Ex-vice-presidente de Cristina Kirchner volta à prisão

Amado Boudou, condenado por corrupção, perde benefício da liberdade vigiada por risco de fuga

O ex-vice-presidente Amado Boudou no momento de sua prisão em dezembro.
O ex-vice-presidente Amado Boudou no momento de sua prisão em dezembro.Telam
Mais informações

Amado Boudou voltou à prisão na segunda-feira. Um tribunal argentino de segunda instância revogou a liberdade vigiada que possuía o vice-presidente da época de Cristina Kirchner desde 11 de dezembro, quando foi permitido que esperasse em casa, com uma tornozeleira eletrônica, a revisão pedida da condenação a cinco anos e 10 meses recebida por corrupção. Boudou se apresentou nos tribunais federais por volta de meio-dia e de noite a polícia o levou ao presídio de Ezeiza, na periferia de Buenos Aires. Os juízes não trataram a questão principal: ou seja, a apelação da sentença apresentada pelo ex-vice-presidente, que fica para abril.

De acordo com a sentença de segunda-feira, Boudou ainda possui poder suficiente para planejar uma fuga e obstruir o trabalho dos juízes que devem confirmar ou revogar a sentença que em agosto o mandou à prisão. A sentença destacou “a forma prepotente e ameaçadora” que o vice-presidente do kirchnerismo mostrou durante o processo. A defesa do número dois de Cristina Kirchner, por sua vez, afirmou que não havia motivos para revogar a liberdade provisória porque seu cliente se apresentou sempre que os juízes pediram.

Durante sua liberdade, que durou pouco mais de dois meses desde a sentença, Boudou se manteve discreto e evitou falar publicamente de política. Dessa forma ficou à margem das questões internas do peronismo, submerso em uma discussão ainda silenciosa pelo nome que o representará nas eleições gerais de outubro. A grande dúvida é se Cristina Kirchner concorrerá ou não à outra presidência. Sua candidatura depende, em boa parte, do avanço das investigações judiciais que enfrenta por suposta corrupção durante seu mandato. O processo mais avançado, que investiga supostos favores na concessão de obras públicas em troca de propinas, já tem data para o julgamento oral. Tudo estava pronto para colocar Cristina Kirchner diante de um tribunal em 26 de fevereiro, mas na segunda-feira a primeira audiência foi adiada para abril, por um problema de saúde de um dos juízes do tribunal.

Boudou é o cargo de maior escalão do kirchnerismo preso por corrupção. Foi ministro da Economia entre 2009 e 2011 e vice-presidente durante o segundo mandato de Cristina Kirchner. Em 7 de agosto do ano passado, os juízes o declararam culpado no caso Ciccone, um processo que investigou o resgate pouco claro de uma empresa de impressões falida que obteve gordos contratos para a emissão de notas de 100 pesos.

De acordo com a sentença, ficou provado que Boudou intercedeu em 2010 para que o escritório de impostos (AFIP) levantasse um pedido de quebra contra a Ciccone, a empresa de impressões privada mais importante do país, encurralada por uma dívida milionária contra o fisco. Em troca, o ministro ficou com 70% da empresa, segundo a sentença, através do empresário Alejandro Vandenbroele, que operou como seu testa-de-ferro. Nesse esquema, Vandenbroele se limitou a “acatar as ordens” recebidas por Boudou através de intermediários. A Ciccone conseguiu após o resgate o certificado fiscal que permitiu que se transformasse na principal fornecedora de notas do Estado, acima até mesmo da Casa da Moeda.

O caso Ciccone começou em fevereiro de 2012 com o depoimento de Laura Muñoz à imprensa, ex-esposa de Vandenbroele. A mulher disse que seu marido era um testa-de-ferro de Boudou e que a conexão entre eles foi feita através de José María Núñez Carmona, amigo pessoal do ex-vice-presidente. Vandenbroele foi uma peça fundamental da investigação porque estava ligado ao fundo de investimento The Old Fund, que ficou com a propriedade da Ciccone após o fim da quebra, pelo menos na documentação. Para os juízes, o verdadeiro dono da empresa era Boudou, algo que o acusado negou totalmente em suas últimas palavras aos juízes.

Se já chegou a ter pretensões presidenciais, a estrela de Boudou foi se apagando enquanto empilhava problemas nos tribunais. A investigação mais grave sempre foi o caso Ciccone, mas chegou a ter 54 processos, de acúmulo de infrações de trânsito (110 por excesso de velocidade) ao uso indevido de um helicóptero do Estado para viagens proselitistas.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: