Psicologia

Os efeitos inesperados de ficar sem dormir

Para além do cansaço e dos problemas de concentração, dormir pouco antes de ir trabalhar dificulta o controle de nossas emoções

Mais informações

Há cada vez mais pessoas em todo o mundo que dormem menos do que deveriam. O estilo de vida, a necessidade de estar conectado 24 horas por dia os 7 dias da semana, o estresse psicossocial, o consumo de álcool, a falta de atividade física e o excessivo consumo eletrônico são algumas das razões pelas quais geralmente dormimos menos horas do que o recomendado. Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), a privação de sono já é um problema de saúde pública nas principais potências mundiais. Isso tem efeitos conhecidos relacionados à falta de concentração no trabalho e ao mal-estar físico generalizado, como dores de cabeça e náuseas. No entanto, existem outros danos menos conhecidos das consequências da privação de sono no trabalho.

Torna você menos bem-sucedido

Uma das crenças mais difundidas para alcançar o sucesso e os objetivos no trabalho é que quanto mais você trabalhar, melhor. E se isso significa sacrificar o descanso ou horas de sono, esse é o preço do sucesso. No entanto, a pesquisa aponta para o contrário. Para ter sucesso, você tem de dormir bem. De acordo com o Departamento de Sono da Escola de Medicina de Harvard, qualquer melhoria da produtividade no curto prazo por acordar muito cedo ou se deitar tarde é rapidamente eliminada pelos efeitos prejudiciais da privação de sono no estado de ânimo, na capacidade de concentração e no acesso a funções cerebrais de nível superior durante os dias posteriores. Ou seja, se hoje você dorme mal, sofrerá as consequências até dias mais tarde.

Isto se converte no peixe que morde a cauda quando você descobre que não dormir o suficiente o torna menos produtivo, mas que condições de trabalho inadequadas lhe tiram o sono. De acordo com o relatório Os Custos Financeiros de Dormir Pouco, do CDC, os trabalhadores que não têm horário fixo, que enfrentam prazos pouco realistas e que levam entre 30 e 60 minutos para chegar ao trabalho, dormem, em média, cerca de 30 minutos menos que os trabalhadores com melhores condições. Isto equivale a perder cerca de 173 horas de sono por ano.

Afeta sua capacidade de controlar as emoções...

Se um dia você está de mau humor e não consegue saber a razão, pare para pensar nas horas que dormiu: a sensação de sonolência nos faz sentir emoções mais negativas. O estudo longitudinal A Privação de Sono e o Desenvolvimento das Relações Chefe-empregado, da Universidade de Indiana (EUA), concluiu que dormir pouco diminui o carisma do líder e pode levar a comportamentos mais abusivos. Também afirma que a privação de sono prejudica as partes do cérebro envolvidas na regulação das emoções.

É a mesma conclusão a que chegou o Instituto Californiano de Neurociências do Comportamento e Psicologia em uma pesquisa publicada em 2018, que apontou para uma possível relação entre a amígdala e as emoções negativas resultantes da privação de sono, especialmente a ira. Essa estrutura cerebral é responsável pelo processamento das nossas reações emocionais. Durante a pesquisa, descobriu-se que a privação de sono nos deixa mais irascíveis e torna mais fácil que optemos por emoções reativas, em vez de pararmos para processar e administrar as emoções como faríamos se tivéssemos dormido bem. No entanto, o estudo também enfatiza que é necessário continuar pesquisando para encontrar detalhes conclusivos.

...e, portanto, também as relações com os colegas de trabalho

Se dormir pouco nos faz ser mais reativos, não é difícil concluir que as relações com os colegas de trabalho também serão afetadas. A pesquisa desenvolvida pela Universidade de Indiana também encontrou evidências científicas de que o sono é um indicador da qualidade das relações no trabalho. Um dos pontos mais graves dos resultados obtidos é que nem sequer somos conscientes de que a privação de sono é a culpada pela deterioração das nossas relações no ambiente de trabalho.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete