanções impostas a companhias de navegação, algumas delas europeias, cujos navios transportaram petróleo venezuelano para Cuba nos últimos meses.

A ameaça da aplicação do item III da Lei Helms-Burton, que permitiria a cidadãos norte-americanos e cubano-americanos entrar com ações em tribunais dos EUA contra empresas estrangeiras que "trafiquem" com propriedades expropriados em Cuba depois de 1959, é um outro aumento do aperto. "O objetivo é claro: causar medo e desencorajar o investimento estrangeiro, quando Cuba mais necessita dele", diz o embaixador da UE em Cuba, Alberto Navarro, que já declarou que Bruxelas tem leis antídoto contra a Helms-Burton e defenderá os interesses das empresas europeias.

Na quinta-feira o assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciará em Miami novas medidas contra Cuba e Venezuela na Associação dos Veteranos da Baía dos Porcos, no aniversário da tentativa fracassada de invadir Cuba, em 1961, apoiada pelos EUA. Dado o iminente cenário tempestuoso, que reforça no Governo em Havana uma psicologia de praça sitiada, Raúl Castro antecipou no Parlamento qual é a receita: "Cuba já demonstrou que pôde, pode e sempre poderá resistir, lutar e alcançar a vitória".

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: